Os golos do dia

Começo este post pela Liga Ledman. É verdade que desde o início deste blog em Março não tenho dado o maior dos destaques à nossa 2ª liga. Não tenho o dom da ubiquidade nem consigo, no turbilhão de provas, jogos, notícias, rumores que acontecem ou saem cá para fora todos os dias, ter disponibilidade para acompanhar a fundo a prova. Para já tenho tentado acompanhar ao máximo o percurso da Académica, pelas razões sentimentais que me ligam ao clube e à bela cidade de Coimbra.

Pude ver, durante o dia de hoje uma generosa parte do jogo entre a equipa B do Sporting e o Cova da Piedade. Do que vi gostei de algumas prestações. A que mais me encantou foi a de Rafael Barbosa. Cada vez mais acredito que face aquela que considero ser para já a única pecha no plantel principal (um substituto à altura de Adrien; considerando que Battaglia pode ser, caso William não venha a sair, um jogador capaz de fazer com alguma eficiência o papel de Adrien; pelo menos nos aspectos defensivos, o argentino tem capacidade para poder substituir o capitão; nos aspectos ofensivos, creio que o jogador tem evidentes lacunas que tem necessariamente de ser trabalhadas, com a sua técnica de passe à cabeça) se o médio mantiver este rendimento (é agressivo na disputa da bola, pressiona bem, recupera imensas bolas, é rápido e efectivo a lançar o ataque ou a criar em terrenos mais adiantados) poderá ser o primeiro jogador a saltar da equipa B para a equipa principal.  Continuar a ler “Os golos do dia”

Anúncios

O dia mais importante da vida de uma modesta vila de 3700 habitantes – 1ª parte

hoffenheim

Com o passar dos anos, o futebol tornou-se uma notável força social no colorido espectro da região de Heidelberg. A 20 km da cidade que alberga a mais antiga Universidade Alemã (fundação datada de 1836) e que albergou temporariamente Martinho Lutero na sua cruzada contra o Comércio de Indulgências que era praticado por e pelos antecessores do Papa Leão X, nasceu uma das histórias mais lindas do futebol: o TSG 1899 Hoffenheim.

Fundado em 1945 após o fim da 2ª Guerra Mundial, o clube que juntou num só os dois clubes até então existentes no povoado de 2600 habitantes, o “ginástico” Turnverein Hoffenheim (1899) e Fußballverein Hoffenheim (1921) teve uma história obscura em cerca de meio século de existência. Até ao ano 2000, ou seja até à entrada de Dietmar Hopp (o multimilionário patrão da SAP, AG; fortuna avaliada em 3,3 milhões de dólares) o modesto TSG, clube que disputava o 5º escalão da nomenclatura de competições do futebol alemão, era uma simples agremiação de bairro, onde meia dúzia de jovens e adultos da terra perdida no meio de “nenhures” da região de Baden se juntavam para dar uns toques na bola e apanhar cáspias de Vetter´s, a cerveja mais famosa da região. A entrada de Hopp tudo alterou. O patrão da SAP, empresa criada em 1972 por antigos empregados da IBM (entre os quais Hopp) que viria a revolucionar as tecnologias da informação, tratou de construir a pulso e com afinco um dos mais bonitos projectos da história do futebol.

Continuar a ler “O dia mais importante da vida de uma modesta vila de 3700 habitantes – 1ª parte”

Um maravilhoso lateral direito chamado Jeremy Toljan

Há uns dias, neste post, já tinha feito uma brevíssima referência ao versátil (o jogador pode fazer qualquer lugar da defesa) lateral direito do Hoffenheim. Contra a selecção inglesa, num jogo em que infelizmente só pude dar dedicar-me a 100% à passagem da meia-hora, pude finalmente confirmar a qualidade de Jeremy Toljan, jogador que já me tinha ficado na retina num ou dois jogos em que o vi alinhar no talentoso Hoffenheim de Julian Nagelsmann e noutro par de jogos disputados no verão passado nos Jogos Olímpicos do Rio. Continuar a ler “Um maravilhoso lateral direito chamado Jeremy Toljan”

A classe de Julian Draxler

A finalização do médio ofensivo do Hoffenheim é boa, mas, a preparação do momento por parte de Julian Draxler é excelente. Eu sou um bocado suspeito para escrever o quer que seja sobre o criativo jogador do PSG porque Draxler é desde há muito um dos jogadores que mais admiro no cenário futebolístico hodierno.

Sempre que penso em Draxler ou revejo mentalmente alguns dos momentos que fui assistindo do criativo (que para mim é mais um 10 do que verdadeiramente um extremo) recordo-me sempre das suas acções individuais características na esquerda (em ataque organizado ou em contra-ataque, tanto faz…), nas quais o jogador, naquela passada elegante, com aquela técnica individual que se situa num ponto bem para além de elegante, corta para dentro enquanto passa por quantos forem aqueles que se lhe opuserem, e termina com aqueles espantosos remates na passada. Este é só o cartão de visita (técnico e veloz) de um jogadores mais inteligentes do futebol mundial. Os momentos em que o jogador vem ao corredor central são na minha opinião os momentos em que o jogador liberta tudo o que realmente sabe sobre futebol: a sua inteligência. A forma em como, com uma acção, desmonta por completo toda a estratégia adversária no preciso momento em que cria uma acção benéfica para a equipa.

No golo de Demirbay contra os camarões, a entrada-apoio em progressão do jogador no espaço livre face à acção do seu colega numa situação de pressão imediata sobre o portador por parte de um dos centrais camaroneses é a situação que faz toda a diferença no lance.

Não desfazendo de todo a acção de Demirbay porque o médio foi rápido a rodar para desembaraçar-se da pressão do jogador adversário de forma a poder combinar com Draxler, “criando” o espaço que depois irá atacar…

… não poderia ter redundado no golo que redundou se Draxler não tivesse tirado completamente da jogada os dois jogadores que estão a realizar a situação de pressão com o momento de contemporização que realizou antes de servir o colega com aquele fenomenal passe de calcanhar.

 

 

Os Truques da Bola

Já nem disfarçam a alegria quando souberam que o jogador ia ser titular. A primeira inclusão do ano (e já vamos em Abril) do jogador teve direito a honras de Estado por parte do Jornal A Bola. Da titularidade do português frente ao Hoffenheim não existiu nada para “vender” e tudo se consumou nisto. No quê? Sim, nas severas limitações deste jogador!