Keita e Forsberg – as chaves do sucesso do Leipzig. Um conjunto de notas sobre a derrota do FC Porto na Alemanha

forsberg

A deslocação do FC Porto ao reduto do Leipzig antevia-se naturalmente difícil, não obstantes as boas (e sólidas) exibições protagonizadas pelos portistas nos dois anteriores testes de exigência máxima realizados frente ao Mónaco e Sporting, partidas nas quais Sérgio Conceição conseguiu arranjar uma forma de suplantar o descarrilamento verificado frente ao Besiktas no Dragão, com uma profícua mudança no onze (a colocação de Herrera perto de Aboubakar) que tem permitido à formação da Invicta uma maior acutilância no capítulo da pressão à saída de jogo adversária e uma maior eficácia defensiva a meio-campo. A deslocação dos portistas ao terreno do 2º classificado da Bundesliga 2016\2017 e actual 3º classificado (a 3 pontos da liderança) da actual edição do principal escalão do futebol alemão, antevia-se difícil por várias razões: a primeira e mais destacável reside na qualidade dos processos de jogo da equipa orientada pelo austríaco Ralph Hasenhuttl. A segunda e não menos importante era ditada pela necessidade de somar pontos. As duas derrotas somadas frente ao Mónaco e ao Besiktas, obrigavam os alemães a vencer para acalentar o sonho de ainda poderem vir a discutir o apuramento para os oitavos-de-final. A terceira e também não menos importante, reside na qualidade individual de alguns dos seus artistas.  Continuar a ler “Keita e Forsberg – as chaves do sucesso do Leipzig. Um conjunto de notas sobre a derrota do FC Porto na Alemanha”

Análise – Campeonato da Europa de sub-21 – Portugal 2-0 Sérvia – A história de um jogo que tinha tudo para dar errado e deu certo

Uma estreia com o pé direito no grupo da morte deste Campeonato da Europa de sub-21. Uma estreia com o pé direito. Só. A selecção portuguesa fez em poucas oportunidades o que os estéticos sérvios não conseguiram fazer nas 6 ou 7 oportunidades de golo que tiveram ao longo dos 90″: marcar golos. Rui Jorge não é um gajo com estrelinha de campeão. Rui Jorge é um dos raros treinadores competentes nos quadros da Federação Portuguesa de Futebol. Contudo, não posso deixar de ressalvar que o futebol praticado pela selecção portuguesa foi qualitativamente inferior ao que foi praticado pelos talentosos jogadores sérvios, campeões do mundo de sub-20 há dois anos atrás, nos 90 minutos do jogo que terminou há minutos em Bydgoszcz na Polónia. Nem sempre ganha a selecção que pratica o melhor futebol. No entanto, por outro lado, a experiência dita-me que equipas que cometem os erros que foram cometidos pela formação nacional durante os 90″ muito dificilmente redundam numa vitória. Continuar a ler “Análise – Campeonato da Europa de sub-21 – Portugal 2-0 Sérvia – A história de um jogo que tinha tudo para dar errado e deu certo”

A estupidez de Budag Nasirov e a aposta em jogadores de desenvolvimento na equipa B do Sporting

Segundo a lei 3 das regras do jogo, ponto 7, Se o jogo é interrompido e a interferência foi causada por:
• um elemento oficial de uma equipa, um suplente, um jogador substituído ou um
jogador expulso, o jogo recomeça com um pontapé-livre direto ou pontapé de penálti

A decisão tomada pelo árbitro da partida no lance que podem ver no vídeo em epígrafe é portanto… correcta.

Há uns tempos, em conversa com o Miguel, autor convidado deste blog, a propósito do que ele escreveu neste post, referi-lhe a minha opinião muito particular quanto à estratégia que deverá ser seguida daqui em diante na equipa B do Sporting. Referi nessa conversa a ideia que a equipa B do Sporting está a ser, desde a sua formação em 2012, palco para todo o tipo de experimentalismos de jogadores vindos de “outros planetas” a troco de praticamente nada quando deveria servir exclusivamente em primeiro lugar a transição de atletas do departamento de formação para o escalão sénior e em segundo lugar para o desenvolvimento de jogadores em que haja um mínimo criterioso de garantias em como poderão um dia ascender ao plantel principal. Continuar a ler “A estupidez de Budag Nasirov e a aposta em jogadores de desenvolvimento na equipa B do Sporting”

O inegável talento de Bruma

Confesso que há 4 anos atrás fui um dos que afirmou (por mágoa, porque efectivamente todos depositávamos muitas esperanças neste jogador) aquando da conflituosa saída do jogador do Sporting (situação onde se provou praticamente que o jogador não teve uma única palavra a dizer em relação ao assunto, sendo movido pela ganância dos seus agentes) que este jogador poderia ter perdido uma oportunidade de ouro para poder ser trabalhado de maneira a alcançar, mais tarde ou mais cedo, o estrelato do futebol europeu. Os primeiros anos no Galatasaray comprovaram-no, apesar de considerar que o talento de Bruma é inegável. Se conhecerem um jogador no futebol mundial com maior explosividade no drible que o luso-guineense, avisem-me. Continuar a ler “O inegável talento de Bruma”

Bloco de Notas da História #6 – A despedida de Lukasz Podolski

Quando idealizei a criação desta rubrica, pretendia accionar e assinalar no presente a memória pessoal ou colectiva de acontecimentos históricos do mundo do desporto. Contudo, nada me impede de utilizar a rubrica para narrar a História presente do mundo do desporto. Ontem fez-se história no jogo amigável disputado em Dortmund entre a selecção alemã e a selecção inglesa. E que História! O icónico Lukasz Podolski despediu-se para sempre da Mannschaft num jogo marcado para homenagear o jogador, fazendo jus à sua maior qualidade enquanto futebolista: o poderoso e apurado pontapé canhão (de canhota) que o celebrizou e que o fez alinhar em três das maiores equipas mundiais.

Continuar a ler “Bloco de Notas da História #6 – A despedida de Lukasz Podolski”