Vuelta – 20ª etapa – A despedida em ombros de Alberto Contador

O Campeão. O Grande Campeão.

Hoje fechou-se um ciclo muito importante na história do ciclismo: ao que tudo indica (confesso que ainda tenho uma réstia de esperança na possibilidade do ciclista vir a revogar a decisão tomada no início do mês de Agosto) não voltaremos a ver o gingar de Alberto Contador na montanha. Com a saída de cena do madrileno, encerra-se uma história muito bonita, todo um mundo de 14 anos na qual El Pistolero arrasou os corações de todos os amantes desta modalidade. Sentiremos saudade do seu gingar característico (movimento pastilha elástica) na bicicleta, da sua alma, da sua garra, das suas ganas, e da sua irreverência. Sentiremos também saudade da sua ousadia, daquela sua vontade em quebrar as mais instituídas regras (lembrei-me subitamente daquela afronta às ordens de Johann Bruyneel no Tour de 2009) e daqueles ataques que nos faziam levantar do sofá e gritar como loucos. Sentiremos saudades de todas as emoções que o madrileno nos deu quando naquele célebre ataque que deixou Andy Schleck à beira de um ataque de nervos, daqueles dois contra-relógios magníficos que lhe deram duas vitórias na Vuelta, daqueles ataques suicidas a dezenas de quilómetros da meta que lhe valiam as mais incríveis e vitórias. Para atacar não é preciso pensar-se duas vezes. Alberto Contador nunca parou para pensar: pedalou. Pedalou sempre à saciedade, sempre à procura de mais, sempre à procura de mais vitórias que o pudessem satisfazer.  Continuar a ler “Vuelta – 20ª etapa – A despedida em ombros de Alberto Contador”

Anúncios