Manchester United vs Everton


Lukaku lê muito bem a jogada. Antevendo claramente a possibilidade de recuperação por parte de Juan Mata, o belga desiste da acção de fecho das linhas de passe para um dos centrais para se reposicionais no meio destes para dar continuidade à eventual recuperação do seu colega. Como o avançado do United perde o tempo exacto para finalizar de pé direito, ainda consegue tirar Ashley Williams da frente quando o central internacional galês tenta o desarme mas a simulação de corpo obriga-o a ter que finalizar com o seu pior pé. 

O golo de Antonio Valencia e duas perdidas de Romelu Lukaku na cara de Jordan Pickford foram as únicas oportunidades de golo de uma partida que me está a dar algum prazer em seguir dada a qualidade das duas equipas. O Everton até tem sido a equipa com mais posse de bola nos últimos 25 minutos do primeiro tempo.

Disposta num bloco recuado nos primeiros minutos, a formação de Ronald Koeman teve que suar para ter a posse de bola frente a um United de José Mourinho que começou muito mandão (no meio-campo adversário), criterioso na construção de jogadas (a formação de Mourinho tentou desmontar o denso e bem organizado bloco recuado da formação de Liverpool através de processos de jogo que privilegiavam a constante variação do centro de jogo de um flanco para outro, tentando de vez em quando obrigar a equipa adversária a abrir-se com a colocação de bolas em profundidade para as desmarcações circulares de Lukaku e\ou para os apoios frontais que o avançado oferece) e intenso na pressão alta exercida sobre a defesa dos toffies.

Num desses esforços surge o lance descrito no preâmbulo deste post.

Porém, paulatinamente a equipa de Liverpool conseguiu começar a levar o jogo para o meio-campo contrário graças aos esforços de Wayne Rooney nas acções de contra-ataque. Sempre que recupera a bola, a equipa de Koeman procura imediatamente servir os movimentos de antecipação do avançado sobre os centrais do United, para que este seja capaz de segurar a bola na sua posse de forma a promover a subida em bloco da equipa e a presença dos médios de frente para o jogo. Assim que este recicla o esférico quer para Schneiderlin, quer para Gueye quer até para Tom Davies, os alas do Everton (Leighton Baines e Cuco Martina) já se encontram bem projectados no terreno e capazes de promover a colocação de bolas em profundidade através de desmarcações para as costas dos laterais do United.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s