Perfeito, perfeito! – o génio de Brahimi

A criar uma situação total de ruptura na defesa adversária com aquela incrível saída em drible e com o passe para Marega. Momento de puro brilhantismo do argelino na partida (um dos vários; à excepção de um ou outro passe falhado à saída da área, sempre que o argelino pega na bola cria progressão), a que se junta claramente a adopção de um sistema táctico por parte de Sérgio Conceição de maior utilidade para os jogos europeus (na primeira parte a colocação de Hector Herrera posicionamento mais adiantado no terreno, próximo de Aboubakar, e muito próximo dos construtores do Mónaco, foi muito importante para não deixar que Fabinho e Moutinho, pudessem ter liberdade para colocar critério na construção de jogo dos monegascos), de rapidez nas transições defensivas e de uma organização defensiva fantástica, na qual, quase todos os jogadores, estão bem posicionados, orientam-se bem para as zonas de presença da bola, fecham bem as linhas de passe, e são reactivos e agressivos quando a bola entra nos pés dos adversários nas suas zonas de defesa.

 

Anúncios

Sporting 2-1 Mónaco: os aspectos positivos e os aspectos negativos da exibição dos leões no seu jogo de apresentação

– 

Aspectos positivos:  Continuar a ler “Sporting 2-1 Mónaco: os aspectos positivos e os aspectos negativos da exibição dos leões no seu jogo de apresentação”

Análise: Juventus 2-1 Mónaco – Mais uma lição de bom futebol

Splendido! Suntuoso! Perfetto lavoro! A Juventus chega pela 2ª vez nas últimas 3 temporadas à final da Champions, carimbando a maravilhosa exibição no Stade Louis II com uma excelente primeira parte no Juventus Stadium. O Millenium de Cardiff será o palco onde os bianconeri jogarão novamente os sonhos de uma década.

A vitória da Juve nesta eliminatória, frente um Mónaco que ficou aquém das expectativas que foram naturalmente depositadas em função dos resultados que a turma de Leonardo Jardim acumulou nas anteriores eliminatórias, alicerçou-se essencialmente em factores: comportamento defensivo, rigor táctico e uma ampla capacidade de fazer a diferença no ataque através do “ataque posicional” (os jogadores aparecerem nas posições em que devem estar) nas saídas rápidas para o contra-ataque.
Continuar a ler “Análise: Juventus 2-1 Mónaco – Mais uma lição de bom futebol”

Análise: Mónaco 0-2 Juventus – Um trio mortífero!

O topo do cinismo ou o topo da inteligência na gestão de um jogo? Esta é a pergunta de partida que deixo no início desta crónica para que os leitores possam reflectir sobre o que se passou no jogo desta noite no Estádio Louis II. Uns dirão que a Juventus foi uma equipa cínica que viveu no erro do adversário, aproveitando os erros adversários para criar as jogadas de perigo que a turma italiana criou na partida. Outros dirão que os piemontesi foram muito inteligentes na forma em como abordaram todos os contextos que o jogo ditou. Nenhuma das “correntes de opinião” está totalmente errada mas também não explica 100% o desfecho final da partida. Temos obrigatoriamente que juntar ao cinismo e à inteligência\eficácia táctica defensiva dos bianconeri, o receio acumulado pelo Mónaco desde o início da partida e a subtil mudança que Leonardo Jardim protagonizou à identidade de jogo da equipa.  Continuar a ler “Análise: Mónaco 0-2 Juventus – Um trio mortífero!”

Tudo é possível para o Mónaco de Leonardo Jardim?

Repetir exibições na Champions? Muitos dizem que dois jogos, ainda para mais a este nível, raramente são iguais. Repetir exibições numa fase final da Champions? Muitos dizem que é muito improvável senão mesmo impossível! Repetir 3 exibições tiradas a papel químico contra adversários como o Manchester City e Borussia de Dortmund, 2 delas a jogar na casa do adversário? Sim, o Mónaco de Leonardo Jardim tem a resposta: Oui, nous pouvons! Yes, we can! Querer é poder e eu começo a desconfiar que pela tranquilidade que esta equipa têm apresentado, pela concentração, pela personalização de todas as unidades (todos os jogadores do Mónaco sabem perfeitamente qual é o seu papel em campo), pela qualidade de jogo e pela bem armada estratégia face a todos os contextos de jogo, os monegascos desejam ardentemente jogar a final de Cardiff! E merecem-na jogar por toda a insolência que tem demonstrado na casa dos tubarões do futebol europeu!

Continuar a ler “Tudo é possível para o Mónaco de Leonardo Jardim?”

O Manchester City foi ao Mónaco passar umas férias e esqueceu-se dos quartos.

Resumidamente. O golo de Leroy Sané ainda disfarçou a passividade, a atitude desleixada e a falta de capacidade que a equipa demonstrou ao longo de 90% da partida e ao longo de 70% da eliminatória. O resto, bem, o resto foi uma lição de humildade e luta aplicada por uma equipa muito bem montada e muito bem organizada como é apanágio das equipas de Leonardo Jardim. O português e o principado do Mónaco estão de parabéns: o seu clube volta, 13 anos depois, ao convívio dos grandes da Europa e pode não ficar por aqui a viagem dos monegascos se a atitude competitiva demonstrada nesta eliminatória se prolongar nos quartos-de-final.

Ao contrário do que eu previa, o Manchester City não se apresentou de acordo com a identidade de jogo que sempre acompanhou Pep Guardiola ao longo do seu percurso como treinador. Com as linhas recuadas, ao invés de contrariar a estratégia que foi novamente montada por Leonardo Jardim (pressão altíssima) com linhas mais subidas e pressão mais alta, para recuperar a bola em terrenos mais altos e assim aniquilar o ímpeto inicial que era expectável por parte dos monegascos, assistimos a um City muito expectante que se deixou adormecer na sua própria teia. A equipa per si já revela muitas dificuldades a sair a jogar a partir de trás. Mais dificuldades revela quando tem a central um jogador sem rotinas para a posição de central como o é Kolarov e um jogador ineficaz a realizar transições, por clara falta de recursos, como é Fernandinho. Os monegascos trataram portanto de capitalizar todos os erros que foram cometidos pelos citizens. Aplicando uma pressão altíssima, no qual sobressaiu o posicionamento exímio das duas linhas (sempre muito próximas; sempre a dar “no osso” do adversário) e um jogador (Bakayoko; foi para mim o Homem do Jogo pela forma abnegada com que pressionou, correu, recuperou bolas, iniciou transições; enfim, encheu verdadeiramente o meio-campo), os monegascos repetiram a dose que já lhes tinha granjeado uma excelente exibição (pese embora o resultado) no City of Manchester.

Continuar a ler “O Manchester City foi ao Mónaco passar umas férias e esqueceu-se dos quartos.”