Os golos do dia

Começamos mais uma vez pelo capítulo das bolas paradas e pelos erros defensivos que não se devem cometer neste departamento do jogo. 

Começo este round de análise pela vitória alcançada pelo Bournemouth frente ao Middlesbrough (3-1), formação cujo regresso ao Championship (após 1 curtíssima e inglória temporada de convívio passada entre os grandes do futebol inglês) está a ser algo irregular (13º lugar com 17 pontos fruto de 4 vitórias, 5 empates e 4 derrotas). Frente ao Boro, em jogo a contar para a Taça da Liga Inglesa, o 11 escolhido por Eddie Howe, só conseguiu desbloquear o resultado na segunda parte na sequência de um lance de bola parada, depois de um primeiro tempo em que os manifestos esforços ofensivos arrolados pelos jogadores que compõem a sua ala esquerda (diga-se em abono da verdade, os jogadores mais talentosos desta equipa: o lateral esquerdo Charlie Daniels e o ala esquerdo Marc Pugh) não foram suficientes para que a formação do condado de Dorset (Sul de Inglaterra), actual 19ª classificada da Premier com apenas 7 pontos, se pudesse instalar em vantagem no marcador. Nas duas oportunidades de golo criadas por Pugh e Daniels na primeira parte, o avançado Callum Wilson e o médio ala direito Ryan Fraser falharam dois golos cantados à boca da baliza.

No segundo tempo, uma falha de marcação ridícula dos forasteiros na sequência de um pontapé de canto, permitiu aos jogadores de Howe festejar o primeiro tento da partida.

Continuar a ler “Os golos do dia”

Análise – Final da FA Cup – Arsenal 2-1 Chelsea

2 anos depois da última conquista da competição, Arséne Wenger volta a conquistar a Taça de Inglaterra. No maravilhoso palco de Wembley, as duas equipas de Londres ofereceram-nos um daqueles espectáculos de encher o olho. O Arsenal finalizou uma temporada muito difícil da melhor forma, realizando uma extraordinária exibição contra o campeão em título, o Chelsea de Antonio Conte. O resultado de 2-1 acabou por não espelhar a predominância dos Gunners numa partida em que a formação de Antonio Conte cometeu muitos erros defensivos e foi-se deixando enredar na fabulosa teia estratégica tecida pelo treinador gaulês do Arsenal.

Olivier Giroud e Aaron Ramsey acabaram por ser os heróis da partida, num desafio em que sinceramente foi-me bastante difícil atribuir uma menção honrosa em virtude da prestação incrível de várias unidades do Arsenal. Num dos primeiros toques na bola após a sua entrada para o lugar do desequilibrador Danny Welbeck, o francês assistiu o galês para o golo da vitória, quebrando por completo um ligeiro ascendente do Chelsea (reduzido a 10 por expulsão de Victor Moses) no jogo.

Continuar a ler “Análise – Final da FA Cup – Arsenal 2-1 Chelsea”

Sobre a magnífica exibição de Eden Hazard no jogo de ontem

É deveras bom ver a magia e o altruísmo do belga em campo. Adaptar a estética natural do seu enfeitiçador dribbling curto de bola coladinha ao pé (como se a bota fosse oleada com margarina) e a sua constante dinâmica à procura de ter a bola nos pés para criar e para resolver à objectividade que qualquer treinador pretende para um jogador daquela posição é o jogo que se pretende do belga. Com Conte Hazard cresceu. Está menos individualista, está a tomar melhores decisões, se bem que por vezes, no capítulo do remate ainda tem tendência a ser “brinca-na areia” quando deveria ser mais pragmático.

Foi Hazard quem desbloqueou o jogo quando conseguiu arrancar a expulsão a Ander Herrera. Com a expulsão (fez em água a cabeça do médio basco) permitiu duas coisas muito simples à equipa: a subida de linhas (subida que permitiu a Ngolo Kanté e Matic avançar em campo; e o francês revelou-se mais uma vez, funcionando quase como um construtor de jogo) e uma noite mais ou menos descansada à sua dupla de centrais. Nos primeiros minutos da partida denotou-se que os centrais do Chelsea estavam a ter dificuldades para definir o seu posicionamento e as suas funções sempre que Paul Pogba  conseguia lançar o contra-ataque em profundidade. Nos 2 ou 3 lances em que Mkhytarian ou Rashford foram lançados ou conseguiram arrancar em velocidade no 1×1\1×2 contra os centrais do Chelsea, David Luiz e Gary Cahill tremeram como varas verdes.