Vuelta – 17ª etapa – Stefan Denifl deu a vitória da época à Aqua Blue Sport, no primeiro dia em que Christopher Froome revelou uma quebra física

Obra do multimilionário irlandês Rick Delaney, visionário empresarial irlandês nascido em Cork que tem feito a sua fortuna ao longo da última década na fabricação e distribuição de um conjunto de bebidas alcoólicas vendidas mundialmente como a Royal Dutch lager, Kah Tequila,ou a Oranjeboom, a equipa Aqua Blue Sports nasceu, no ano passado, com a vontade de ligar o útil (a vertente empresarial de Delaney) ao agradável, ou seja, a uma das grandes paixões do empresário; o ciclismo. Com um investimento total a rondar os 4 milhões de euros por temporada (500 mil recolhidos sob a modalidade de crowdfunding; segundo uma das mais recentes entrevistas feitas pelo Irish Examiner ao empresário, a empresa estima que o ciclismo possa garantir um retorno três vezes superior ao investimento nos próximos 2 anos) e um patrocínio garantido para 2 anos pela fabricante de bicicletas belga Ridley, Delaney não veio para o ciclismo “para ver a volta”. Logo no acto de abertura, o empresário irlandês confirmou que tendo estabelecido o projecto para esta e para as próximas 3 temporadas, todos os ciclistas contratados teriam que assinar contratos para as duas primeiras temporadas. O objectivo estabelecido pelo empresário passa por conseguir subir ao World Tour nas próximas 4 temporadas. Continuar a ler “Vuelta – 17ª etapa – Stefan Denifl deu a vitória da época à Aqua Blue Sport, no primeiro dia em que Christopher Froome revelou uma quebra física”

Anúncios

Vuelta – 2ª etapa – Yves Lampaert materializou o show táctico da Quickstep nos quilómetros finais da chegada a Narbonne

O percurso desenhado pela organização para os 203 km da etapa que ligou Nimes a Narbonne aparentava, em teoria, mais facilidades do que aquelas que de facto se apresentavam no terreno. Os 203 km seriam corridos quase totalmente num terreno plano mas toda a caravana estava avisada para a possibilidade de virem a ocorrer durante a etapa vários períodos de ventos cruzados (laterais e frontais) que poderiam formar o que em ciclismo se designa como abanico ou bordieu. As dificuldades que viriam a preencher os prontuários dos directores desportivos para a etapa levaram, por exemplo, a Trek Segafredo a assumir, desde o início, a dianteira da corrida com o objectivo de proteger o seu líder Alberto Contador e o seu candidato à vitória na etapa John Degenkolb dos cortes que os abanicos poderiam provocar ao longo da etapa. Já se sabe que neste tipo de etapas, qualquer corte que o vento possa efectuar no pelotão, obrigará as equipas a terem que baixar para poderem auxiliar os seus chefes-de-fila a recolocar-se no pelotão, sem terem, porém, uma garantia de sucesso porque, por norma, sempre que um chefe-de-fila cai num grupo atrasado, as restantes equipas aproximam-se da dianteira do grupo principal para complicar a sua tarefa de recolagem.

yves lampaert 2 Continuar a ler “Vuelta – 2ª etapa – Yves Lampaert materializou o show táctico da Quickstep nos quilómetros finais da chegada a Narbonne”