Desconforto e até algum nervosismo na Feira

Três breves notas em relação aos primeiros 45 minutos do Feirense vs Sporting.

  1. Primeiro teste pós-Adrien com Battaglia na posição 8, frente a uma equipa que está a ser muito inteligente no preenchimento dos espaços e a toda a largura do terreno ao longo destes 45 minutos. Se a coisa, nos primeiros 20 minutos, já estava complicada em função da desorientação de Battaglia e do encurtamento entre as linhas realizada pela formação da Feira, facto que obrigava Bruno Fernandes a ter que procurar espaços para jogar fora da órbita do corredor central (fora do raio de acção de Babanco e Cris), a lesão de Piccini (ele que estava conjuntamente com Gelson um dos mais dinamizadores) veio complicar tanto a fase de construção como a fase de criação do Sporting em função das mudanças que Jorge Jesus foi obrigado a realizar. Ao ter passado Battaglia para a posição de defesa direito e Bruno para o lugar do argentino ao lado de William, o Sporting perdeu claramente fase de criação porque Alan Ruiz não acrescenta nada ao jogo ofensivo dos leões: não é móvel (raramente procura cair nas alas para criar superioridade numérica), não é expedito a decidir quando recebe a bola, raramente  consegue acrescentar progressão com o passe. A única nota positiva do argentino foi quando este foi ao flanco esquerdo executar uma triangulação para colocar Acuña na linha sem oposição para cruzar.
  2. Uma equipa nervosa a construir a partir de trás. Uma gaffe de Mathieu poderia ter oferecido um golo a Edson Farias e dois passes de William em zona proibida permitiram ao Feirense colocar dois ataques prometedores no último terço.
  3. Perda do controlo do meio-campo. Tiago Silva está a fazer o que quer e o que não quer deste meio-campo do Sporting. Sem Adrien e com Battaglia na direita, o Sporting perde claramente capacidade de pressão quando a equipa perde a bola no meio-campo ou no meio-campo adversário. Muitas vezes tem que ser Gelson a vir rapidamente ao meio pressionar para estancar a iniciativa adversária. Tiago Silva é um jogador com uma enorme inteligência a construir, visto que é um jogador que sabe medir muito bem os tempos de jogo, consegue facilmente retirar a bola das zonas de pressão e acrescenta verticalidade ao jogo da equipa de Nuno Manta.