Barcelona 3-0 Las Palmas – 5 breves apontamentos


1- A organização defensiva dos Las Palmas em Nou Camp. 

Esta deverá ter sido a primeira vez (não me recordo alguma vez ter acontecido tal coisa em Nou Camp nos últimos 20 anos) que os catalães jogaram em casa sem a presença de público nas bancadas do seu estádio. Os graves tumultos ocorridos nas ruas de Barcelona a propósito do referendo independentista proposto ao povo catalão pelo elenco directivo da Generalitat que actualmente governa aquela comunidade autónoma (?) do Estado Espanhol, região que certamente, ao que tudo indica passará ao estatuto de estado soberano nos próximos meses\anos, levaram o Barcelona, primeiro, durante a manhã, a pedir o adiamento do jogo marcado para a tarde de domingo, solução que foi prontamente rejeitada pela Liga Espanhola. A 30 minutos do início da partida, temendo a perda de 3 pontos em caso de desobediência à instrução da Liga Espanhola (entretanto a organização dirigida por Javier Tebas decidiu consultar a polícia; os mossos de esquadra avisaram que não teriam meios suficientes para garantir a segurança de todos os espectadores), a direcção culé lançou um comunicado no qual explicava as razões que motivaram a decisão de interdição do terreno à participação popular. Enquanto que cá fora, junto aos portões de acesso ao estádio milhares de pessoas tentavam entrar no recinto, no terreno de jogo gerou-se uma situação algo insólita: os comentadores e os telespectadores puderam ouvir com alguma clareza as várias comunicações que foram realizadas ao longo dos 90 minutos pelos jogadores de ambas as equipas, acontecimento muitos raros nos dias que correm.

Inspirado decerto pelo grau de sucesso dos modelos de organização defensiva utilizados nos últimos jogos pelos treinadores dos clubes que tem enfrentado este Barça (Girona, Sporting, p.e) Pako Ayestarán, antigo preparador físico de treinadores como Rafa Benitez, Unai Emery e Quique Flores, tentou replicar no seu plano de jogo para a partida, o bloco recuado posto em prática por esses clubes, sem ter realizado contudo uma marcação individual a Lionel Messi. Quando sofreu o primeiro golo, à semelhança do que Jesus realizou no 2º tempo da partida de Alvalade, Ayestarán também mandou avançar o seu bloco até ao meio-campo adversário para eventualmente beneficiar de um roubo de bola que pudesse dar azo à realização de um contra-ataque que tivesse o condão de apanhar a defensiva catalã desprevenida. A ideia estratégica do plano de jogo do treinador dos Las Palmas passou pela realização de vários processos defensivos nos quais sobressaíram:

  1. a disposição geral da equipa na primeira parte num bloco recuado, muito compacto no corredor centra,nos seus últimos 30 metros, com linhas a jogar sempre muito próximas e um jogador posicionado entre linhas, quiçá para estar próximo de Messi sempre que o argentino pudesse receber a bola entre linhas. Ayestarán optou por não marcar individualmente o argentino.

las palmas

Como se pode ver nos vídeos e frames, a organização defensiva da formação das Canárias não foi qualitativamente superior à organização demonstrada pela formação leonina no jogo de quarta-feira (a pressão exercida na fase de construção culé foi nula; não impedindo a entrada da bola entre linhas; superioridade 3×1 no espaço entre linhas; à semelhança do que aconteceu em Alvalade, existiram algumas distracções dos médios alas na cobertura aos movimentos de ataque à profundidade por parte dos laterais da formação de Valverde, permitindo a entrada da bola nas suas costas) mas a formação do Las Palmas conseguiu, na primeira parte, não só resistir ao caudal ofensivo dos catalães (não sofrendo) como demonstrar alguma qualidade tanto na sua saída para o ataque como nos processos ofensivos realizados no meio-campo adversário. Escrevo “alguma qualidade” porque algumas perdas de bola na saída para o ataque, permitiram aos jogadores da cidade condal apanhar a defensiva adversária descompensada no momento da recuperação.

Messi 6

Messi teve algum espaço no corredor central para criar. 

Suárez voltou a ser, como já tinha sido em Alvalade na quarta-feira, algo precipitado na hora de se desmarcar para as costas da defesa (o uruguaio foi apanhado 2 vezes em fora-de-jogo nos primeiros 45 minutos) e, por outro lado, o Las Palmas pode contar com uma boa exibição do seu guardião, o argentino Leandro Chichizola.

O segundo processo utilizado pelo treinador da formação da Gran Canaria na partida visou essencialmente a redução das zonas jogáveis através da compactação deste em reduzidos espaços de terreno, processo regularmente utilizado por treinadores como Simeone ou Paco Jémez como uma forma privilegiada de “roubo” da posse ao adversário através do congestionamento da zona onde se encontra o esférico e da proximidade entre jogadores. Este tipo de situações é como pode se pode ver na imagem utilizado com alguma regularidade nos lançamentos de linha lateral porque a equipa que defende pode, como se diz na gíria “apertar o espaço de recepção” – logo, ao “apertar o espaço de recepção”, existe naquela zona muita proximidade entre jogadores, o que equivale a dizer que mais próximos, os jogadores caem mais rapidamente na pressão ao portador para pressionar e roubar-lhe o esférico.

barça

Neste lance, Suárez realiza um movimento importantíssimo para abrir a linha defensiva do Las Palmas. Aproveitando a distracção de um dos centrais da formação insular, o avançado ganha-lhe as costas para realizar um movimento divergente para a ala que promove o arrastamento de 3 adversários.

suarez 2

O arrastamento promovido pelo avançado seguido do passe para a entrada de Aleix Vidal no espaço livre, criou uma autêntica avenida para o flanqueador entrar na área adversária. O antigo jogador do Sevilla atrapalhou-se na definição do lance.

barça 5

3. A subida da primeira linha de pressão até ao meio-campo adversário. 

Na primeira vez em que a equipa visitante se sentiu confortável na partida para avançar a sua primeira linha de pressão de forma a incomodar a saída de jogo dos centrais da formação da casa, criou um lance de perigo na área da formação catalã. O roubo de bola é realizado em falta. Para anular a investida do avançado argentino Jonathan Calleri com um precioso desvio, valeu ao Barça o posicionamento irreprensível e a rápida recuperação no terreno de Sérgio Busquets.

2. Boa acção de contra-ataque que não só não deu em golo porque Chichizola foi rápido a sair da baliza para fechar a passagem ao seu compatriota Lionel Messi.

Messi tira o esférico da zona de pressão adversária, permitindo a Aleix lançar Suárez em profundidade. Desapoiado, o avançado teve que contemporizar para esperar a chegada e a desmarcação de Sergi Roberto, jogador que vinha em velocidade pela esquerda. O passe é metido em conta mas, como se pode ver na imagem em baixo, Chichizola foi rápido a ler e a compreender a decisão tomada pelo avançado uruguaio. Logo que o passe é metido, o guardião argentino trata de sair rapidamente da baliza para limitar a acção do médio da formação da casa.

sergi

3. As melhores jogadas realizadas pela formação da Gran Canária

Bonita variação entre flancos face à disposição defensiva do Barcelona à entrada da área. Hernan toma uma óptima decisão quando percebe a entrada de Oussama Tannane pela direita, colocando-lhe a bola nas linha, nas costas do lateral, com recurso a um passe de régua e esquadro. Na cara de Ter Stegen o extremo marroquino executou bem o passe atrasado para o local onde se encontrava o seu avançado, mas Aleix Vidal, acabou por anular a situação com uma corajosa antecipação sobre o adversário.

Utilizando imenso o jogo interior entre linhas, com a deambulação do extremo esquerdo Tana para o corredor central, os forasteiros foram crescendo no jogo.

Mais uma vez Tannane está envolvido na jogada: na primeira fase do lance, o extremo direito marroquino combinou com Tana através de um apoio frontal, para depois estender o jogo na segunda fase do lance com uma desmarcação pela direita, desmarcação que facilitou a execução do passe ao seu colega de equipa. Tannane voltou a servir bem Calleri com um passe atrasado, mas Javier Mascherano acabou por ter uma importante intervenção no desfecho da jogada pela forma em como estorvou o remate do seu compatriota. Se não tivesse sido veloz a meter o pé para limitar a acção do avançado do Las Palmas, os insulares poderiam ter saído para o intervalo a vencer…

mascherano

Nota de curiosidade: À imagem e semelhança do que aconteceu em Alvalade, os catalães acabariam por iniciar a “resolução” da partida através de um lance de bola parada, quando aos 48″, na sequência de um canto batido na esquerda, Busquets foi ao 2º andar cabecear para o fundo das redes da baliza de Chichizola.

4. O golo sofrido pelos insultares levou Ayestarán a subir totalmente as suas linhas até ao meio-campo adversário, replicando mais uma vez a estratégia utilizada por Jorge Jesus. Tentando almejar os resultados alcançados na quarta-feira pelo técnico do Sporting quando deu ordem de subida ao bloco, a ideia do técnico do Las Palmas fracassou porque a pressão realizada pelos seus jogadoresà saída do jogo dos catalães foi algo incipiente e muito descoordenada. Fazendo passar a bola pelas primeiras duas linhas de pressão através de uma rápida circulação de pé em pé (preferencialmente ao primeiro ou segundo toque) e e de indispensáveis movimentos de desmarcação para acrescentar progressão, os catalães não sentiram dificuldades para colocar a bola com rapidez nas costas da defensiva adversária.

barça 8

1.Os dois centrais estão como se pode ver vigilantes aos dois homens da frente.

2. Estão 3 jogadores a pressionar o portador naquele momento (descoordenação na pressão)

3. Ao realizar a desmarcação em velocidade sobre o seu adversário, Sergi Roberto percebe que não poderá não existir compensação imediata por parte dos centrais. É isto que move o médio a oferecer a linha de passe com aquela desmarcação em velocidade sobre o seu adversário directo. 

sergi 2

Logo que a bola entra na corrida de Sergi, Suárez dispara, aproveitando para o efeito a estranha precipitação do central do Las Palmas no momento. Ao dar um passo para a frente, o jogador em causa pensou que poderia colocar o uruguaio em fora-de-jogo. Como descurou a possibilidade de Sergi poder vir a recolocar o avançado em jogo com a realização de um simples passe para a frente, o central do Las Palmas cometeu um erro de análise que lhe fez perder a frente do lance.

A finalização do uruguaio é, neste lance, desculpem-me a expressão uma valente porcaria que não é digna de um avançado da sua qualidade. 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s