FC Porto vs Leipzig – 5 breves notas sobre os primeiros 45 minutos


A exibição do Porto nos primeiros 45 minutos foi assente, na minha opinião, em 5 aspectos muito positivos e noutro negativo.

  1. O primeiro aspecto positivo resulta do lance do golo, lance em que Sérgio Conceição voltou a explorar as evidentes deficiÊncias dos alemães neste departamento do jogo, colocando muitas unidades dispersas na área para dificultar o trabalho defensivo dos alemães. Danilo aparece muito bem para colher aquela segunda bola.
  2. O segundo aspecto positivo foi o comportamento defensivo da equipa na primeira parte. Se por um lado, a saída de Marega acarretou a perda de qualidade na saída de jogo (em profundidade, pelos corredores) frente a uma equipa que pressiona organizadamente em terrenos adiantados e que consegue executar um efectivo e até por vezes asfixiante contra-pressing nas zonas onde perde o esférico (em especial, no corredor central), por outro a entrada de André André e a alteração táctica promovida por Conceição deu na minha opinião uma maior robustez ao meio-campo (o Leipzig tem pouco espaço para jogar entre linhas; a execução de uma defesa subida na qual os centrais controlam bem a profundidade) porque tanto André André como Herrera encaixaram bem nos dois médios do Leipzig (Keita e Kampl) embora André André tenha necessariamente que pressionar mais o guineense quando este recebe para lhe condicionar a decisão. No entanto por outro lado percebo que o médio não se queira expor tanto no terreno para não abrir nas suas costas um enorme fosso onde Forsberg pode receber com espaço para criar.
  3. Nas alas, Alex Telles não está a dar um palmo para Bruma receber na direita (levando inclusive o internacional sub-21 a ter que procurar outros canais, mais centrais, para participar no jogo) e Ricardo está a lidar bem com as ameaças que pendem sobre o seu flanco. Quando o Leipzig tenta criar pelo corredor esquerdo (Haltzenberg aparece sempre projectado no último terço) costumam aparecer, para além de Forsberg, Augustin e até por vezes Sabitzer. A formação portista tem conseguido, nessas circunstÂncias colocar muitas unidades para impedir que os alemães procurem levantar bolas para a área ou penetrar na área através de combinações.
  4. O único aspecto negativo que assinalei no primeiro tempo foi a dificuldade que o FC Porto teve para sair a jogar no momento da recuperação do esférico. Danilo, Herrera e André André estão a ter muitas dificuldades para retirar a bola da zona que é pressionada de forma mais intensa pelos alemães (no corredor central). Isto deve-se sobretudo porque Ricardo e Corona nem sempre são rápidos a esticar no flanco direito para oferecerem referÊncias a quem recupera. No outro flanco, Brahimi tem sido mais expedito a abrir para receber mas sempre tem sido alvo de uma marcação impiedosa por parte de Bernardo.
  5. A mobilidade de Aboubakar nos momentos em que a equipa recupera a posse do esférico, oferecendo-se sempre como referÊncia para a equipa esticar o jogo em profundidade. O avançado tem lutado imenso contra Upamecano, batalha que lhe tem permitido a conquista de muitas faltas e por conseguinte a colocação de bolas para a área.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s