Quintana leva a azul do Tirreno Adriático para casa

A vantagem de 1 minuto e 9 segundos que o colombiano trazia em relação ao super especialista Rohan Dennis para o contra-relógio de 10 km que se disputou hoje na última etapa do Tirreno-Adriático, bastou para que o colombiano assegurasse a vitória na geral individual da prova. A vitória na etapa foi para o ciclista australiano da BMC. Com um tempo fabuloso, destronando o surpreendente Jos van Emden da Lotto-Jumbo, o australiano pode ultrapassar Thibault Pinot da FDJ. O francês defendeu-se bem mas não conseguiu segurar a sua segunda posição na geral.

nairoman

Muito discreto esteve Nélson Oliveira. O nosso grande especialista, um dos principais candidatos à vitória na etapa foi apenas 83º a 1 minuto de Dennis.

Peter, o dominador

Que fantástico final de etapa! Que fantástico esforço de Sagan para fazer a reaproximação nos últimos quilómetros e que fantástico sprint do campeão do mundo! Peter Sagan voltou a vencer no Tirreno Adriático na chegada a Fermo, numa etapa de rasga pernas que teve todos os condimentos para garantir aos amantes do ciclismo um elevadíssimo grau de espectacularidade.

A duas curtas inclinações finais proporcionaram uma multiplicidade de variáveis: havia quem, como Luis León Sanchez, um especialista neste tipo de etapas, pretendesse dar à sua equipa, à Astana, a vitória na etapa para de certo modo “remendar” a fraca prestação de Fabio Aru na prova, quem pretendesse (o caso de Vasili Kyrienka da Sky) rodar na frente para desgastar as equipas adversárias para permitir um ataque de Geraint Thomas sem resposta à altura, e quem, o caso de Thibault Pinot da Fdj, pretendesse tentar reduzir a vantagem na geral individual para Nairo Quintana. À espreita para ver o que é que acontecia nos quilómetros finais estavam Tejay Van Garderen, Rigoberto Uran e Peter Sagan, se bem que, desde cedo, a Bora, equipa do campeão do mundo jogou com duas peças: se alguém saísse do pelotão na penúltima subida, estava lá o polaco Rafal Majka para também discutir a etapa. Sem o segundo à geral em prova, Adam Yates, por desistência do ciclista britâncio, a tarefa de NairoMan para manter a camisola azul estaria ligeiramente mais facilitada visto que o atleta da Orica tinha revelado nas etapas anteriores alguma disponibilidade física para colocar os seus poderosos ataques.

Continuar a ler “Peter, o dominador”

Quem mais poderia ser senão Nairo Quintana?

O colombiano, ciclista que está curiosamente na capa deste blog na sua semana de estreia, voltou a dar-se bem em Itália, mais concretamente na prova cuja classificação geral individual já tinha vencido em 2015. Na longa subida ao Monte Terminilho, o ciclista da Movistar fez uma interessante corrida no plano táctico, atacando no momento certo para derrubar a concorrência mais directa que era feita por Geraint Thomas (Sky; voltou a confirmar o seu excelente estado de forma), Adam Yates (Orica) e Rigoberto Uran (Cannondale).  Continuar a ler “Quem mais poderia ser senão Nairo Quintana?”

Um excelente início no Tirreno-Adriático

Prometedor. 3 montanhas categorizadas que serviram para testar as pernas de todos os candidatos à vitória na geral.

Geraint Thomas fez tábua rasa de todos os problemas relacionados com a utilização de substâncias proibidas que têm abalado a Sky nos últimos dias (Braddley Wiggins terá corrido sob a influência de Fluimucil; o escândalo está a levar a imprensa internacional a especular mais uma vez sobre a utilização de substâncias ilegais por parte de Christopher Froome) e foi mais forte toda a concorrência na ascenção final,  mas os ataques do campeão luxemburguês Bob Jungels dão a entender que o ciclista da Etixx-Quickstep não está somente com intenções de levar a classificação geral para casa, mas, também evidenciam todo o trabalho que o staff técnico da equipa tem vindo a realizar com o atleta: o luxemburguês está a ser efectivamente puxado na média e alta montanha para se tornar opção para as provas de 1 e 3 semanas. Aos 24 anos, conhecendo de antemão a fisionomia do atleta, é possível transformá-lo num bom trepador. No entanto estou certo que Jungels também se encontra em Itália a preparar-se para os muros da Flandres. Continuar a ler “Um excelente início no Tirreno-Adriático”