Os golos do dia

Começamos mais uma vez pelo capítulo das bolas paradas e pelos erros defensivos que não se devem cometer neste departamento do jogo. 

Começo este round de análise pela vitória alcançada pelo Bournemouth frente ao Middlesbrough (3-1), formação cujo regresso ao Championship (após 1 curtíssima e inglória temporada de convívio passada entre os grandes do futebol inglês) está a ser algo irregular (13º lugar com 17 pontos fruto de 4 vitórias, 5 empates e 4 derrotas). Frente ao Boro, em jogo a contar para a Taça da Liga Inglesa, o 11 escolhido por Eddie Howe, só conseguiu desbloquear o resultado na segunda parte na sequência de um lance de bola parada, depois de um primeiro tempo em que os manifestos esforços ofensivos arrolados pelos jogadores que compõem a sua ala esquerda (diga-se em abono da verdade, os jogadores mais talentosos desta equipa: o lateral esquerdo Charlie Daniels e o ala esquerdo Marc Pugh) não foram suficientes para que a formação do condado de Dorset (Sul de Inglaterra), actual 19ª classificada da Premier com apenas 7 pontos, se pudesse instalar em vantagem no marcador. Nas duas oportunidades de golo criadas por Pugh e Daniels na primeira parte, o avançado Callum Wilson e o médio ala direito Ryan Fraser falharam dois golos cantados à boca da baliza.

No segundo tempo, uma falha de marcação ridícula dos forasteiros na sequência de um pontapé de canto, permitiu aos jogadores de Howe festejar o primeiro tento da partida.

Continuar a ler “Os golos do dia”

A suprema inteligência de Heung-Min Son e Christian Eriksen

Só os grandes médios, aqueles que fazem efectivamente a diferença num jogo de futebol, são capazes de ter um grau de compreensão tão elevado sobre o que fazer num lance em específico. No lance do primeiro golo do Tottenham frente ao Bornemouth, equipa cuja organização defensiva apresentada em Wembley em bloco baixo 5x3x2 (boa cobertura e rigor posicional, ou seja, a equipa nunca se desmanchou, nunca cedeu à tentação de pressionar alto; a verdade é que a circulação paciente executada pelos centrais do Tottenham à entrada do meio-campo adversário convidava os forasteiros a pressionar mais alto para abrir espaços para jogar entre linhas; linhas muito próximas para fechar o jogo entre linhas; 3 homens no corredor central com a missão de fechar as linhas de passe para o surgimento de Eriksen, Dele Alli, Kane ou Min entre linhas; pressão dos alas quando o esférico era circulado para as pontas; tentativa de ter sempre superioridade na zona para onde o esférico era circulado) dificultou e de que maneira a entrada dos spurs no último terço.

son 2

Aos 47″, aproveitando um momento de relaxamento da formação adversária após o regresso das cabines, Son entrou bem entre linhas pela interior directa para receber o passe frontal de Davinson Sanchez.

son

Com um “giro” na recepção, o coreano atraiu dois defensores (obrigando um dos centrais a sair da cabeça de área para pressionar), arranjando o espaço (assinalado a azul) para Eriksen penetrar no último terço pelo corredor central. A simbiose entre os dois jogadores é perfeita. O coreano cria o espaço. O dinamarquês apercebe-se que tem que entrar nesse espaço para receber.

O dinamarquês é feliz no ressalto, finalizando a jogada com o garbo técnico que lhe é amplamente reconhecido.

Os golos do dia

Começo pelo quentinho clássico disputado no Olímpico entre a Roma e o Inter (1-3) mais concretamente pelo lance do golo que deu vantagem aos romanos numa partida em que a formação de Eusébio Di Francesco mandou 3 bolas aos ferros da baliza de Samir Handanovic.

Bom trabalho de Grégoire Defrel a encontrar a linha de passe para Naingollan perante a desvantagem que possuia frente aos 2 jogadores do Inter que estavam a realizar a cobertura. O cruzamento do belga é soberbo assim como também é a desmarcação do ponta-de-lança bósnio no meio dos dois centrais da formação de Spalletti. Aproveitando a falha de marcação, o bósnio pede atempadamente a bola para as costas, posiciona-se no limite da linha defensiva, entra nas costas dos centrais, mata a bola no peito e coloca um daqueles remate secos dignos do killer instinct que só os grandes pontas-de-lança conseguem ter no momento de finalizar.

Continuar a ler “Os golos do dia”