Rúben Neves: uma venda que rendeu 20 mendilhões

Ao contrário do que aqui escrevi a propósito da transferência de André Silva para o AC Milan, tenciono discutir o valor da transferência de Rúben Neves bem como o seu potencial. Na minha modesta opinião, acho que o valor da transferência é elevadíssimo para o mediano potencial futuro que Rúben Neves apresenta. Quero entrar portanto por caminhos sinuosos que levam, invariavelmente, a discussões apaixonadas.

É preciso dizê-lo com franqueza e abertura: Continuar a ler “Rúben Neves: uma venda que rendeu 20 mendilhões”

Foi vendido, está no banco!

Durante o último ano, Fernando Santos testou em vários jogos (oficiais e amigáveis) o seu sistema de 2 avançados com Cristiano Ronaldo e André Silva. O jogador do AC Milan provou em diversos jogos que a sua presença na área dá um duplo benefício ao jogo da selecção: para além de se constituir como uma mortífera referência de área quando a equipa opta por tentar chegar à área através de cruzamentos (7 golos em 8 internacionalizações), o avançado do Milan beneficia o “jogo particular” de Ronaldo com as suas movimentações. Ao arrastar um ou até mesmo os  dois centrais adversários com as suas movimentações, o jogador cria o espaço necessário para Ronaldo entrar em zona de finalização à vontade, sem oposição, como tanto gosta.

Contra o México, André Silva começará a partida no banco. O que é que mudou em poucos dias nas ideias do seleccionador nacional? Ah, já percebemos. Foi vendido. Jorge Mendes já recebeu a sua comissãozinha de 10% do valor da transferência. O jogador já não precisa de ser valorizado na Taça das Confederações. E isso reforça novamente a ideia que se tem vindo a acentuar nos últimos anos no que respeita à influência de Jorge Mendes nas selecções nacionais.

Uma excelente venda

Não quero debater de forma alguma a comissão gigantesca que Jorge Mendes irá obter por parte do seu novo parceiro financeiro. Sabemos que ao certo, André Silva poderá render entre 28 a 30 milhões directos para os cofres do necessitado FC Porto. Poderá estar afastada a hipótese do FC Porto não vir a participar nas competições europeias nos próximos anos, cenário que poderia ser uma profunda machadada no futuro do clube portista. Não discuto o potencial (presente e futuro) do jogador porque é enorme. Não discuto o clube para o qual foi vendido o jogador porque parece-me claro que o destino foi uma imposição do seu empresário. Nem discuto a verba porque creio que os 38 milhões pagos pelo jogador equivalem ao percurso que foi feito, ao seu potencial no presente e ao seu potencial futuro.

Contudo não posso deixar de tecer um breve comentário relativo à regressão que foi trilhada com o jogador por Nuno Espírito Santo na temporada que agora finda. Podemos valorizar ainda mais a venda se ponderarmos que Nuno Espírito Santo desistiu da evolução do jogador a meio da temporada, por motivos técnicos e tácticos. As mudanças tácticas “desenhadas” aquando da chegada de Soares (o bizarro 4x4x2 sem referência de área, obrigando André Silva a ter que jogar muito longe do seu habitat natural), a obsessão pelo equilíbrio defensivo e a própria preferência do treinador pelas características do brasileiro, moldando de certa forma a equipa às suas características, não ajudaram em nada à evolução natural de André Silva. Estes são os factores que naturalmente explicam a sua queda de rendimento na 2ª metade da temporada. Senti que em muitos jogos, o jogador andava completamente confuso, estranhando as funções (de exterior à área) que lhe foram incutidas pelo treinador. Nesta valorização não está preso um único fio de cabelo do antigo treinador dos dragões. Arrisco-me até a dizer que o treinador fez o possível e o impossível para desvalorizar o jogador.

Antes de questionar quem quer que seja

Eu sei, até porque é uma opinião mais ou menos generalizada em Portugal, que muita gente sente um profundo asco em relação à valorização mediática que é feita pelos jornais desportivos portugueses com os jogadores do Benfica e\ou com os activos da carteira de Jorge Mendes. Para quem não conhece o esquema vigente entre o empresários e os jornalistas de várias publicações nacionais, poderá compreendê-lo através da leitura deste post aqui publicado. Ficámos todos de certa maneira enojados com a pequena nota de destaque que lamentavelmente foi feita pelo relatador da RTP quando o jovem José Gomes foi bater a sua grande penalidade, mas, se existiam dúvidas sobre o aqui escrevi, essas dúvidas ficaram dissipadas.

No entanto, creio que antes de poderem vir a assacar responsabilidades aos jovens que tremeram da marca dos onze metros na discussão das meias contra a selecção uruguaia, porque o erro nestas idades e nestes ambientes deve ser considerado como algo absolutamente normal e indispensável ao crescimento destes atletas, todos devemos questionar dois ou três aspectos muito simples: o primeiro é, sem dúvida, o trabalho realizado pelo seleccionador nacional Emílio Peixe nos últimos anos com este grupo de trabalho, tomando em conta o péssimo futebol praticado por esta selecção nesta competição, futebol onde apenas escaparam ilesos 3 atletas, Diogo Gonçalves, Bruno Xadas e Diogo Dalot. O segundo é muito simples mas muito óbvio: porque é que a Federação Portuguesa de Futebol continua a conceder espaço nas selecções a antigos jogadores internacionais sem provas dadas no mundo do treino de escalões jovens de formação? Poderemos conquistar regularmente troféus internacionais com este tipo de agentes no comando técnico das selecções ou deveremos finalmente realizar aquilo que as outras federações realizam quando colocam no comando técnico das suas selecções treinadores consagrados no mundo da formação? A terceira também me parece deveras importante: quais são os critérios que norteiam as convocatórias para as selecções nacionais jovens?

Jorge Mendes pode não mandar mas decide

Ainda há bem pouco tempo, o antigo director desportivo do Valência Roberto Ayala fez umas declarações bastante pertinentes sobre este assunto. Nestas declarações, o antigo futebolista argentino, agente que foi incumbido de ser o director desportivo do clube ché na viragem para a “gerência” do singapurenho Peter Lim, contou-nos o esquema que Jorge Mendes “monta” nos clubes com os quais tem boas relações:

“De repente vi que havia coisas que não estavam bem. Havia um triângulo perigoso entre o dono [Peter Lim], o treinador [Nuno Espírito Santo] e Mendes, o agente. Um triângulo que não ia ajudar o clube. O plano inicial era perfeito: uma secretaria técnica que avaliava todo o mercado à procura do que melhor se adaptava ao clube, o corpo técnico para potencial o jogador e o representante mais hábil do mundo para depois negociar esse produto. Mas não entenderam assim. Compraram com preços altos e eu não podia compartilhar esse tipo de gestão”

Roberto Ayala a 13 de Fevereiro de 2017

Eis o esquema com que Mendes fez escola no futebol mundial. Continuar a ler “Jorge Mendes pode não mandar mas decide”

Jornalismo de sarjeta

A roçar o nível da sarjeta. Ou não viram pura e simplesmente, ou viram aspectos positivos que eu não vi da exibição do jogador. Não podendo afirmar nenhuma das duas, vou só simplesmente concluir que o artigo bem como a pontuação gentilmente oferecida ao jogador pelo referido órgão de comunicação social é parte integrante da mesma estratégia (paga para escrever bem) que lhe tem granjeado todo o hype e que o conseguiu vender pelo preço que foi vendido. Mas este tipo de situação não é nova no jornalismo português.

Denota-se desde há uns meses a esta parte uma estratégia bem montada por parte de alguém para levar os jornais a colocar na berlinda jogadores como Renato Sanches (todas as semanas vemos as notícias que a imprensa portuguesa planta sobre o jogador; quando as procuramos em alguns órgãos de comunicação alemães percebemos que as declarações que são atribuídas a jogadores, treinador e dirigentes do Bayern nunca foram proferidas), João Cancelo (que está a fazer uma época horrível) Bernardo Silva, Hélder Costa, Ivan Cavaleiro, André Silva, André Gomes, Pizzi, Gonçalo Guedes, Nélson Semedo, Ederson, Wallace, Nélson Oliveira, Soares. O que é que todos tem em comum? Sim. Isso. Precisamente. Sim. Está a seguir a linha de raciocínio correcta: todos eles são jogadores da Gestifute de Jorge Mendes. Até o “desaparecido” Fábio Coentrão, jogador que não é tido nem achado (literalmente no bolso de trás das calças de Zidane) tem vindo à baila nos últimos dias porque naturalmente, o Jorginho Mendes ainda precisa de facturar mais umas comissões com a eventual transferência do jogador para outro clube no final da época.

Como Gelson Martins não é um jogador agenciado por Jorge Mendes, de nada lhe valeu a fabulosa assistência de trivela para Cristiano Ronaldo – “comeu” com a mesma nota de um jogador que mal se sabe posicionar em campo e calou.

Já sabia que a Gestifute é uma das principais mecenas do jornalismo português. Contudo, fiquei a saber nos últimos anos que a Gestifute vai patrocinando os jornais desportivos portugueses e espanhóis à medida das suas necessidades. Trata-se de um jornalismo à la carta: ora escreves bem deste agora, ora escreves bem de outro depois e por aí adiante até que sejam todos despachados.

Os “ficheiros” Jorge Mendes

pippo russo

No próximo mês de Abril sairá para as bancas das livrarias em Portugal a primeira edição traduzida do livro do escrito italiano Pippo Russo sobre Jorge Mendes. Este blog irá associar-se ao acto, numa campanha que visa tornar o mundo do futebol um mundo mais ecológico.

Pretendemos portanto com este post lançar uma campanha que visa desmascarar os negócios do super agente que cresceu a vender cassetes de vídeo, cestos de vime, gelados e chapéus de sol. Para o efeito estamos a reunir num acervo todo o tipo de contratos e de recortes de imprensa relacionados com os negócios da Gestifute, da Doyen e de outras empresas e fundos associados ao empresário Português, convidando todos aqueles que possuem conhecimento na matéria de facto para nos enviar (para a conta de email QUINZENASDECARTAS@GMAIL.COM) textos para publicação ou material (minutas contratuais, artigos de imprensa, artigos de opinião) relacionados com as actividades do empresário português.

Para aguçar a curiosidade, transcrevo da obra de Pippo Russo o interessante trecho que fala da ligação de Mendes e do presidente do Benfica Luis Filipe Vieira aos poderosos chineses do Grupo Fosun, grupo que investiu nos últimos anos qualquer coisa como 1500 milhões de euros em Portugal na aquisição total da seguradora Fidelidade, do Grupo Luz Saúde e na aquisição de participações generosas no Millenium BCP e na REN, empresa onde possuem neste momento 5,3% do capital. Essas ligações estão como se pode ler no texto em baixo, intimamente ligadas à compra do Wolverhampton por parte do Grupo Chinês. Recorde-se também que o clube inglês tornou-se recentemente um dos novos clientes dos encarnados com a aquisição directa de Hélder Costa, tendo pelo meio contratado outros dois antigos atletas do Benfica (Sílvio e Ivan Cavaleiro) com recurso aos serviços de Jorge Mendes:

“Il culmine, JM lo ha raggiunto aiutando i cinesi di Fosun a entrare nel calcio inglese, nel Wolverhampton . La sua Gestifute aveva raggiunto un accordo di partnership con Fosun, suggellata da un evento in Cina alla presenza di Florentino Perez e del presidente del Benfica . Fosun è un conglomerato molto potente in Cina, che però negli ultimi anni ha investito tantissimo in Portogallo, comprando svariati asset nel settore della sanità, delle assicurazioni, delle banche. Mendes dialoga con interlocutori a un livello finanziario altissimo. Un altro grande elemento – aggiunge Russo – è quello della propaganda: mediaticamente, JM è un intoccabile, è quasi impossibile sentirne parlare male, a maggior ragione in Portogallo. Che abbia un’innata abilità nel tessere questi legami è oggettivo, sarebbe disonesto non riconoscergli un certo fascino e queste grandi doti senza le quali non sarebbe arrivato là dove si trova, pur sostenendo apertamente che Mendes e personaggi come lui siano il male del calcio ” – Pippo Russo em “M L´Orgia del Potere – Controstoria di Jorge Mendes, il padrone del calcio globale