Os golos da jornada (1ª parte)

Face à muralha de jogadores que o adversário colocou na área, Wijnaldum foi obrigado a sacar dos galões para encontrar espaço para disparar aquela bomba. No entanto, no início da jogada, com aquele pequenino toque de excelência técnica, o holandês teve o mérito de desmontar por completo a linha média adversária, abrindo espaço para a saída para o contra-ataque.

Depois de um arranque algo irregular na Premier, arranque no qual, pesem os interessantes e bem trabalhados pormenores demonstrados pela equipa no capítulo da organização da pressão (“a menina dos olhos de Jurgen Klopp”) e da transição para o contra-ataque (pormenores que permitiam à equipa passar rapidamente de uma mentalidade defensiva para uma mentalidade ofensiva, procurando servir, com pragmatismo em profundidade, em cada recuperação, as velozes investidas dos seus homens da frente, em especial as de Sadio Mane e Mohammed Salah) acabou por sobressair (pela negativa) a fragilidade defensiva do quarteto defensivo orientado pelo técnico alemão, o Liverpool vai começando a “despertar” para uma fase de maior regularidade quer em termos de resultados, quer em termos exibicionais, embora os 12 pontos de diferença para o City e a mais que evidente diferença de qualidade entre os planteis e o futebol das duas equipas, não permitam aos reds dizer que estão em condições de atacar o quer que seja pelo menos na presente temporada. Para reforçar esta ideia, sirvo-me da miserável exibição realizada por Dejan Lovren frente ao Tottenham, exibição no qual o croata e o seu colega de sector, o camaronês Joel Matip demonstraram possuir muitas dificuldades no controlo à profundidade adversária.  Continuar a ler “Os golos da jornada (1ª parte)”

Liverpool: uma defesa às aranhas

A fraca qualidade individual dos centrais, o péssimo trabalho de coordenação defensiva (trabalho que não tem garantido a devida segurança e estabilidade à equipa; falhas no controlo à profundidade adversária), a lentidão de alguns jogadores na recuperação, as perdas de bola na saída de jogo ou na fase de construção (fase na qual os laterais do Liverpool se projectam no terreno; havendo portanto muito espaço, que não é devidamente compensado nas suas costas se a equipa adversária recuperar a posse) e os jogos em que a linha média do Liverpool não compensa o seu adiantamento no terreno com uma boa reacção à perda (sendo facilmente suplantável) são factores que estão a arruinar por completo as aspirações de Jurgen Klopp.

tottenham

No lance do primeiro golo, a formação de Liverpool tenta reduzir os espaços num curto sector de terreno para recuperar ou obrigar o adversário ao erro. O seu quarteto defensivo está algo desalinhado mas não é quanto a mim por aí que vem algum mal ao mundo. A presença de Harry Kane (em linha) nas costas de Lovren até é aceitável se no momento em que o passe sai para Trippier, um dos centrais desse ordem de subida imediata para criar a armadilha do fora-de-jogo.

matip

Matip não só não cria a armadilha do fora-de-jogo como não é rápido a recuperar perante a sua inexistência, ficando parado a pedir fora-de-jogo enquanto Kane acelera. Se o central internacional pelos Camarões tivesse sido rápido a recuperar, poderia ter chegado primeiro ao esférico para controlar a situação e afastar o perigo. Lovren é comido de cebolada pelo arranque do internacional inglês.

son 3

No lance do 2º golo, a equipa de Anfield é apanhada completamente descompensada no momento da transição adversária. A linha média é batida. Son come o adversário em velocidade para ganhar a frente ao lance. Kane só precisa de esperar pela acção do colega para o isolar.