A arte de um bom médio


Receber o esférico, levantar a cabeça para ler o cenário de jogo na sua totalidade (o posicionamento adversário e o mar de movimentações dos seus companheiros na abertura de linhas de passe) e procurar sempre a melhor solução de passe (a que acrescente progressão no terreno, criação de situações de desequilíbrio ou a que permita à equipa continuar a ter a posse de bola) nem que para o efeito tenha que contemporizar, guardando a bola nos seus pés (mesmo que a pressão adversária chegue, Matic tem mecanismos para a suplantar) até ao momento em que um companheiro oferece a solução ideal, ou seja, a solução que proporciona ganhos à equipa.

O sérvio cumpre as mais elementares regras da “boa definição de lances” quando tem a bola nos seus pés. A circulação de bola do United ganhou imenso com a chegada do sérvio. É ele que liga o jogo entre sectores, que faz a bola circular de flanco a flanco (processo tão necessário contra equipas bem organizadas num bloco recuado; caso do Everton na primeira meia-hora do jogo de domingo) e que liberta todos os jogadores que jogam à sua frente para funções mais criativas, sem nunca, se expor muito no terreno para não prejudicar o equilíbrio defensivo da equipa de Mourinho. Se a equipa perde o esférico (mesmo nas situações em que o sérvio falha um passe) Matic está lá rapidamente para tentar matar a transição adversária.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s