No primeiro dia dos Campeonatos do Mundo, a Sunweb fez história


A propósito das vitórias de etapa, da conquista do Prémio da Montanha e do 10º lugar alcançado por Warren Barguil na geral individual na edição deste ano do Tour, das vitórias em etapas alcançadas por Michael Matthews (o vencedor do Prémio da Regularidade no Tour), do 4º lugar alcançado na geral individual da Vuelta por Wilco Kelderman e das vitórias de Tom Dumoulin na geral individual do Giro e no Binckbanck Tour, já pude realçar em vários posts o maravilhoso ano de estreia que está a ter a nova aposta desta empresa alemã ligada ao sector do turismo. Se em condições absolutamente normais, sem vitórias de excepção (considero como vitórias de excepção as vitórias nas principais voltas do calendário internacional, as provas de 3 semanas) dizem os especialistas da área que a aposta de uma empresa do ciclismo poderá gerar um retorno 3 a 4 vezes superior ao montante investido inicialmente, nem quero imaginar qual será o grau do retorno (quer em termos financeiros, quer ao nível mediático) que a empresa está actualmente a ter em função da espantosa época que as suas equipas (quer a masculina, quer a feminina) estão a realizar na presente temporada. 

sunweb

O sucesso obtido pelas suas formações está a superar em larga escala as expectativas iniciais depositadas pelos responsáveis da equipa quando estes decidiram comprar a licença de participação em provas World Tour à Giant, a antiga patrocinadora da equipa.

Com 18 vitórias na presente temporada no sector masculino, o mesmo registo de triunfos alcançados durante a temporada de 2016 pela Giant (com John Degenkolb; sem Matthews e Kelderman no elenco), leque de vitórias que foi alcançado quase exclusivamente nas provas de 3 semanas, a aposta pode-se confirmar como ganha. Tanto que os responsáveis da equipa afiançaram recentemente que irão dobrar a extensão do projecto inicialmente pensado de 2 para 5 temporadas dadas as projecções e expectativas que estão a ser lançadas para o rendimento da equipa na próxima temporada. Com contrato renovado recentemente até 2022, Tom Dumoulin será candidato à vitória no Tour já na próxima temporada. Ciclistas como Sam Oomen, Edward Theuns (recentemente contratado), Niklas Arndt, Phil Bauhaus, Lennard Kamna, Soren Kragh Andersen, Lennard Hofstede e Max Walscheid são corredores com imenso potencial que podem adicionar facilmente, entre si, 10 a 15 vitórias nos próximos anos.

No sector feminino, a equipa conta com 10 vitórias, entre as quais as de Leah Kirchman no Tour, a da norte-americana Coryn Rivera no Tour de Flandres e de Lucinda Brand numa etapa do Giro. Rivera e Kirchmann já estão vinculadas até ao final da temporada de 2021.

A equipa perderá Barguil para o próximo ano (o francês rumará para a Fortuneo) mas já se pode reforçar com a entrada de um ciclista capaz de garantir algumas vitórias ao sprint como é o caso de Edward Theuns.

sunweb 2

Em Bergen, a formação alemã tornou-se a primeira formação da história do ciclismo a conquistar a prova de contra-relógio por equipas dos Campeonatos do Mundo de ciclismo tanto no sector masculino como no sector feminino. A possibilidade de vitória não seria totalmente descabida se a formação de Tom Dumoulin fizesse um bom contra-relógio naquela cidade norueguesa. No post de antevisão que escrevi na passada sexta-feira atribui o favoritismo à BMC e à Quickstep (os belgas foram a maior desilusão da prova, terminando fora das medalhas) mas deixei bem saliente a possibilidade de outras equipas poderem vir a lutar pela vitória, casos da Sky e da equipa que hoje se tornou pela primeira vez, na sua prova de estreia, campeã do mundo. Com 8 segundos de vantagem para a formação de Rohan Dennis e Tejay Van Garderen e 22 para a Sky (Froome terá que se contentar com o bronze), o elenco composto por Dumoulin, Soren Kragh Andersen, Kamna, Michael Matthews, Sam Oomen e Wilco Kelderman replicou a vitória alcançada horas antes pela equipa feminina.

Tom Dumoulin poderá ainda juntar a esta vitória, a vitória no contra-relógio individual, prova onde é a par com Christopher Froome um dos principais candidatos à vitória e Michael Matthews também pode somar a vitória na prova de estrada do próximo domingo. Nas declarações prestadas no final da prova ao Cycling News, o patrão da selecção australiana afirmou que sonha com a possibilidade da equipa vir a conquistar o triplete nestes Campeonatos do Mundo. 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s