Tour de Hainan – 1ª etapa

Hainan

Da Presidencial Volta à Turquia, prova na qual infelizmente, por motivos que me são alheios (os incêndios; o facto de ter ficado 3 dias sem internet) não consegui realizar a cobertura desejada (apenas postei por aqui 3 das 6 etapas) e cuja geral individual foi conquistada nas montanhas pelo italiano Diego Ulissi da UAE, depois de 3 vitórias de etapa conquistadas ao sprint por Sam Bennett da Bora e 1 conquistada também ao sprint (em pelotão compacto) pelo sprinter belga Edward Theuns da Trek, passamos para as cenas dos últimos capítulos no que a provas de 1 semana da temporada de 2017 diz respeito. Da região da Anatólia rumamos para a China, mais concretamente para a belíssima Ilha de Hainan para acompanhar aquela que será a última prova por etapas da temporada e a penúltima de 2017. A última (Critério de Saitama; prova organizada pela ASO na qual irão participar várias equipas do escalão World Tour) irá disputar-se no próximo domingo, dia 5 de Novembro, em Saitama (Japão).

A 12ª edição da prova chinesa, prova organizada pela Administração Geral dos Desportos daquela República Popular, em estreia colaboração com a Federação Chinesa de Ciclismo com vários organismos daquela região, categorizada pela UCI como UCI Asia Tour 2HC (a mais alta categorização da nomenklatura Continental; sub-divisão Asiática) conta com um percurso longo dividido em 9 etapas, sub-divididas entre etapas de plano (as primeiras) e algumas etapas de pequena e média montanha. A subida ao ponto mais alto da Ilha (Wuzhi; 1800 metros de altitude) será o ponto mais alto da prova.

Sem qualquer formação de World Tour presente (À última da hora a UAE de Rui Costa decidiu informar a organização que não iria marcar presença na prova) estão presentes na prova 4 formações da divisão UCI Pro Continental – a Delph Marseille, a Bardiani, a Willier Triestina Selle Italia e a Team Voralberg – para alguns dos corredores destas formações, em especial para aqueles que ainda não conseguiram arranjar colocação no pelotão para a próxima temporada, esta prova poderá constituir-se como uma interessante montra para mostrar serviço! Por outro lado

As maiores figuras da prova serão Asbjorn Kragh Andersen (Delph Marseille; irmão do sprinter Soren, corredor da Sunweb), Jakub Mareszcko (Willier Triestina-Selle Italia), Anthony Giacoppo (Isowhey) Jon Aberasturi (da japonesa Ukyo) o trepador Edoardo Zardini (Bardiani),  Enrico Barbin e Mirco Maestri (Bardiani), o campeão ucraniano Vitaly Buts (Kolss) e Eugene Zhupa da Willier Triestina.  Continuar a ler “Tour de Hainan – 1ª etapa”

Volta à Turquia – Sam Bennett conquista a sua 3ª vitória de etapa

Os últimos quilómetros da curta tirada de 128 km que ligou Fethiye a Marmaris foram deveras interessantes de seguir. Constando no perfil geral da prova como a última oportunidade que esta oferecia para os sprinters que se apresentaram na prova turca antes das 3 etapas de média montanha que se seguirão, à partida, não era 100% líquida a possibilidade desta vir a ser disputada na sua ponta final em sprint massivo ou até com a presença de sprinters na frente. Os dois obstáculos montanhosos não categorizados (na minha humilde opinião, a não categorização daquelas subidas por parte da organização foi um verdadeiro crime que tirou alguma espectacularidade à prova – a primeira merecia talvez uma 3ª categoria e a última uma 2ª – dada a sua extensão de aproximadamente 4 km e a sua pendente média de 6,5%) desenhados pela organização nos últimos 30 km poderiam efectivamente vir a retirar de combate os vários sprinters em prova da discussão se a corrida fosse atacada pelos corredores que irão lutar pela vitória na geral individual nas montanhas nos próximos dias. Nos últimos 10 km, fiquei com a impressão de que o cenário final acima conjecturado poderia concretizar-se quando vi Darwin Atapuma e Diego Ulissi ao ataque e David Arroyo a rondar a frente do pelotão. Continuar a ler “Volta à Turquia – Sam Bennett conquista a sua 3ª vitória de etapa”