Andy Robertson

A transferência do lateral escocês do Hull para o Liverpool por 11 milhões de euros foi uma verdadeira pechincha para os Reds. No início deste defeso, a imprensa portuguesa avançou a possibilidade do Sporting estar interessado nos serviços do talentoso lateral esquerdo. O “negócio Coentrão” acabou por ser mais rentável para os cofres leoninos. Jorge Jesus ganhou, para uma posição muito sensível do terreno, um jogador experiente com quem já realizou um virtuoso trabalho no passado, pesem embora as condicionantes que afectaram o jogador nas últimas temporadas, mas poderá, por outro lado, ter deixado passar um dos mais talentosos laterais da nova geração europeia.  Continuar a ler “Andy Robertson”

Hoje Escreve o Mister #12

Por Pedro Sousa, treinador de futebol

Nem sempre ser idolatrado, ter boa imprensa e uma excelente máquina de propaganda por trás chega para um treinador atingir os objectivos, mas também se deve realçar que nas derrotas ou vitórias nunca se deve esquecer o fundamental: ter competência; essa que a maioria avalia pelos resultados, tal como vitórias não significam ter a mesma! Muitos esquecem vários factores para definir competência, essa que pode levar ou não ao sucesso, e que na maioria das vezes é muito mal avaliada pelas emoções e nunca com uma racionalidade de análise no que é mais importante e de uma forma mais profunda de todos os factores integrados e momentaneamente inseridos.

Confesso que nunca fui um adepto exacerbado do Marco Silva porque não me identifico com algumas ideias e características que defende e já tinha identificado anteriormente na observação a várias situações, mas reconheço-lhe competência suficiente naquilo que ele procura para as suas equipas noutros momentos, sendo mais um jovem treinador muito promissor do futebol português que com certeza pode ter sucesso se continuar a sua evolução.

Por isso fica o meu abraço nesta hora difícil da sua carreira, que rapidamente vai fazer esquecer. Deve acima de tudo escolher melhor os seus projectos futuros para não entrar num ciclo onde muitos já entraram e nunca mais saíram… Ficam os desejos de boa sorte ao Marco Silva e força para o próximo projecto.

Slimani, mais uma vez!

Não, tudo o que foi feito com a evolução deste jogador não pertence à “mão dourada” de Marco Silva. Não, os indices físicos deste jogador, a sua mobilidade, a sua capacidade em vir atrás participar mais nos processos colectivos da equipa não foram obra e graça de Marco Silva. Não, não foi Marco Silva que colocou 30 milhões nos cofres de Alvalade. O “Slimani” de Marco Silva estava longe de ser o Islam Slimani da actualidade. Muito longe! Por mais que só queiram apontar as virtudes ao técnico português (naturalmente percebemos a razão que leva a imprensa portuguesa a levar Marco Silva nas palminhas; se fosse vendido em vez de despedido da forma bruta como foi por Bruno de Carvalho, estou certo que não teria metade do hype que tem na actualidade) e eu até sou justo o suficiente para lhe apontar 2 grandes trabalhos no Estoril e no Hull (porque no Olympiacos, face às evidências do destruído campeonato grego, até o Paulo Bento vai ser campeão apesar de ter sido despedido). Já na sua passagem pelo Sporting, pesada a conquista da Taça de Portugal e o bonito futebol que a equipa praticou a espaços, a época foi muito irregular. Quando uma temporada é marcada pela irregularidade, não se pode dizer que um treinador tenha feito um bom trabalho.