Os golos do dia (1ª parte)

Começo pela sensacional reviravolta operada pelos Hammers de Slaven Bilic (a imprensa britânica decidiu qualificar esta vitória como um glorioso momento no qual os jogadores londrinos foram buscar engenho e forças ao fundo do poço para resgatar o seu treinador; técnico que estaria certamente por horas em caso de derrota, em virtude dos maus resultados que a equipa tem averbado para a Premier; Bilic rejeitou no entanto a crítica que lhe foi feita pela imprensa em relação ao estado de forma física da equipa) no derby londrino realizado na quarta-feira à noite frente ao Tottenham de Pocchettino em jogo a contar para os oitavos-de-final da Taça da Liga Inglesa.

A coisa não começou manifestamente bem para os Hammers no capítulo da organização da pressão, e da organização defensiva. Nos primeiros minutos da partida Bilic mandou subiu o bloco, colocando a sua defesa apontada na linha divisória do meio-campo, de forma a fazer subir as duas linhas que jogam à sua frente no terreno para pressionar em terrenos adiantados a saída para o jogo do adversário, estratégia que visou sobretudo a prossecução de 3 objectivos muito básicos: em primeiro lugar, impedir impedir que a formação de Maurício Pocchetino pudesse dominar a partida através da posse no seu meio-campo. Em segundo lugar, a estratégia inicial traçada pelo croata visou impedir que a formação de Pocchettino pudesse sair no contra-ataque, transição na qual os Spurs se tem revelado muito eficazes nos últimos jogos. Em terceiro lugar, a pressão alta poderia permitir à sua formação recuperar bolas para manter viva a sua iniciativa no meio-campo adversário, obrigando o adversário a encolher-se nos seu último reduto.

O primeiro golo do Tottenham nasce de um conjunto de erros cometidos pelos jogadores de West Ham na pressão e no capítulo da transição e organização defensiva.

Continuar a ler “Os golos do dia (1ª parte)”

Liverpool: uma defesa às aranhas

A fraca qualidade individual dos centrais, o péssimo trabalho de coordenação defensiva (trabalho que não tem garantido a devida segurança e estabilidade à equipa; falhas no controlo à profundidade adversária), a lentidão de alguns jogadores na recuperação, as perdas de bola na saída de jogo ou na fase de construção (fase na qual os laterais do Liverpool se projectam no terreno; havendo portanto muito espaço, que não é devidamente compensado nas suas costas se a equipa adversária recuperar a posse) e os jogos em que a linha média do Liverpool não compensa o seu adiantamento no terreno com uma boa reacção à perda (sendo facilmente suplantável) são factores que estão a arruinar por completo as aspirações de Jurgen Klopp.

tottenham

No lance do primeiro golo, a formação de Liverpool tenta reduzir os espaços num curto sector de terreno para recuperar ou obrigar o adversário ao erro. O seu quarteto defensivo está algo desalinhado mas não é quanto a mim por aí que vem algum mal ao mundo. A presença de Harry Kane (em linha) nas costas de Lovren até é aceitável se no momento em que o passe sai para Trippier, um dos centrais desse ordem de subida imediata para criar a armadilha do fora-de-jogo.

matip

Matip não só não cria a armadilha do fora-de-jogo como não é rápido a recuperar perante a sua inexistência, ficando parado a pedir fora-de-jogo enquanto Kane acelera. Se o central internacional pelos Camarões tivesse sido rápido a recuperar, poderia ter chegado primeiro ao esférico para controlar a situação e afastar o perigo. Lovren é comido de cebolada pelo arranque do internacional inglês.

son 3

No lance do 2º golo, a equipa de Anfield é apanhada completamente descompensada no momento da transição adversária. A linha média é batida. Son come o adversário em velocidade para ganhar a frente ao lance. Kane só precisa de esperar pela acção do colega para o isolar.

 

 

Os golos do dia

https://dailymotion.com/video/x63hkwf

Começo esta série de recortes pela vitória conquistada pela selecção checa no Azerbeijão (1-2). Num grupo decidido há 2 jornadas no que concerne aos lugares qualificáveis (a Alemanha confirmou ontem a sua natural qualificação directa para a Rússia ao bater a Irlanda do Norte por 1-3 em Belfast; a Irlanda do Norte seguirá ao que tudo indica para os playoffs, confirmando a ascensão que tem vindo a trilhar no actual cenário do futebol europeu desde há 5\6 anos a esta parte) o seleccionador checo Karel Jarolim aproveitou a deslocação até ao Estádio Olímpico de Baku para dar experiência internacional ao conjunto de jogadores com os quais vai decerto trabalhar nos próximos anos.

Ainda longe do altíssimo nível apresentado pelo glorioso elenco que compôs as históricas (finalista do Euro 96, p.e) selecções daquele país na última década do século XX e da primeira década do século XXI (autênticas constelações de estrelas do futebol europeu que tinham no seu elenco artistas como o guardião Petr Kouba, Jan Suchoparek, Pavel Nedved, Karel Poborsky, Pavel Kuka, Radek Bejbl, Pavel Srnicek, Patrick Berger, Vladimir Smicer, Tomas Repka, Jiri Nemec, Jan Koller, Tomas Rosicky, Marek Jankulovski, Milan Baros, Petr Cech, Tomas Galasek e Jaroslav Plasil) a nova formada de talentos do futebol checo, parece querer despontar novamente depois de um período de maior indefinição e erro, que foi amenizado contudo pela qualificação para o Europeu de 2016, beneficiando do alargamento do número de selecções promovido por Michel Platini. Continuar a ler “Os golos do dia”

Ngolo Kanté: a sua bomba de 400cv de potência e a sua inteligência na definição de jogadas

Receber, acelerar, aguentar a pressão e a carga adversária, acelerar ainda mais (dificultando a transição defensiva do adversário; criando problemas na intervenção à defesa; veja-se o comportamento “saio ou não saio à pressão?” dos jogadores do Tottenham) e definição do último passe no melhor timing possível…

kante

  1. Se demorasse mais uma infima fracção de segundo a soltar, o médio do Chelsea ficaria sem a bola ou sofreria uma falta cirúrgica que poderia trazer poucos proveitos à equipa.
  2. Linha de passe aberta.
  3. Batshuayi já ganhou a frente do lance com a sua desmarcação. O passe isola o colega.

O golo do dia

Dia de aniversário, a quanto obrigas! França e Inglaterra realizaram provavelmente um dos jogos do ano no amigável disputado esta noite no Saint Denis. Pelo que amiúde que pude ver na tv enquanto fazia de de convidado na festa de anos com que fui brindado, pareceu-me ter sido um jogo de uma qualidade técnica e física (pelo pace a que se disputou o jogo) sensacional, contrariando os aborrecidos amigáveis de final de temporada em que as pernas (e a cabeça dos artistas) estão longe do relvado e muito próximas dos exóticos destinos que irão preencher as suas vidas nas próximas semanas. Continuar a ler “O golo do dia”

Momentos da jornada de qualificação europeia para o Mundial

 

O mágico Stevan Jovetic. A carreira do internacional montengrino atingiu nos últimos anos um terrível ocaso. Pode-se até mesmo dizer que a transferência realizada em 2013 da Fiorentina para o Manchester City teve o efeito inverso (e por conseguinte perverso) em relação às expectativas que todos os verdadeiros connaisseurs desta arte depositavam no jovem montenegrino: ao invés de se tornar um jogador mais regular, característica (regularidade) que lhe permitiria finalmente ascender à elite do futebol mundial, estatuto que seria mais coadunante com o ´brilhantismo técnico apresentado pelo jogador nos anos em que representou a Fiorentina, o jogador esteve adormecido durante algum tempo, acordando na parte final do empréstimo ao Sevilla, clube que não irá accionar a sua opção de compra junto do Inter no final deste mês. Continuar a ler “Momentos da jornada de qualificação europeia para o Mundial”

Harry Kane em ponto rebuçado

32 golos em 37 jogos. 24 dos 32 obtidos na Premier League, facto que poderá valer ao avançado do Tottenham a renovação do título de melhor marcador da prova.

Frente ao incipiente Leicester (os Foxes fizeram um jogo francamente negativo no capítulo defensivo, em especial, no capítulo posicional e na baixa intensidade registada nos momentos de pressão e abordagem ao portador) o avançado inglês aproveitou para mostrar o seu lado Killer. Sem descurar algumas características do seu “completo” arsenal quando é chamado a jogar fora da área – constante dinâmica na cedência de apoios quer no corredor central quer nos corredores laterais, a capacidade de drible que possui sempre que vai aos corredores receber a bola para tentar flectir para o centro para preparar o seu poderoso remate de meia distância – o avançado demonstrou ontem que só tem olhos para a baliza, marcando 2 (dos 4) exactamente iguais nos minutos finais.