Os golos do dia

Começo pelo quentinho clássico disputado no Olímpico entre a Roma e o Inter (1-3) mais concretamente pelo lance do golo que deu vantagem aos romanos numa partida em que a formação de Eusébio Di Francesco mandou 3 bolas aos ferros da baliza de Samir Handanovic.

Bom trabalho de Grégoire Defrel a encontrar a linha de passe para Naingollan perante a desvantagem que possuia frente aos 2 jogadores do Inter que estavam a realizar a cobertura. O cruzamento do belga é soberbo assim como também é a desmarcação do ponta-de-lança bósnio no meio dos dois centrais da formação de Spalletti. Aproveitando a falha de marcação, o bósnio pede atempadamente a bola para as costas, posiciona-se no limite da linha defensiva, entra nas costas dos centrais, mata a bola no peito e coloca um daqueles remate secos dignos do killer instinct que só os grandes pontas-de-lança conseguem ter no momento de finalizar.

Continuar a ler “Os golos do dia”

O golo do dia

Do que tenho visto da participação do Inter na International Champions Cup, ou muito me engano ou Luciano Spaletti está a alimentar um verdadeiro, produto e proficiente “cavalão de corrida” para o contra-ataque. Continuar a ler “O golo do dia”

Stevan Jovetic

45 minutos muito bons do montenegrino na vitória do Inter sobre o Lyon por uma bola. É delicioso ver o seu toque de bola, a técnica individual que emana no seu curtinho na sua jogada trademark, a forma em como consegue passar do extremamente complexo e do exageradamente trabalhado (defeito que o leva a transformar boas oportunidades para criar desequilíbrios em bolas perdidas) para um futebol minimal e tremendamente eficaz (veja-se a simplicidade na execução daquele passe de ruptura que isolou Gabigol na cara de Mathieu Gorgelin) e a sua veia finalizadora.

Bloco de Notas da História #19 – Decorridos 50 anos sobre a vitória do Celtic na Taça dos Campeões Europeus

25 de Maio de 1967. Estádio Nacional do Jamor. O Portugal da ditadura do Estado Novo, regime que era cada vez mais acossado (e isolado) pela comunidade internacional devido à manutenção da injusta e sangrenta guerra em África, recebe pela primeira um grande espectáculo internacional de futebol.

Em confronto, para a final da Taça dos Campeões Europeus da temporada 1966\1967 encontram-se o poderoso Inter do “catenaccio” de Helenio Herrera e o underdog Celtic de Jock Stein. Os escoceses são, de forma surpreendente, num espaço de 12 anos, a primeira equipa britânica a chegar à final da competição. Apesar do futebol britânico ter recuperado algum do seu prestígio poucos meses antes com a vitória da Inglaterra no Mundial por si organizado, e de algumas equipas ingleses possuírem desde há largos anos as melhores equipas mundiais (caso do Manchester United), são os comandados de Jock Stein que chegam pela primeira vez à final da maior competição futebolística do futebol europeu, surpreendendo tudo e todos no estádio situado no coração do concelho de Oeiras. Continuar a ler “Bloco de Notas da História #19 – Decorridos 50 anos sobre a vitória do Celtic na Taça dos Campeões Europeus”

Fiorentina 5-4 Inter: Um hino ao futebol!

Numa semana em que as atenções dos portugueses estiveram focadas essencialmente no derby entre Sporting e Benfica, nos acontecimentos acessórios que se passaram fora das 4 linhas, e no clássico do futebol espanhol, “escapou pelo canto do olho” o magnífico espectáculo de futebol que Fiorentina e Inter protagonizaram em Itália. Um espectáculo enorme que contraria a pré-concebida ideia que muitos adeptos da modalidade no nosso país tem vindo a idealizar às cegas (sem ver um único jogo) nos últimos anos sobre o futebol italiano. Continuar a ler “Fiorentina 5-4 Inter: Um hino ao futebol!”

Bloco de Notas da História #6 – A despedida de Lukasz Podolski

Quando idealizei a criação desta rubrica, pretendia accionar e assinalar no presente a memória pessoal ou colectiva de acontecimentos históricos do mundo do desporto. Contudo, nada me impede de utilizar a rubrica para narrar a História presente do mundo do desporto. Ontem fez-se história no jogo amigável disputado em Dortmund entre a selecção alemã e a selecção inglesa. E que História! O icónico Lukasz Podolski despediu-se para sempre da Mannschaft num jogo marcado para homenagear o jogador, fazendo jus à sua maior qualidade enquanto futebolista: o poderoso e apurado pontapé canhão (de canhota) que o celebrizou e que o fez alinhar em três das maiores equipas mundiais.

Continuar a ler “Bloco de Notas da História #6 – A despedida de Lukasz Podolski”