Sporting 1-0 Fiorentina – aspectos positivos e aspectos negativos da exibição do Sporting


Aspectos positivos 

  • O comportamento defensivo demonstrado pela equipa no primeiro tempo. Com o seu bloco defensivo recuado no meio-campo a equipa melhorou ao nível de comportamento defensivo. Mas, como irei realçar nos aspectos negativos, piorou ao nível do comportamento ofensivo. Em abono da verdade, também se deve dizer que a equipa de Stefano Pioli foi praticamente inofensiva durante os primeiros 45 minutos, porque se limitou a fazer circular a bola para os corredores. Pioli quer implementar um modelo de jogo que dá mais ênfase à criação de jogo através dois processos: as triangulações nas alas e o aparecimento de jogadores no espaço existente entre a linha média e a linha avançada. O técnico italiano não tem porém, pura e simplesmente, um bom meio-campo. Carlos Sanchez não dá para todas. O colombiano tem uma capacidade de passe interessante mas é quase sempre obrigado a variar o centro de jogo para as alas porque não joga com um elemento próximo. Tanto na alas, terrenos onde Gelson e Acuña deram uma preciosa ajuda aos respectivos laterais como no espaço central, terreno onde Battaglia foi rei e senhor com a ajuda pontual de William Carvalho em alguns lances (uma interessante exibição a central; sempre bem posicionado, sempre correcto e limpinho na marcação e nos duelos contra Babacar; boas antecipações sempre que a Fiorentina tentava servir o seu avançado na fase de construção), a equipa do Sporting teve um comportamento francamente positivo. Esta equipa demonstra que é capaz de ter um comportamento defensivo mais assertivo em bloco baixo. Em bloco médio\alto a equipa tem duas enormes lacunas: se a linha de pressão é ultrapassada, existe muito espaço para jogar entre a linha do meio-campo e a linha defensiva, e tem sérias dificuldades no controlo à profundidade. A exibição de Battaglia destacou-se precisamente porque o argentino foi clarividente a anular o espaço entre linhas, a recuperar e a lançar-se nas suas famosas cavalgadas com bola. Claro está que o controlo à profundidade está sempre dependente da pressão que é realizada a meio-campo. Se as unidades do meio-campo pressionam bem, cortam espaço e tempo para o armador pensar o lançamento, podem gerar-se duas situações: o lançamento não sai redondinho para as costas da defesa ou pura e simplesmente não sai porque o jogador perde a oportunidade de lançamento e por conseguinte é obrigado a procurar outra solução. Não creio que Jesus vá alterar assim de repente as suas ideias de jogo apesar de ter vindo a testar durante a pré-temporada um novo sistema táctico, sistema em que continua a privilegiar um sistema de pressão avançado no terreno.
  • A exibição de William Carvalho. Ainda pode sair a jogar com uma natural tranquilidade. É um assombro de jogador.
  • A exibição de Battaglia. Leitura posicional perfeita, agressividade, recuperação e lançamento do ataque. Estão desfeitas as dúvidas em relação ao jogador. É forte, é craque, é abnegado. Precisa apenas de aprender a soltar a bola no tempo correcto quando se lança ao ataque.
  • Melhorias na exibição de Piccini. De jogo para jogo, o italiano está a melhorar ao nível posicionamento (já não dá tanto espaço para o adversário directo manobrar, é incisivo no 1×1) e já começa a mostrar mais serviço no ataque. Na 2ª parte, protagonizou o melhor lance individual do encontro quando rasgou pela direita para ganhar a linha de fundo, entrar na área e servir Daniel Podence à boca da baliza.
  • Gelson. Soberbo. Quando o extremo entra no corredor central traz muita velocidade ao jogo e cria uma informação adicional ao adversário, à qual este nem sempre tem capacidade de se adaptar rapidamente e de forma eficaz. O internacional português consegue em todo o lado (até na esquerda) sem nunca comprometer defensivamente.
  • Um lance de mestria técnica por parte de Daniel Podence na primeira parte. Com um movimento de antecipação para a direita, o avançado deu a entender a Davide Astori que iria cair para a direita. O central acompanhou-o e o avançado, de forma inteligente, deu um passo atrás para receber a bola e pregar um valente nó no rígido central Viola antes de almejar a baliza de Marco Sportiello.
  •  

  • Um interessante passe de ruptura de Bruno Fernandes para o inteligente Bas Dost. Libertando-se da pressão realizada pelo adversário com uma subtil rotação, o médio percebe imediatamente o movimento de desmarcação (em diagonal) de Bas Dost para as costas da defesa. O holandês revela uma enorme inteligência na gestão da sua posição face a linha defensiva adversária. Não foi porém eficiente a receber no lance em questão de forma a poder finalizar na cara de Sportiello.

Aspectos negativos

  • O recuo do bloco defensivo diminui o poderio ofensivo deste Sporting. Durante o primeiro tempo, a equipa saiu meia dúzia de vezes em contra-ataque e só conseguiu sair porque os italianos demonstraram pouquíssima força nas pernas. Bruno Fernandes (2 movimentos em diagonal para o flanco direito nos quais recebeu e disparou que nem uma flecha) Acuña e Gelson só puderam criar perigo no contra-ataque porque o meio-campo Viola não teve capacidade para fazer uma rápida transição defensiva. Nesse punhado de situações, a desorganizada defensiva Viola ficou exposta. Foi o que valeu à equipa leonina para construir os maiores lances de perigo da partida.
  • Coentrão. Continua sem me convencer. Algo se passa efectivamente com o lateral. Cumpre defensivamente, mas contam-se pelos dedos de uma mão as vezes em que o lateral se aventurou no ataque. Não é o mesmo jogador expressivo que vimos sair de Portugal, revelando até algum medo de subir no terreno.
  • Tobias Figueiredo. Transpirou nervosismo durante toda a partida. Entradas fora-de-tempo e um ai Jesus sempre que teve que sair a jogar a partir de trás. Não é solução para uma equipa que pretende ser campeã.
  • A gestão da vantagem. A jogar com a equipa jogou no 2º tempo, não irá segurar qualquer vantagem em jogos a contar para as competições oficiais. A equipa adormece por completo. Por vezes dá-me a sensação que o único jogador acordado em campo é Adrien Silva.
  • Alan Ruiz. Continuo sem perceber o que Jorge Jesus vê no argentino. Nos poucos minutos em que esteve em campo, não colocou velocidade nas transições às quais foi chamado a participar e falhou passes atrás de passes (de ruptura, tabelas)…
  • Bruno César: continua a ser importante nas acções defensivas, acções em que funciona como um 3º médio, mas ofensivamente, o médio brasileiro é um jogador nulo. Passa a vida no chão a queixar-se das cargas que sofre porque não é rápido a soltar a bola.
  • Doumbia. O avançado precisa nitidamente de se moldar ao equipa espera dele em vez de obrigar a equipa a moldar-se ao seu estilo de jogo. Continua ficcionado no jogo em que se sente mais confortável: a desmarcação para as costas da defesa. Os passes nem sempre entram e o costa-marfinense nem sempre consegue sincronizar os seus movimentos de desmarcação para as costas da defesa com o timing das acções dos colegas. Existem tempos e tempos. Para guardar a bola, para a soltar, para arriscar o passe de ruptura. Por vontade do avançado africano, a equipa jogava exclusivamente para o tipo de jogo onde se sente mais à vontade. Quando o Sporting tiver de jogar contra equipas mais fechadas o avançado costa-marfinense não terá tantas oportunidades para realizar os seus movimentos de base. Nesses jogos terá que se adaptar ao contexto do jogo.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s