A humildade de Buffon


buffon

“Cada um tem o seu tempo. Sou obrigado a respeitar as decisões do clube, que compra guarda-redes mais novos e talvez melhores do que eu. Quero encerrar a carreira da melhor forma possível, honrá-la até ao último dia” referiu o guarda-redes no final da partida disputada entre a Juve e o Milan.

Não é falsa modéstia, é humildade.

Como? Repete lá? Melhores que quem? Quantos? Quantos é que o podem dizer no teu país? Sim, em toda a história do futebol italiano? Quantos no Mundo? Quantos na história? Paremos por breves segundos para esquadrinhar de fio a pavio a história do futebol. Quantos guarda-redes foram tão influentes na sua história do futebol? Quantos é que podem olhar em retrospectiva para a sua carreira de forma a poder afirmar: “Sim, a minha carreira é ou foi equiparável ao nível de grande à do Buffon” – Poucos. Certamente poucos. E actualmente? Sim, actualmente? Quantos? Quantos dos “novos” é que possuem a tua agilidade? Quantos é que ainda possuem a tua flexibilidade? E os teus reflexos? Quantos é que algum dia poderão atingir o teu nível e estatuto na história do futebol? Um, talvez. O teu homónimo Gigi Donnaruma. Se continuar a evoluir como tem evoluído. Se. Suposição. Quando tinhas a sua idade, no Parma, já ninguém alimentava qualquer suposição em relação ao teu potencial. Lembro-me perfeitamente. Já não eras o “se”. Eras o futuro. Contudo, neste momento, no futebol poucas são as certezas. Promessas haverão de existir sempre muitas porque o futebol vive literalmente de dúvidas, dívidas e promessas, mas certezas existirão sempre poucas. Quantos é que possuem ou possuíram o elan com que tu comunicas para a tua defesa, bastando por vezes uma única palavra para os galvanizar para uma excelente exibição, bastando por vezes um “estou aqui” para transformar um lance com potencial para o adversário numa bola que morre lentamente nas tuas mãos… Quantos guarda-redes é que poderão dizer que ofereceram segurança a mais de 3 gerações de defesas? Quantos? A verdade é só: uma grande parte daqueles que jogaram nestes últimos 20 anos à tua frente cresceram porque tu estavas lá, porque tu acrescentavas segurança e confiança a toda a equipa! O Lilian Thuram, o Paolo Montero, o Giorgio Chiellini, o Robert Kovac, o Domenico Criscito, o Balzaretti, o Fabio Cannavaro, o Jean-Alain Boumsong, o Alessandro Birindelli, o Jonathan Zebina, o Martin Cáceres, o Fabio Grosso, o Nicola Legrotallie, o Zdenek Grygera, o Leonardo Bonucci, o Andrea Barzagli – todos. Todos sabiam que em caso de falha, tu estarías nas suas costas, ávido para a compensar com uma das tuas monumentais estiradas junto ao poste. Todos sabiam que não bastava ao adversário passá-los em velocidade, dobrá-los com uma rabona, saltar mais alto nos pontapés de canto: havia uma muralha intransponível nas suas costas. Uma muralha que todos queriam bater. Ainda há poucos meses, o rapazito do Mónaco (actualmente no PSG), o Kylian, referiu, que o maior sonho da vida dele era marcar-te um golito. Ele bem tentou, mas tu estragaste-lhe, por ora, o desiderato.

Se efectivamente for verdade o que dizes, Gigi, os dirigentes da Juve revelam o que facto meia Itália pensa a seu respeito: os ingratos Agnelli pertencem à escola mais perigosa do capitalismo selvagem. Pertencem à escola daqueles que gastam vidas humanas até à exaustão para seu próprio benefício, descartando-os à posteriori com um belo de um chuto no rabo quando sentem que é hora de passar para outro que lhes possa dar mais rendimentos. É um pouco disso que se trata. Tu não estás velho por mais que o teu BI diga que já passaste dos 4. Todas as pessoas que te vêem semanalmente o compreendem facilmente. Tu poderás estender a tua carreira até ao ponto em que digas: “não estou em condições de ter um rendimento minimamente aceitável” ou simplesmente, “estou farto disto. Quero fazer mais da minha vida” – se te retirares por esses motivos, toda a sua gente te compreenderá e toda a gente saltará do sofá ou da cadeira de estádio para te prestar aquela longa salva de palmas que bem mereces na tua despedida. O que se trata neste caso é que os tipos da tua direcção acham que está na hora de contratar o teu homónimo do Milan para facturar mais uns milhões com a venda de camisolas e de direitos de imagem. Mesmo que não estivesses em condições de continuar, jamais seria capaz de te despedir dessa forma porque tu não foste somente importante nos títulos conquistados pelo clube, não foste somente importante no título conquistado pelo teu país em 2006, não foste somente importante no estilo que criaste, não foste somente importante pelas causas pelas quais deste a cara ao longo destes 20 anos – quer tu queiras, quer não queiras, tu foste o responsável pela saída de milhares de pessoas de uma condição de miséria absoluta. Não tenhas a menor dúvida. Esse será o teu maior legado. Podes não te aperceber mas foram centenas, provavelmente milhares aqueles que do nada, ao ver os teus voos estampados nos posters colados à chapa das suas habituações, interiorizam para consigo: “Um dia quero voar de poste a poste como o Buffon” – E voaram, tornando-se profissionais de futebol.

Esse é o teu legado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s