O dia em que Nuno Dias voltou a fazer de Joel Rocha uma verdadeira cabaça!


A Joel Rocha deve-lhe ter passado decerto toda a cagança e a arrogância destilada (em forma de fel) nos primeiros meses enquanto treinador do Benfica. Desde que se iniciou este ciclo vencedor do Sporting, Rocha já mudou tudo: já mudou de jogadores, já mudou o seu modelo de jogo, já mudou até discurso, não devendo faltar muito até que alguém lhe mostre à calhoada (porque é à calhoada e à cadeirada que saem todos aqueles que não conseguem conquistar títulos naquele clube) a porta da rua do pavilhão da Luz.

Só uma atitude de desespero (de quem já não consegue fazer nada para bater uma equipa mais forte, muito mais forte, muito mas mesmo muito mais forte, com um treinador melhor, muito melhor, muitíssimo melhor) pode explicar a opção suícida (quando o jogo estava muito longe de estar resolvido) tomada pelo treinador do Benfica nos primeiros minutos do segundo tempo quando decidiu subir o seu novo guardião (o anterior, Bebé, keeper que até era a besta negra deste Sporting; fazendo contra os leões exibições de mão cheia, foi dispensado pelo técnico encarnado sem apelo nem agrado nem sequer um pingo de consideração ou gratidão) até ao meio-campo adversário. O resultado foi bonito de se ver. O ambiente no pavilhão foi bonito de se ver. Até o trabalhão que o Dieguinho teve para marcar posição frente ao agressor Bruno Coelho foi bonito de se ver.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s