Hoje Escreves tu #14 – Como avaliar a era Jesus, Mestre da Táctica, no Sporting? – 2ª parte


Nota introdutória: este post é a 2ª parte do post aqui publicado durante o dia de ontem.

Por Miguel Condessa

A minha maneira de ver e pensar um plano para uma equipa de futebol, seja ela qual for, mas que também se aplica a qualquer equipa de qualquer modalidade com as devidas adaptações, passa por ir incrementando qualidade ano após ano. E um dia seremos campeões porque estaremos a cada ano mais fortes e mais apetrechados para o ser. Pode demorar 2 anos,3, 4, 5, alguns, mas chegaremos lá! Irá sempre depender de alguns factores internos, como de onde partimos, e alguns externos, como por exemplo em que patamar estão os nossos rivais. Esse plano passa por analisar uma época, vamos chamar-lhe a época zero, com incidência no 11 base e nos 14/15/16 jogadores mais utilizados, escolher 2 posições para melhorar e apostar em 2 boas contratações para essas posições de modo a serem titulares de caras. Depois, em paralelo, é ir preparando a boa prata da casa para um dia subir à equipa A e depois para um dia estar preparada para substituir um ou outro jogador que se tenha distinguido e seja vendido.

Digamos que, de um plantel de 24/25 jogadores que acabou a época zero, entram 2 novos com qualidade para serem, de caras, titulares nas suas posições e mais um ou 2 jovens, saindo os 3 ou 4 jogadores que se acha que já não vão trazer nada há equipa de modo a manter o plantel com o mesmo número de jogadores. Se algum jogador dos 14/15/16 mais utilizados for vendido é ir buscar mais um jogador para essa posição ou, caso se tenha em casa, para uma outra posição que se ache que faz falta ou pode vir a ser útil! Todas as grandes equipas foram construídas em vários anos. Nunca de um ano para o outro, comprando meia equipa ou mais. Há que ter sempre uma boa base do ano anterior porque é isso que faz a diferença, na sua base, entre ter uma equipa e um grupo de jogadores.

Por exemplo, não se acautelou a posição de defesa direito quando tínhamos o Cedric como titular indiscutível na posição. Não se conseguiu renovar o seu contrato a tempo porque não se quis pagar o que ele queria – mas depois pagou-se isso ao Schelotto! Não se precaveu a possibilidade de ele ter de ser vendido, preparando alguém da equipa B para lhe suceder ou indo buscar alguém para se preparar para isso, como o Benfica fez com o Grimaldo, para suceder ao Eliseu, e como está agora a fazer com o Hermes para suceder ao Grimaldo. Resultado: 2 anos depois é unanime que nos falta um defesa direito capaz!

Outro exemplo é o caso do Adrien. Há muito que se sabe que não há no plantel ninguém para fazerbem o papel do Adrien no 11 base titular. Não havia no tempo do Jardim, continuou a não haver no tempo do Marco, continua a não haver com o Jesus. Há 4 anos que não há um substituto à altura do Adrien!

Estranho numa equipa altamente profissional que se diz que luta por títulos e que quer ser tão grande como os maiores da Europa! O Geraldes está no clube desde os 8 anos. Nos juniores (2012/13) já era notório, inquestionavelmente, o seu talento e as suas qualidades. Passou para a equipa B, definitivamente, no ano em que o Marco chegou. Exactamente no ano em que o Gauld chegou também. Portanto, há 3 anos. Ambos jogaram na equipa B o ano todo, como acho normal que tenha acontecido. Nunca se pensou em prepará-los para essa possibilidade de fazerem um dia o lugar do Adrien? Quando o Jesus chegou era normal, para mim, que pegassem nestes 2 jogadores, por tudo o que já tinham mostrado, e os trabalhassem ambos nesse sentido porque são jogadores com todo o potencial para fazerem a posição, ainda que possam fazer também outras.

Falta-lhes perceber a posição até à exaustão, perceber o que se pede nessa posição, ao Geraldes faltará um pouco mais de “cabedal” para aguentar as lutas e os choques normais de quem joga ali no meio, e depois é irem jogando e aprendendo aos poucos. Se tivessem sido trabalhados o ano
passado e feito parte das opções aqui e ali, havia muitos jogos em que podiam ter entrado nos últimos 30/20 minutos para ir ganhando rotinas quando os jogos estavam decididos. Este ano tinham tido novamente essa oportunidade, com a agravante que tendo o Adrien ficado lesionado durante 2 períodos de 2 meses tinham podido os 2 ter contribuído para a equipa aprendendo ao mesmo tempo. Escusava-se de ter pago 3M€ para ir buscar o Elias e ainda ter gasto 1,5M€ em 6 meses de ordenado. No fim desta época teríamos 2 jogadores feitos para o lugar do 8 e o Adrien podia ser vendido sem nos termos de preocupar em procurar esse jogador.

O mesmo em relação, por exemplo, ao Iuri e ao Alan Ruiz. Gastou-se 8M€ para trazer um gajo da Argentina, com um apêndice que parece que nem é titular no Sintrense, que tem praticamente as mesmas virtudes e os mesmos defeitos do Iuri. E ainda se lhe paga 2M€ por ano em ordenado. Para o ensinar o que é o futebol! Não se podia ter então apostado no Iuri e no Podence para essa posição, sendo que ambos podem jogar também em qualquer dos extremos? E não se podia pegar nesses 8M€ e ter trazido 2 laterais bons?

Se o treinador vê futuro no Palhinha, porque razão se gastaram 2M€ para trazer o Petrovic? Esse mesmo Petrovic que podia ter vindo a “custo zero” 2 anos antes e a estrutura – era a estrutura na altura que dizia que jogadores queria – não quis!

Em relação à próxima época, onde muito dificilmente estaremos na Champions League, e de arrasto ficaremos privados dos M€ daí, eu apostaria tudo em 3 jogadores (até aos 25 anos no máximo) e não mais, caso não saísse nenhum dos fundamentais. Partindo do princípio que se consegue resistira vender uma das nossas pérolas…

Na baliza estamos servidos com o Rui Patrício e o Beto, mais o Pedro Silva, da equipa B. É vender o Azbe Jug (0,5M€).
Os centrais estão definidos com a chegada do André Pinto, a que se juntam os 3 bons que lá estão: Coates, Semedo e Paulo Oliveira. É vender o Douglas (1M€). Talvez também o Tobias. Ou voltar a emprestá-lo. Emprestar o Domingos Duarte novamente. Na direita mantem-se oSchelotto e vai-se buscar um bom lateral para titular. Na esquerda é ir buscar o Jonathan Silva – foi internacional A argentino com o Marco – e comprar um bom lateral para titular. Não me venham falar no Insua, que
já passou o prazo de validade. Jefferson, Zeegelaar e André Geraldes para vender e tentar fazer uns8/9M€ com os 3.

No meio campo mantém-se William e Palhinha para a posição 6. Por mim, Adrien, Gauld e Geraldes para a posição 8. Para a esquerda Bruno César e Matheus. Para a direita Gelson com a opção pelo Iuri e pelo Podence. Vendia o Bryan Ruiz que já não tem intensidade para o jogo que se quer no Sporting e porque é um dos jogadores mais bem pagos do plantel – um luxo demasiado caro para suplente. Para o mercado certo pode ser se consiga algo próximo dos 3M€. Vendia o Petrovic –talvez haja um parolo que pague os 2M€ que nos custou! – e emprestava o Slavchev e o Paulista a um Braga ou um Guimarães – uma equipa que esteja na Europa e/ou lute pela Europa. Vendia o Rosell (1M€).

No ataque o Dost é intocável! Mantinha o Spalvis e talvez apostasse mais um ano no Castaignos. É um jogador com potencial, que tem um ordenado médio, e que talvez falte quem aposte nele com mais força. Ainda acredito que o Jesus lhe consiga dar o que lhe tem faltado. Além que me parece um jogador que pode servir para jogos onde se jogue mais em contra-ataque na Europa. Para 2º avançado apostava num trio formado pelo Iuri, pelo Podence e pelo Dala. E vendia o Alan que não me parece que alguma vez venha a ser um jogador com intensidade e que defenda bem. Só ter bons pés, rematar razoavelmente e ter a mania que é mau, quase não se mexendo em campo,parece-me curto para alguém que custa tanto dinheiro. Se a coisa for bem feita podemos recuperar os 10M€ que custou tê-lo cá um ano a aprender a jogar futebol – e acho que nem conseguiu completamente! – e ainda ganhar qualquer coisa – 2/3M€ já era fantástico! Vendia o Heldon –tentava conseguir 1M€ para só perder 0,5M€ neste negócio ridículo! Se o Leeds der os 15M€ pelo Sacko pode ficar lá. Se não tentava outro empréstimo do mesmo género – Mónaco? – ou coloca-lo emprestado numa equipa boa portuguesa, nas mesmas condições que disse para o Slavchev. O mesmo em relação ao Mané. Se o Stuttgart der os 15M€ pode ficar com ele. Se não der é ficar lá mais um ano – tem 2 anos de empréstimo! Teo é para vender, pelo que derem por ele. Talvez uns 2M€. Acho difícil mais que isso!

Este plantel não é nada inferior ao plantel deste ano. Tem ainda a vantagem de ser muito apoiado sobre a nossa formação que é uma coisa que a generalidade dos adeptos gosta. Terão mais tolerância para os miúdos do que para os pinos que cá estavam este ano. Tem ainda a vantagemde, tendo uma base muito portuguesa e muito sportinguista, os jogadores saberem como o clube é perseguido pelo sistema que domina o futebol português. Só uma base destas, aliada a uma outra parte do plantel de jogadores de inegável categoria, possibilitará que o grupo de jogadores lute até àexaustão contra o sistema, entrando do princípio ao fim sabendo que qualquer porta que abram os assalariados da APAF apitarão contra nós. Acredito que o Coates e o Dost já tenham percebido isso.
E de certeza que o Bruno César sabe perfeitamente do que estou a falar!

Só com o entulho que acho que se deve vender penso que se poderá fazer entre 22M€ (mínimo) e32M€ (máximo) – e o Sacko e o Mané não entram nestas contas. E podem ser mais 30M€! Isso permitirá comprar 2 bons laterais e ainda sobra para se investir em 2 ou 3 jovens com potencial para
irem para a equipa B para já – quanto mais sobrar mais potencial se pode ir buscar nesses jovens! Este plantel, mesmo com o Jesus, se não inventar, se esquecer aquela cena do “é preciso nascer 9vezes”, é perfeitamente suficiente para lutar pelo titulo e fazer uma boa campanha europeia, criando uma base fortíssima para, fazendo mais 2 ou 3 aquisições na época seguinte, fazer uma equipa fortíssima para ganhar qualquer titulo excepto a Champions. Basta fazer uma pré-época como deve ser, e focarem-se no essencial, jogo a jogo, sabendo que cá terão sempre de jogar contra 14 ou 15!

Não seremos os principais favoritos para o ano mas acredito que, mesmo vendendo uma pérola ou 2 no fim desse ano, seremos seríssimos candidatos no ano seguinte, mesmo contra a APAF! E daí para a frente, sim, estaremos sempre na linha da frente para lutar por títulos e ganhá-los! O nível de roubo depois já teria de roçar o demasiado escandaloso e não estou a ver, já com vídeo-árbitro, isso ainda ser possível sem consequências graves! É importante que se mantenha uma aposta forte na Academia e que se vão recrutando os talentos que vão nascendo por cá e não só…

Temo, no entanto, que este defeso será mais parecido com o que se passou o ano passado – mais um carregamento de jogadores “experientes” – do que com esta linha de pensamento – aposta no talento que temos em casa e 2 ou 3 contratações cirúrgicas que ainda possam render ao clube daqui a 3 ou 4 anos!
Vamos aguardar e ter fé no BdC, que no Jesus tenho muitas dúvidas…

Um pensamento em “Hoje Escreves tu #14 – Como avaliar a era Jesus, Mestre da Táctica, no Sporting? – 2ª parte”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s