Até onde se estende a teia de Vieira?

julio loureiro

Júlio Loureiro, à direita, é a prova que o Benfica não domina apenas as instâncias federativas. Os tentáculos do polvo encarnado estendem-se até à justiça. 

No princípio era o verbo. Tudo começou com uma linguagem sacra algo recambolesca. Um comentador de verborreia enviesada e abjecta, comentava com um antigo árbitro e observador de árbitros de primeira categoria, a ordenação de uns padres escolhidos e a celebração de umas missas. No alto, havia um primeiro-ministro, o homem que tudo controlava. As metáforas utilizadas não deixavam muitas dúvidas: naqueles textos não haviam meras suposições, haviam indícios claros daquilo que todos já suspeitávamos há muito: um singelo exercício da prática de manipulação dos resultados de um determinado clube por via do tráfico de influências.  A teia foi sendo calmamente desmontada nas semanas seguintes.  O antigo árbitro pedia ao assessor jurídico do clube em causa a intercessão pelo futuro do seu filho, também árbitro. Os padres eram ordenados com recurso à intermediação de um bom menino. De um bom menino, delegado da liga em funções, que divulgava antecipadamente informações intra institucionais alegadamente confidenciais em troca da sua participação (como delegado da Liga) num ou noutro jogo de 1ª liga. Esse bom menino manteve ao longo de vários meses, boas relações quer com árbitros de primeira, quer com árbitros de segunda categoria. Um órgão de comunicação social teve acesso a uma informação muito preciosa: o Benfica tinha intercedido junto dos órgãos competentes para baixar a nota de um árbitro (hostil) num determinado jogo. Mais revelações surgiam: o Benfica tratava de utilizar os seus enviados no terreno para promover a subida dos árbitros (vulgo padres) evangelizados na causa.

nuno cabral

Noutro âmbito, um conjunto de dirigentes das mais altas instâncias de decisão recebia uma pazada de bilhetes para os jogos do clube em causa em troca da prestação de um conjunto de favores cujos objectivos visavam beneficiar esse clube e prejudicar os seus rivais. Pelo meio, houve a revelação de actos de bruxaria da boa, erros de sintaxe primários, espionagem, e entrevistas que nunca aconteceram para divertir a malta e descredibilizar ainda mais os agentes envolvidos. Passados 3 meses veio a revelação que na minha opinião é a gota de água neste processo de revelações: o polvo encarnado ultrapassa as fronteiras do institucionalismo desportivo até ao institucionalismo judicial. Vieira unta com generosidade as mãos a árbitros, observadores, delegados, membros dos Conselhos de Arbitragem, Disciplina e Justiça, dirigentes sindicais, jornalistas, funcionários da justiça – e quem sabe até a inspectores de polícia, procuradores, magistrados, políticos, governantes. Todos os cenários são possíveis e exequíveis face à gravidade das acusações reveladas.  Continuar a ler “Até onde se estende a teia de Vieira?”

Anúncios

Tiro ao lado?

As missas, os padres, a relação do primeiro-ministro com o poder (himself) e um intermediário sindicalista têxtil de Ronfe, ex-árbitro de baixa qualidade, observador tecnicamente inapto, que já foi do PCP mas agora está mais ligado ao Bloco. Eis a salsada marinada em massa pimentão que compõe a nova pratada de Carne de Porco à Alentejana que está a ser cozinhada no futebol português! A silly season elevada ao expoente. O conteúdo indicia uma suspeita que é amplamente generalizada e debatida mas, no fundo, a confirmar-se como uma informação verídica, não prova absolutamente nada. Temos pena. Eu sou um daqueles que crê convictamente que nos últimos anos passaram-se um conjunto de evidências claras que demonstram que não existe de todo uma actividade lícita nas conquistas do clube encarnado, mas, infelizmente, não tenho provas que sustentem tais actividades. Neste tipo de situações temos que ser racionais.

O que é que as declarações do director de comunicação do Porto provam? Nada. De boca pouco ou nada se prova neste país. O que é que os emails trocados entre Adão Mendes e Pedro Guerra provam relativamente à existência de um esquema de corrupção montado pelo Benfica? Nada. A provar-se como verídica, a licitude da prova conta. Como a prova não deverá ter sido obtida de forma lícita, Francisco Marques até pode ser vítima dos bagos de chumbo da bala que atirou contra os responsáveis do clube encarnado e contra os árbitros em questão se não conseguir justificar convenientemente a veracidade e a origem do email que leu, a veracidade das relações existentes entre agentes, as metáforas existentes no texto, o simbolismo escondido por detrás das alcunhas dadas às personagens. Se o director de comunicação do Porto não conseguir provar todos estes pontos, poderá obviamente incorrer num crime de difamação, devassa da vida privada e espionagem, morrendo imediatamente o assunto por aqui.