Análise – Campeonato da Europa de sub-21 – Portugal 1-3 Espanha – Milagres? Não há Sr. Rui Jorge

No sábado, contra os sérvios, relatei aqui um jogo no qual foi feito tudo para dar errado e tudo acabou estranhamente por dar certo. Da entrada que nos foi servida por Rui Jorge, comi só pela metade porque naquele momento tive o bom senso de guardar o meu estômago para as provas do prato principal frente aos espanhóis. No jogo frente à selecção espanhola queria perceber se a estreia dos sub-21 portugueses frente aos sérvios tinha sido um mero e normal momento de nervosismo inerente a estes momentos ou um sintoma avançado de um grupo extremamente desequilibrado e mal trabalhado.

Frente aos espanhóis fiquei com a sensação que o actual elenco que o seleccionador levou à Polónia é um elenco que reparte entre si um bocado de tudo: de desequilíbrio, de falta de qualidade e de falta de trabalho. A repetição de processos de jogo é exasperante, a falta de intensidade do meio-campo é exasperante. A incapacidade de Rúben Neves em organizar devidamente o jogo é gritante. A falta de uma referência de área é exasperante. Aquele lateral esquerdo que fomos importar à Real Sociedad é das coisas mais fracas que vi a jogar numa selecção portuguesa. Os maus cruzamentos do Cancelo levam-nos à loucura (ainda para mais quando não existia uma referência de área) e na melhor parte do pano, aquela fífia cavalar do Rúben Semedo estragou uma boa exibição do central na abordagem a 90% dos lances em que foi chamado a intervir. Para vencer por 3-1, os espanhóis nem tiveram que forçar o andamento. Tiveram apenas que ser mais competentes e eficazes nos momentos chave da partida.

No meio disto tudo acabaram por se salvar as exibições de Bruma, de Daniel Podence, de João Carvalho (a espaços) e de João Cancelo. Daniel Podence foi de longe o elemento mais desequilibrador frente à turma espanhola mas, na cabeça do seleccionador, as 3 ou 4 situações de golo que criou não foram suficientes. Outros jogadores com Rúben Neves ou Renato Sanches continuam a receber carta branca para se arrastar em campo. Quando assim é, não podem existir milagres Sr. Rui Jorge.  Continuar a ler “Análise – Campeonato da Europa de sub-21 – Portugal 1-3 Espanha – Milagres? Não há Sr. Rui Jorge”

Os golos do dia

Os golos de Marco Asensio na vitória fácil da selecção sub-21 espanhola frente à sua congénere da Macedónia por 5-0. As facilidades concedidas pela selecção balcânica (um verdadeiro acumular de erros defensivos e de erros na transição; falta de intensidade na pressão, defesa excessivamente compactada na zona central, descurando por completo as alas) tornaram a missão relativamente fácil para a máquina de guerra comandada pelo antigo trinco do Barcelona, Celta e Real Madrid Albert Celades.

Não posso porém não deixar uma nota de aviso a Rui Jorge e aos seus comandados. Frente aos espanhóis estamos proibidos de cometer os erros que cometemos ontem frente aos sérvios nas transições (5 ou 6 perdas de bola à entrada da nossa área) e no capítulo da cobertura defensiva. O nosso meio-campo não poderá dar as costas aos criativos espanhóis na mesma medida em que deu aos criativos sérvios (Gacinovic e Zivkovic) sob risco de sairmos frente aos espanhóis com um saco de bolas dentro da nossa baliza. Como pudemos assistir no jogo de ontem, sempre que os macedónios perderam bolas na transição e não foram rápidos a cair sobre o portador da bola, sofreram.