A Avenida de Moscovo

rui vitória 4

A derrota sofrida pelo Benfica em Moscovo colocou definitivamente Rui Vitória no fio da navalha. O cenário de despedimento, cenário que até à noite de ontem não passava de um mero cochicho murmurado debaixo das arcadas (nas barras de comentários de blogues; na língua viperina de um comentador mais rebelde e\ou abutre; é nesta última espécie que se insere por exemplo Rui Gomes da Silva) partilhado por um conjunto de adeptos descontentes com a prestação da equipa na presente edição da Liga dos Campeões e até no próprio campeonato, prova em que a equipa encarnada tem conquistado pontos aos solavancos (ora conseguindo vincar a sua supremacia sobre os adversários por força de acções individuais; ora ajudada por um ou outro erro de arbitragem) tornou-se uma hipótese bem real se a equipa encarnada não obtiver um bom resultado no próximo dia 1 de Dezembro na deslocação ao Estádio do Dragão. Independentemente dos feitos alcançados no passado (por mérito de quem? – é uma das perguntas que se deve colocar. Pela lavra de Rui Vitória ou pelo que foi deixado construído por Jorge Jesus?) feitos que o treinador encarnado faz questão de recordar estrategicamente na hora da derrota, para tentar justificar e salvaguardar a sua permanência no presente, passando um verdadeiro paninho quente sobre o que não fez e o que possivelmente não virá a fazer até ao final da temporada por manifesta falta de matéria-prima ou por manifesta incapacidade, quem anda pelo futebol sabe que para salvar a sua pele num momento de aperto, qualquer presidente acossado não hesita em culpabilizar o treinador pelo mau momento da equipa, despedindo-o. Continuar a ler “A Avenida de Moscovo”

O golo do dia

Na Flash interview realizada após o término da partida, Vítor Oliveira falou da existência de um “chouriço” que andou em campo – não sei se o treinador do Portimonense se queria referir ao árbitro da partida (outro dos padres ordenados pela Fundação Benfica, palavras do nosso autor convidado Miguel Condessa) ou ao golo de André Almeida. Polémicas à parte (eu fico com a sensação que o penalty sobre Salvio é muito forçado; para tal apresento duas razões muito rapidamente e ao de leve para não gerar a indesejada controvérsia: 1. o toque per se não é suficientemente desequilibrador. 2. o toque acontece precisamente quando o extremo do Benfica falha a recepção; noutro âmbito, o golo anulado ao Portimonense é bem anulado; vantagens da inserção da figura e da tecnologia complementar, ou seja, mais um argumento para todos aqueles a quem custa confiar, por comodismo e por razões relacionadas com a manutenção do status quo de determinado clube, na modernidade das novas tecnologias) o que é certo (custa-me ter que escrever isto em abono da verdade de um cepo que só serve para dar fruta) é que o lateral parece ter toda a intenção de fazer aquele remate. Pelo menos dá-me a ideia que o jogador olha para o ponto em que quer colocar a bola e inclina ligeiramente o tronco para trás para fazer a bola subir. Se efectivamente estes movimentos corresponderem à verdade, foi um golaço de levantar estádios.

 

5 breves notas relativas à vitória do Benfica em Chaves

Nem o Chaves mereceu perder, nem o Benfica mereceu o sabor agridoce do  empate. O golo de Haris Seferovic (o esferovite; é um senhor jogador) aos 90+2″ deu um toque de justiça ao esforço empregue pelos encarnados no derrube de um muro defensivo que se formou, com maior ascendente na segunda parte, em virtude dos problemas físicos que se abateram sobre algumas das unidades mais preponderantes da formação flaviense mas não conseguiu apagar a excelente exibição que o Chaves realizou no capítulo da transição nem as dificuldades sentidas pelos encarnados nos momentos de transição defensiva. Continuar a ler “5 breves notas relativas à vitória do Benfica em Chaves”

A vitória do Benfica na Supertaça em 5 breves notas

benfica 6

Uma entrada fortíssima dos encarnados na partida contrastou com uma entrada “de gatas” dos vimaranenses – Assente no seu habitual 4x4x2 (com Jonas a assumir quase sempre uma posição entre as linhas mais recuadas dos vimaranenses) a equipa de Rui Vitória entrou na partida com o intuito de diabolizar por completo a equipa de Pedro Martins. Nos primeiros 15 minutos, as saídas a partir de trás dos vitorianos chegaram até a ser constrangedoras pela quantidade de bolas perdidas na transição para o meio-campo contrário. Com linhas muito subidas e dispositivo de pressão altíssimo, muito efectivo e, onde todas as unidades caiam rapidamente em cima dos seus adversários directos,  a formação benfiquista conseguiu condicionar as saídas (a partir de trás) dos vimaranenses. A formação de Guimarães viu portanto como último recurso a possibilidade de tentar sair com segurança pelos corredores à falta de disponibilidade dos seus médios centros para assumir a 100% a tarefa. A estratégia adoptada foi um enorme fracasso mas Pedro Martins foi corajoso quando voltou a pedir à equipa que fizesse um esforço para contrariar a pressão alta dos encarnados.

Ao 2º passe, a bola ou saía fora ou era recuperada por um jogador da formação lisboeta. Sempre que Rafael Celis participava nas transições, o jogador colombiano demonstrava alguma lentidão de processos face a uma pressão intensa que era automaticamente realizada por 2 ou 3 adversários. O segundo golo surgiu precisamente numa enorme falha do outro médio (Zungu) na transição.
As ofertas permitiram aos encarnados colocar pragmáticos acções de contra-ataque nas quais Pizzi foi Rei e Senhor. Apanhando a defesa contrária em contra pé, tanto no golo que ofereceu a Seferovic como no golo que ofereceu a Jimenez (nova falha infantil dos vitorianos na transição para o ataque) o médio internacional português só teve que acelerar a acção de contra-ataque e servir os seus avançados no timing correcto.

A constante variação entre flancos (com a especial entreajuda sempre fornecida, entre as linhas adversárias, por Jonas) Continuar a ler “A vitória do Benfica na Supertaça em 5 breves notas”