Giro de Itália – Etapa 12 – Hat-trick de Fernando Gaviria


Fernando Gaviria 3-1 Andre Greipel. O colombiano voltou a molestar o alemão com uma valente chicotada no final da etapa 12, tirada maioritariamente corrida em terreno plano que ligou Forlì a Reggio Emilia. Ao contrário do sprinter alemão (até agora um dos maiores derrotados deste Giro), o colombiano da Quickstep soube-se posicionar melhor na abordagem ao sprint final, batendo Jakub Marezcko da Selle Italia e o irlandês Sam Bennett da Bora. Num dia em que a Lotto até deu uma ajuda para anular a fuga do dia, o alemão voltou a baquar no posicionamento, falhando por completo os esforços do companheiro que se adiantou ao pelotão na curva que antecedeu a recta da meta para o lançar com eficácia. Ficando muito atrasado nos últimos metros, o alemão falhou por completo o sprint

À chegada a Reggio Emilia, o colombiano de 23 anos não poderia estar mais feliz com a conquista da 3ª vitória em etapas na sua prova de estreia em provas de 3 semanas: “Nunca imaginei poder vir a ter este tipo de sucesso na minha estreia numa Grande Volta. Pensei que poderia, no máximo, alcançar a vitória numa etapa, porque esta é uma nova experiência para mim. Conseguir alcançar tantas vitórias é algo fantástico. É tão difícil vencer numa prova desta dureza.” 

Com duas contagens de montanha no início da tirada (uma de 2ª categoria e outra de 3ª) previa-se à partida uma etapa tranquila que tinha grandes hipóteses de ser discutida ao sprint.
A etapa começou com a habitual fuga do dia: o chefe-de-fila da Gazprom Sergey Firsanov, Marco Marcato da UAE e Mirco Maestri da Bardiani saíram nos primeiros quilómetros da etapa, passando praticamente todo o dia na frente da corrida. O último a ser apanhado, a 6,6 km da meta, seria o ciclista da formação italiana, corredor que tinha nesta etapa um incentivo extra devido ao facto de ser oriundo da região onde terminava a tirada. Como não escondeu o desiderato de vencer em Reggio Emilia, o corredor da Bardiani tentou resistir o mais que pode ao assalto que era feito na cabeça do pelotão pelos homens da Orica e da Lotto.

Num final marcado por algumas viragens, pelo caótico bailado protagonizado pelos ciclistas das equipas dos sprinters e por um furo do lançador de Gaviria, o argentino Mauro Richeze, várias foram as equipas que puxaram os seus líderes para a frente de forma a salvaguardá-los de uma eventual queda. Com a Bora na dianteira a tomar a testa do pelotão para preparar o caminho a Sam Bennett, nos metros finais, o albanês Eugene Zhupa da Selle Italia esboçou um ataque surpresa que foi rapidamente anulado. Já com Richeze devidamente integrado na frente, o argentino haveria de conseguir dar a melhor oportunidade de sprint possível a Gaviria, colocando o colombiano na dianteira. Com um poder de arranque fenomenal, o colombiano não deu hipótese aos seus mais directos adversários.

Classificação geral 

O esticão promovido na parte final pela equipa dos sprinters motivou vários cortes no pelotão. Os primeiros classificados na etapa haveriam de ganhar 6 segundos a um 2º grupo. Domenico Pozzovivo (AG2R) e Adam Yates conseguiram entrar de forma inteligência na cauda do grupo que disputou o sprint, ganhando portanto 6 segundos a toda a concorrência. Os 6 segundos permitiram ao italiano da AG2R subir ao 8º lugar em igualdade de tempos com Tanel Kangert (Astana) enquanto Yates manteve-se na 16ª posição da geral.

A 31 segundos do vencedor haveria de chegar Geraint Thomas da Sky. Os preciosos segundos perdidos pelo ciclista galês permitiram a Rui Costa avançar mais um lugar na geral.

Outras classificações

Pontos\Regularidade – Os 56 pontos somados por Fernando Gaviria nos sprints intermédios e na linha de chegada permitiram-lhe um avanço significativo na geral desta classificação. O colombiano tem agora 247 pontos, mais 80 que Jasper Stuyven da Trek, ciclista que só conseguiu fechar na 9ª posição. André Greipel (Lotto-Soudal) é 3º a 110 pontos do ciclista colombiano. Se Greipel ou Stuyven não fizerem nada durante o dia de amanhã, podemos considerar que a vitória final ficará praticamente fechada para o ciclista sul-americano.

Montanha – Omar Fraille chegou finalmente à liderança da categoria pela qual tanto tem lutado. O espanhol é o novo líder da montanha. Apesar dos elementos da fuga existente terem levado os pontos máximos que foram atribuídos nas 2 passagens pela montanha, o espanhol saiu do pelotão juntamente com o (até hoje) líder Jan Polanc (Team UAE) para tentar colher pontos que lhe permitissem a posse de camisola azul.
O ciclista da Dimension Data tem agora 49 pontos contra os 46 de Polanc. Na 3ª posição está Nairo Quintana com 35 pontos.

Sprints intermédios – Daniel Teklehaimanot (Dimension Data) continua a liderar com 37 pontos, mais 9 que o albanês Eugene Zhupa da Selle Italia.

Combatividade – Fernando Gaviria aumentou a liderança deste prémio categorizado para 13 pontos. O colombiano tem agora 42 pontos, mais 13 que Jasper Stuyven. O terceiro é Omar Fraille com 26 pontos.

Juventude – Bob Jungels (Quickstep) continua na liderança com uma vantagem de 2:23 para Davide Formolo da Cannondale e 2:56 para Adam Yates da Orica, ciclista que reduziu o tempo para o belga em 6 segundos.

A Movistar continua a liderar por equipas com uma vantagem de 3:39m sobre a Astana e 9:30 sobre a Team UAE.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s