O dia em que Nuno Dias voltou a fazer de Joel Rocha uma verdadeira cabaça!

A Joel Rocha deve-lhe ter passado decerto toda a cagança e a arrogância destilada (em forma de fel) nos primeiros meses enquanto treinador do Benfica. Desde que se iniciou este ciclo vencedor do Sporting, Rocha já mudou tudo: já mudou de jogadores, já mudou o seu modelo de jogo, já mudou até discurso, não devendo faltar muito até que alguém lhe mostre à calhoada (porque é à calhoada e à cadeirada que saem todos aqueles que não conseguem conquistar títulos naquele clube) a porta da rua do pavilhão da Luz.

Só uma atitude de desespero (de quem já não consegue fazer nada para bater uma equipa mais forte, muito mais forte, muito mas mesmo muito mais forte, com um treinador melhor, muito melhor, muitíssimo melhor) pode explicar a opção suícida (quando o jogo estava muito longe de estar resolvido) tomada pelo treinador do Benfica nos primeiros minutos do segundo tempo quando decidiu subir o seu novo guardião (o anterior, Bebé, keeper que até era a besta negra deste Sporting; fazendo contra os leões exibições de mão cheia, foi dispensado pelo técnico encarnado sem apelo nem agrado nem sequer um pingo de consideração ou gratidão) até ao meio-campo adversário. O resultado foi bonito de se ver. O ambiente no pavilhão foi bonito de se ver. Até o trabalhão que o Dieguinho teve para marcar posição frente ao agressor Bruno Coelho foi bonito de se ver.

Um título inteiramente justo

Alex Merlim. Sempre Alex Merlim. Sempre que a equipa precisou de um desequilibrador, o italo-brasileiro esteve sempre lá!

14º título. O Sporting conquistou hoje pela 14ª vez o Campeonato Nacional de Futsal. A vitória no 4º jogo em Braga colocou justiça à melhor temporada da história da modalidade em Alvalade. Os comandados de Nuno Dias conquistaram apenas 2 dos 5 títulos que poderiam ter sido conquistados na presente temporada, mas para trás, deixaram um inigualável rasto de bom futsal. Se fizermos apenas uma excepção ao jogo da final da Uefa Futsal Cup (de longe o pior jogo do Sporting na presente temporada) fico com a sensação que a equipa tinha todas as condições para conquistar todos os títulos internos.

Continuar a ler “Um título inteiramente justo”

A passo e meio do título

A um passo e meio do título. Porquê “a um passo e meio” quando só falta de facto dar um passo em frente na terça-feira?

Em primeiro lugar porque este Sporting de Braga tem uma excelente equipa e é uma equipa muito forte no seu reduto, como de resto pudemos ver no jogo 2.
Em segundo lugar, porque a equipa do Sporting de Braga é uma equipa, (como pudemos ver hoje nos 2 lances que Marinho desperdiçou a boca da baliza quando os comandados de Paulo Tavares já jogavam no 5 para 4) que tem capacidade (e espírito de combate) para recuperar de resultados desnivelados em duas ou três jogadas. No jogo desta noite, se Marinho consegue finalizar aquelas duas preciosas bolas que dispôs junto à baliza leonina, a vantagem de 4 que os leões demoraram 20 minutos e 10 segundos a construir, poderia ter sido amenizada para metade em apenas 30 segundos.
Em terceiro e último lugar, porque esta equipa do Sporting parece ser, em determinados momentos do jogo, uma equipa que sofre uma espécie de “apagões temporários” . No jogo 2 também o pudemos comprovar em duas situações: no início da partida quando entrou a dormir (0-2) e nos minutos finais, altura em que Marcão e companhia entregaram o ouro ao bandido literalmente por tuta e meia. Continuar a ler “A passo e meio do título”

O golo do dia

Mais perto da final do campeonato. A equipa de futsal do Sporting foi a Sandim, concelho de Gaia, bater esta interessante equipa do Módicus por 5-2 no 1º jogo das meias-finais do campeonato. Perante uma equipa que revelou algum facilitismo defensivo, principalmente na abordagem ao jogo colocado em profundidade para as costas dos defesas e pouca intensidade na pressão quando perdia o esférico, os leões construíram uma vantagem interessante face ao vistoso futsal ofensivo que é praticado pela formação orientada por Emídio Rodrigues. Se tivessem sido ligeiramente mais eficazes ao nível da finalização, estou certo que a formação do concelho de Gaia poderia ter vendido muito mais cara a derrota averbada. As combinações entre o fixo e os alas foram efectivamente muito bem trabalhadas. Prova disso foi a existência de várias ocasiões de golo na cara de Marcão.

Neste jogo, o meu destaque vai para o 4º golo do Sporting. A assistência de João Matos para Dieguinho é fenomenal. A impulsão realizada pelo fixo internacional português para salvar aquela bola e ainda assistir o companheiro é de uma capacidade atlética enorme, sublime quando atentarmos que ao mesmo tempo em que tenta não deixar sair a bola pela lateral, o jogador está completamente focado na leitura rápida da situação.

Derrota justa mas pesada para o Sporting

Ainda não foi desta que o Sporting se pode tornar campeão europeu. 6 anos depois da participação na última final, os leões sofreram uma pesada derrota por 7-0 frente ao Inter Movistar de Ricardinho. Este foi em 5 anos, o primeiro jogo em que a equipa leonina não marcou qualquer golo com Nuno Dias ao leme.

 

Créditos: Zona Técnica

Apesar de justa, a derrota é muito pesada para a falta de sorte que a equipa teve na 2ª parte quando jogava numa organização 5×4 com recurso ao guarda-redes avançado. Se até aos 4-0, o resultado explicou-se essencialmente pelas falhas defensivas leoninas, pelo maior ascendente ofensivo do Inter Movistar na partida, pela sua maior eficácia na finalização e quer queiramos quer não por um dedinho do árbitro romeno Bogdan Sorescu na marcação de algumas faltas inexistentes que carregaram o Sporting e pressionaram a equipa no sistema de pressão média (essencialmente linhas 2 e 3) que a equipa estava a realizar com alguma eficácia, a partir desse resultado, o mesmo foi-se avolumando graças ao natural aproveitamento de erros resultantes do sistema ofensivo utilizado pela turma leonina.

Por outro lado, o guardião Jesus Herrero faz um excelente exibição com 10 defesas e o Inter Movistar acabou por ter alguma sorte no capítulo dos ressaltos, quer no plano ofensivo quer no plano defensivo na oposição aos remates que a a equipa leonina ia fazendo da meia-distância.

Continuar a ler “Derrota justa mas pesada para o Sporting”

A um passo do sonho! – Ugra 1-2 Sporting

Ao meio na imagem, o mágico Alex Merlim abriu pela 2ª vez, com o seu 5º golo na competição, as portas da final da UEFA Futsal Cup para a turma leonina. Com um maravilhoso 1×1 na ala esquerda seguido do clássico remate de bico, o mágico italo-brasileiro apareceu no momento em que a equipa precisava da sua criatividade, face à falta de sorte (e às defesas do internacional georgiano Kupatadze) que a equipa estava a revelar no capítulo da finalização.

Vitória mais que justa para a exibição confiante e assertiva que a turma de Nuno Dias realizou na quadra da Arena de Almaty. Em quase todos os departamentos de jogo, o Sporting foi superior à equipa que se sagrou campeã europeia. Apesar de ter existido um certo equilíbrio no número de remates efectuados (com um ligeiro ascendente para o Ugra; 48 contra 46 do Sporting) a turma leonina criou mais perigo e mais oportunidades de golo (dos 46 remates realizados pelos jogadores do Sporting, 23 foram defendidos e 3 foram ao poste; os russos só obrigaram Marcão a ter que se aplicar em 13 e foram até poucas as oportunidades claras de golo construídas ao longo dos 40″) foi muito mais assertiva a defender (pressionou mais e melhor na 2ª e 3ª linha de marcação; baixou sempre com muita eficácia assim que os russos procuravam municiar em profundidade os seus seus pivots; fecharam-se relativamente bem no 5×4) e mais assertiva a pressionar e por conseguinte a condicionar o futsal dos russos. Continuar a ler “A um passo do sonho! – Ugra 1-2 Sporting”

A final é nossa!

Acabou há 3 minutos na Arena de Almaty! O Sporting eliminou o campeão europeu de futsal, os russos do Ugra, nas meias-finais da UEFA Futsal Cup. Resultado justíssimo para a turma de Nuno Dias num jogo em que os leões foram mais fortes em todos os departamentos do jogo, tiveram mais oportunidades de golo, defenderam melhor e criaram mais oportunidades de golo. Mesmo assim a equipa portuguesa teve que sofrer a bom sofrer nos últimos minutos contra o bem trabalhado 5×4 dos russos.

Escreverei a crónica do jogo mais logo.