A sociedade Messi\DiMaria vai safando a Argentina no Equador

Na noite de todas as emoções na fase de qualificação sul-americana. No rarefeito e pouco denso ar dos 3000 metros de Quito, frente a uma selecção que tem a vantagem de já estar habituada às condicionantes de índole respiratória provocadas pela baixa da pressão atmosférica, a selecção argentina está a lutar pela sua sobrevivência. Ainda não tinha passado 1 minuto de jogo quando a selecção equatoriana inaugurou o marcador (provocando de seguida todo o banco argentino), iniciando 20 minutos de um frenético ritmo de jogo que só acalmaram quando Lionel Messi (em sociedade com Di Maria, jogador que tem pisado terrenos mais descaídos para a esquerda para facilitar as tabelas com La Pulga; nos verticais processos de circulação que estão a ser utilizados pela selecção argentina no corredor central; tanto Biglia como Enzo tem chamado, nos momentos de transição os dois médios-centro equatorianos a executar maior pressão, libertando espaço para Messi e DiMaria receber entre linhas; o equador tenta contrariar La Pulga com uma marcação individual realizada por Jefferson Intriago, mas Messi tem escapado muito bem à marcação adversária através da realização de tabelas com DiMaria ;os dois médios centro argentinos não tem caído na tentação de subir do terreno para não expor defensivamente a equipa e não gastar energias desnecessárias, pressionando com mais intensidade quando à entrada do seu meio-campo) operou a reviravolta no marcador. Aí Javier Mascherano tratou de colocar algum gelo no jogo.

A selecção da casa, selecção onde se denota que os jogadores são mais rápidos a atacar a bola, tem oscilado nos seus processos de jogo ofensivo entre a lateralização de jogo para os corredores na primeira fase de construção em ataque organizado, faixas onde aparecem os velozes Romario Ibarra e Cristian Ramirez e uma estratégia de ataque à profundidade nas saídas para o contra-ataque, procurando lançar estes dois jogadores nas costas dos “alas” Salvio e Acuña. Para já, nos primeiros 45 minutos, os dois centrais argentinos que jogam mais descaídos para as alas (Otamendi e Mercado) tem estado soberbos no controlo da profundidade, facto que tem dado uma segurança por exemplo para Salvio projectar-se no terreno.

Anúncios

Barcelona 3-0 Las Palmas – 5 breves apontamentos

1- A organização defensiva dos Las Palmas em Nou Camp. 

Esta deverá ter sido a primeira vez (não me recordo alguma vez ter acontecido tal coisa em Nou Camp nos últimos 20 anos) que os catalães jogaram em casa sem a presença de público nas bancadas do seu estádio. Os graves tumultos ocorridos nas ruas de Barcelona a propósito do referendo independentista proposto ao povo catalão pelo elenco directivo da Generalitat que actualmente governa aquela comunidade autónoma (?) do Estado Espanhol, região que certamente, ao que tudo indica passará ao estatuto de estado soberano nos próximos meses\anos, levaram o Barcelona, primeiro, durante a manhã, a pedir o adiamento do jogo marcado para a tarde de domingo, solução que foi prontamente rejeitada pela Liga Espanhola. A 30 minutos do início da partida, temendo a perda de 3 pontos em caso de desobediência à instrução da Liga Espanhola (entretanto a organização dirigida por Javier Tebas decidiu consultar a polícia; os mossos de esquadra avisaram que não teriam meios suficientes para garantir a segurança de todos os espectadores), a direcção culé lançou um comunicado no qual explicava as razões que motivaram a decisão de interdição do terreno à participação popular. Enquanto que cá fora, junto aos portões de acesso ao estádio milhares de pessoas tentavam entrar no recinto, no terreno de jogo gerou-se uma situação algo insólita: os comentadores e os telespectadores puderam ouvir com alguma clareza as várias comunicações que foram realizadas ao longo dos 90 minutos pelos jogadores de ambas as equipas, acontecimento muitos raros nos dias que correm.

Continuar a ler “Barcelona 3-0 Las Palmas – 5 breves apontamentos”

Os golos do dia

 

Excelente gesto técnico do médio do Chelsea. O remate em rosca deu um extraordinário efeito à bola, tirando-a do alcance do voo de David Ospina.

Início este post com o fantástico golo de Willian no empate a 1 bola do Brasil (já qualificado há muito para a Rússia) frente à Colômbia, selecção que ainda terá que penar mais um bocado para conseguir a qualificação nesta frenética “ronda” de qualificação da COMNEBOL. Continuar a ler “Os golos do dia”

Duas Dy(bala) e a noite em que Juventus roçou a perfeição táctica

Eximia. Soperba. Meravigliosa. Magistrale! Mostra solo alla portata dei migliori! A Vecchia Signora está a jogar as fichinhas todas na conquista desta Champions. Aceita-se uma “remontada” contra um PSG que esteve muito bem no jogo da primeira mão. Ingenuidade será alguém acreditar numa remontada do Barça depois da perfeita exibição a todos os níveis que foi realizada pela equipa italiana no Juventus Stadium Se essa reviravolta na eliminatória acontecer e se der nos moldes em que se deu a “remontada” louca contra o PSG, o futebol estará para sempre enviesado por factores anormais. A acontecer será o suficiente para que não queira saber desta competição nos próximos anos.

O que é se que pode fazer em Turim a esta hora da noite?

O músico austríaco Marcel Fureder, conhecido no meio musical como Parov Stellar, deu um dia a dica: relaxar ao som de um belíssimo sopro de saxofone, fechar os golos, e acreditar que esta Juve tem tudo para voltar a recuperar o ceptro do futebol europeu.
Continuar a ler “Duas Dy(bala) e a noite em que Juventus roçou a perfeição táctica”