Volta à Suíça – Etapa 3

A etapa de 159,3 km entre Menzigen e Berna, a capital da Federação Suíça, prometia espectáculo. Num traçado muito idêntico à etapa que Peter Sagan conquistou na capital suíça na edição de 2016 do Tour, o esloveno era apontado como o principal favorito à conquista da 3ª etapa da Volta à Suíça. Num desenho que voltou a ser de dificuldade média alta em virtude das 3 categorias de montanha que os ciclistas tiveram de enfrentar até aos 15 km finais, e de um final extremamente apimentado (os 5 km finais foram parcialmente corridos em paralelo no centro histórico de Berna; os últimos 1500 metros foram corridos num pequeno muro de 6,5% de pendente; pelo meio existiram as perigosas viragens que os ciclistas tiveram que efectuar para chegar ao destino final), o campeão do mundo de estrada em título liderava uma bolsa de apostas que tinha outros nomes como Enrico Gasparotto (Bahrain-Mérida), Domenico Pozzovivo (AG2R), o nosso Rui Costa (voltou a estar em destaque na parte final), John Degenkolb e Michael Matthews (Sunweb). A vitória na etapa viria a sorrir ao australiano da Sunweb ao sprint depois de Pozzovivo ter mexido com a corrida na aproximação à linha de chegada.

Continuar a ler “Volta à Suíça – Etapa 3”

Anúncios

Volta à Suiça – Etapas 1 e 2

A 81ª edição da Volta à Suiça arrancou no passado sábado. A sobreposição de provas (as primeiras duas etapas da prova helvética sobrepuseram-se ao momento de todas as decisões no Criterium Dauphiné)  levou-me a demonstrar alguma preferência pela cobertura da parte final da prova francesa para depois me dedicar em exclusivo até ao próximo domingo na cobertura da outra grande prova de preparação para o Tour.

A Volta à Suíça é desde há muitos anos uma das principais antecâmaras de preparação para a Grande Boucle pelo carácter exigente do seu traçado (2 contra-relógios e 4 etapas de média e alta montanha) em conjunto com o Criterium Dauphiné e com a Route Du Sud. Estabelecida como o último balão de ensaio para todos aqueles precisam de melhorar a sua condição antes da prova francesa, a prova helvética reserva a todos os participantes um grau de dificuldade alto na montanha. Com um historial de vencedores muito rico (o nosso Rui Costa já venceu a geral individual da prova em 3 ocasiões nos anos 2012, 2013 e 2014) vários foram os nomes sonantes da história do ciclismo que já ergueram a camisola amarela no final dos 9 dias de corrida de prova. Entre os vencedores absolutos da prova helvética podemos encontrar nomes históricos do ciclismo como de Gino Bartali, Eddy Merckx, Roger de Vlaeminck, Giuseppe Saronni, Sean Kelly, Pavel Tonkov, Stefano Garzelli, Alex Zulle, Alexandre Vinokourov, Jan Ullrich, Roman Kreuziger, Fabian Cancellara, Frank Schleck, Levi Leipheimer ou Rui Costa. Continuar a ler “Volta à Suiça – Etapas 1 e 2”

O auge de Greg Van Avermaet no velódromo de Roubaix!

Que ponta final surpreendente! Que prova! Que temporada dos diabos para o campeão olímpico! Depois de um 3º e um 4º lugar na prova em 2013 e 2015, Greg Van Avermaet subiu literalmente ao Olimpo do Paris-Roubaix. O belga está a viver neste preciso momento o seu grande momento de glória. Bem o mereceu na verdade depois de tantos anos a morrer na praia nas grandes clássicas e acima de tudo, depois de tantas críticas de que foi alvo por parte da imprensa da especialidade. Promissor desde sempre, GVA foi durante muitos anos votado a severas críticas que o acusavam de ser o maior flop da actual geração do ciclismo. O ciclista da BMC nunca esmoreceu e está a colher agora os louros do seu árduo trabalho. No momento da verdade, a verdade é que ele não falha!

Continuar a ler “O auge de Greg Van Avermaet no velódromo de Roubaix!”

Amanhã há Paris-Roubaix!

O Inferno do Norte está de volta! Vou ser sincero: há vários dias que anseio pela prova que é desde miúdo a minha favorita do calendário internacional.
Em 2016 foi o “underdog” Matthew Hayman da Orica quem chorou mais baba e ranho para chegar na primeira posição ao velódromo de Roubaix.

Para a edição deste ano aposto na “prata da casa” ou seja em…

Sim, ele mesmo! Peter Sagan, o actual bicampeão do Mundo e campeão da Europa em título! Face a tamanha concorrência (Tom Boonen, Greg Van Avermaet, Sep Vanmarcke, Matthew Heyman, Arnaud Demare, Tony Gallopin, André Greipel, Luke Durbridge, Niki Terpstra, Mark Cavendish, Alexander Kristoff, Lars Boom, Ian Stannard, Luke Rowe, John Degenkolb, Frederik Backaert) e a 29 sectores de pavé sei que será uma longa batalha para o eslovaco mas estou confiante que mais uma vez virá ao de cima o seu virtuosismo!

A prova terá o seu início quando passarem 5 minutos das 10 da manhã em Portugal. Poderá ser vista no canal Eurosport.

A classe de Phillip Gilbert

Eu bem avisei! No post que ontem lancei a propósito do momento de forma actual do super campeão belga, acreditava piamente que o ciclista da Quickstep poderia surpreender todos aqueles que previam uma corrida mais ou menos linear, ou seja, a ser discutida pelos dois tubarões das clássicas da actualidade: Peter Sagan e Greg Van Avermaet.

Com um ataque forte na primeira passagem pelo difícil e inclinado paralelo do Oude Kwaremont (a 55 km da linha de chegada; o Oude Kwaremont é uma inclinação de 2,2 km feita em estrada de paralelo com uma percentagem máxima de 11%, constituindo-se portanto conjuntamente com o Patterberg um dos pontos-chave de decisão da prova) o belga voltou a repetir a dose que já o tinha feito sorrir nos 3 dias de Panne. É correcto afirmar porém que a conjuntura de corrida foi benéfica para a estratégia de corrida tomada pelo belga naquele preciso momento. Inserido no grupo da frente sem Sagan, Avermaet, John Degenkolb e André Greipel por perto, Gilbert teve a “sua” corrida ligeiramente facilitada no momento do ataque. Contudo, mais uma vez valeu ao belga a excelente leitura de corrida que soube fazer, atacando no preciso momento em que o pelotão poderia estar muito próximo de fazer a junção entre os principais candidatos.

Continuar a ler “A classe de Phillip Gilbert”

Tour de Flandres: o que esperar de Phillipe Gilbert?

A mais recente prestação do antigo campeão do mundo nos 3 dias de Panne, prova que serviu de antecâmara para o espectáculo que teremos amanhã à tarde no Tour de Flandres (o 2º dos 5 monumentos do ciclismo mundial) indicia que Phillipe Gilbert irá aparecer em grande forma e com objectivos bem altos nas clássicas da primavera que teremos todos os domingos nas próximas 5 semanas.

Continuar a ler “Tour de Flandres: o que esperar de Phillipe Gilbert?”

Supresa na Milão – San Remo

O antigo campeão do mundo, o polaco Michal Kwiatkowski venceu de forma surpreendente ao sprint na chegada a San Remo, batendo na chegada a San Remo dois ciclistas com uma ponta final muito mais forte, nada mais nada menos que Peter Sagan e Julian Alaphilipe. O all arounder polaco confirmou o seu grande momento de forma no início desta temporada (carimbou a 2ª vitória depois de ter vencido há 15 dias em Itália na Strade Bianchi) e confirmou também o grande arranque de temporada que está a ser protagonizado pela Sky, equipa que tem apresentado várias soluções para a vitória nas provas em que tem participado quer pelo polaco, quer por homens como Geraint Thomas, Ian Stannard ou o seu sprinter Elia Viviani.
Continuar a ler “Supresa na Milão – San Remo”