A corrida de Mbappé para o título merecido de Leonardo Jardim

Kylian Mbappé bem como tantos outros, foram o corolário de uma aposta trilhada pelo português na juventude, quando os sonhos milionários incutidos pela direcção de Dmitry Rybolovlev se finaram. O português conseguiu, a pulso, alterar as novas ideias e estratégias trazidas pelos novos oligarcas para o futebol ao apostar no desenvolvimento de jovens com potencial em detrimento de estratégias que visam dotar as equipas de nomes sonantes contratados e pagos a peso de ouro.

Leonardo Jardim chega finalmente ao topo do futebol europeu. Suspeito que este título não marcará o topo da carreira do treinador português: Jardim provou-se ao longo dos anos como um treinador capaz de vingar, de atingir sucesso em todo o tipo de realidades: desde o clube mais modesto ao milionário Mónaco, o madeirense tornou-se capaz de transformar em ouro toda a matéria prima em que tocou, colocando equipas a jogar um excelente futebol com os recursos possuídos, atingindo sempre óptimos desempenhos e resultados. Creio portanto que o treinador tem todas as capacidades para finalmente dar o salto para um tubarão europeu.

A carreira português no Mónaco realçou-lhe todas as características que um grande treinador deve possuir para o ser. Todas: capacidade metodológica para trabalhar uma equipa de acordo com os seus princípios de jogo, adequação táctica personalizada a todos os adversários sem violar os princípios colectivos construídos, um excelente trabalho na optimização dos pontos fortes de todos os jogadores com quem trabalha, reconhecendo-lhes valor, um excelente trabalho no desenvolvimento de jogadores jovens e um discurso humilde assente no trabalho, sem floreados nem qualquer tipo de showoff. Neste último ponto, é correcto afirmar que ao longo destes anos nunca vimos o treinador perder, em qualquer momento, aquela postura de seriedade de quem, confiante, humilde e pacientemente trabalha para o sucesso e sabe que vai alcançá-lo mais dia menos dia, mostrando outra face diante dos jogadores. 

Este título, tem ainda mais sabor se pensarmos que o treinador português conseguiu inverter o pensamento estratégico dos dirigentes do clube. Quando chegou em 2014 à turma monegasca, adquirida na altura por um excêntrico multimilionário russo, o paradigma oferecido a Leonardo Jardim era efectivamente um paradigma de luxo. As contratações pagas a peso de ouro acabaram por surtir algum efeito a curto prazo com a conquista de uma vaga na Liga dos Campeões mas não conquistaram títulos de maior. Por outro lado, os nomes sonantes levaram o treinador português a exacerbar a sua veia pragmática e excessivamente resultadista, facto completamente antagónico à atitude que o pode içar desde o excelente trabalho desenvolvido pelo Beira-Mar, Braga e Sporting até ao principado do Mónaco. A venda dos nomes sonantes teve um efeito destruidor nos sonhos incutidos quando Jardim assinou pelo Mónaco, levando o treinador português a inverter a estratégia seguida pelo clube quando decidiu, em conjunto com o director desportivo Antonio Cordon, convencer a direcção monegasca a voltar a desenvolver a estratégia que tantos triunfos deu no passado ao clube do principado: uma aposta vincada na formação e no desenvolvimento de jovens talentos.

Este foi portanto o fruto dessa aposta, libertando o treinador português das amarras do pragmatismo para uma maior liberdade criativa. Essa liberdade criativa permitiu-lhe construir a equipa que hoje foi campeã de França, 17 anos depois de uma equipa que curiosamente também tinha um conjunto de jogadores formados ou desenvolvidos no clube como David Trezeguet, Phillipe Christanval, Julian Rodriguez, Tony Sylva (formados) ou Ludovic Giuly, Dado Prso, Fabien Barthez, Rafa Marquez, John Arne Riise e Willy Sagnol (desenvolvidos).

Análise: Juventus 2-1 Mónaco – Mais uma lição de bom futebol

Splendido! Suntuoso! Perfetto lavoro! A Juventus chega pela 2ª vez nas últimas 3 temporadas à final da Champions, carimbando a maravilhosa exibição no Stade Louis II com uma excelente primeira parte no Juventus Stadium. O Millenium de Cardiff será o palco onde os bianconeri jogarão novamente os sonhos de uma década.

A vitória da Juve nesta eliminatória, frente um Mónaco que ficou aquém das expectativas que foram naturalmente depositadas em função dos resultados que a turma de Leonardo Jardim acumulou nas anteriores eliminatórias, alicerçou-se essencialmente em factores: comportamento defensivo, rigor táctico e uma ampla capacidade de fazer a diferença no ataque através do “ataque posicional” (os jogadores aparecerem nas posições em que devem estar) nas saídas rápidas para o contra-ataque.
Continuar a ler “Análise: Juventus 2-1 Mónaco – Mais uma lição de bom futebol”

Hoje Escreves tu #13 – Como avaliar a era Jesus, Mestre da Táctica, no Sporting? – 1ª parte

Por Miguel Condessa

Pontos prévios para perceberem onde me situo e onde situo o meu clube de coração para fazer esta análise:

  • O Sporting, dado o seu passado recente, chegou às mãos do Bruno de Carvalho (BdC) numa situação muito fragilizada em relação aos seus rivais, quer em termos de activos que possuía, quer em termos monetários/económicos, quer em termos de organização, quer do clube, quer da SAD, quer em termos de poder no desporto em Portugal! Estaria muito mais próximo do que é a realidade do Sporting de Braga do que seriam, e são, as realidades do Porto e, especialmente, do Benfica que nessa altura já dominava em quase todas as vertentes.
  • Não sou um admirador incondicional do Jesus. Reconheço-lhe mérito técnico-táctico como treinador, acho-o um bom treinador de campo, que lê bem os jogos, mas também lhe reconheço grandes deficiências noutras valias fundamentais a um treinador que, em conjunto com as primeiras, acabam por fazer o treinador no seu todo. Além disso acho-o uma pessoa muito limitada. É muito centrada no seu Ego, raramente assumindo os erros que comete – que não são tão poucos como isso. No geral acho-o um bom treinador, que poderia ser muito melhor se fosse uma pessoa mais culta e mais equilibrada, com a dose de humildade que normalmente os grandes seres têm – quem é grande, mesmo, nunca precisou de se colocar em bicos dos pés. Não é, nem pouco mais ou menos, o que pintam dele, e muito menos o que ele pensa de si próprio.
  • Jesus, no geral, é um treinador no mesmo patamar de um Vilas Boas, de um Marco Silva, de um Rui Vitória, de um Paulo Fonseca, de um Vitor Pereira, e até há pouco tempo até do Jardim, que esta época demonstrou que já está num patamar superior, mais próximo do Mourinho! Terá umas características melhores, outras piores, como todos. E, para mim, é a soma disso tudo que os coloca a todos num mesmo patamar, mesmo que determinadas características possam indicar um mais que os outros para determinado momento num determinado clube.
  • Diminuir esse fosso gigante requeria um trabalho monstruoso de reorganização a todos os níveis e uma elevada percentagem de acerto, quase a roçar o 100%, nas tomadas de decisão necessárias. No que ao futebol diz respeito, que é basicamente o que interessa para aqui, requeria uma acertada remodelação do futebol, a dispensa acertada do entulho que por lá havia e a contratação cirúrgica e acertada de novos jogadores, gastando pouco e bem, ao mesmo tempo se fazia um esforço para manter os bons jogadores que já tínhamos. Continuar a ler “Hoje Escreves tu #13 – Como avaliar a era Jesus, Mestre da Táctica, no Sporting? – 1ª parte”

Análise: Mónaco 0-2 Juventus – Um trio mortífero!

O topo do cinismo ou o topo da inteligência na gestão de um jogo? Esta é a pergunta de partida que deixo no início desta crónica para que os leitores possam reflectir sobre o que se passou no jogo desta noite no Estádio Louis II. Uns dirão que a Juventus foi uma equipa cínica que viveu no erro do adversário, aproveitando os erros adversários para criar as jogadas de perigo que a turma italiana criou na partida. Outros dirão que os piemontesi foram muito inteligentes na forma em como abordaram todos os contextos que o jogo ditou. Nenhuma das “correntes de opinião” está totalmente errada mas também não explica 100% o desfecho final da partida. Temos obrigatoriamente que juntar ao cinismo e à inteligência\eficácia táctica defensiva dos bianconeri, o receio acumulado pelo Mónaco desde o início da partida e a subtil mudança que Leonardo Jardim protagonizou à identidade de jogo da equipa.  Continuar a ler “Análise: Mónaco 0-2 Juventus – Um trio mortífero!”

Golos do dia

O primeiro destaque vai obviamente para a jogada do golo do internacional croata (ex-Nacional da Madeira) Duje Cop na derrota do Sporting de Gijón (fizeram das tripas coração para sacar o empate ao Real de maneira a poderem continuar a lutar pela sobrevivência no primeiro escalão) por 3-2 frente ao Real Madrid. A assistência do basco Mikel Vesga para o internacional croata é simplesmente um hino ao futebol pela criatividade, inteligência, técnica e visão de jogo demonstrada pelo médio de 24 anos. Não é todos os dias que vemos um jogador de uma equipa que está “aflita” a assistir um colega para golo com uma chapeleta deste calibre por cima da defesa de uma equipa como o Real Madrid, ainda para mais com uma colocação de bola exímia para a chamada “zona da morte” do guarda-redes, ou seja, para a zona em que este ou é muito rápido a sair dos postes para conseguir socar ou agarrar, ou ficará a ver a bola passar a meio do caminho. A colocação da bola foi portanto completamente intencional. Genialidade no seu esplendor!

Os grandes pontas-de-lança aparecem sempre no tempo correcto, nos espaços certos e nos momentos em que a equipa mais precisa de toda a sua veia goleadora! Radamel Falcao já leva 26 golos e 6 assistências na presente temporada, temporada que começa a ganhar contornos épicos comparáveis “aos tempos de glória” de El Tigre no Porto e no Atlético de Madrid. Muitos (eu, inclusive) consideraram aquando da passagem do colombiano pela Premier que El Tigre estava acabado e que o melhor para a sua carreira seria “emigrar” para os milhões da América, a liga destinada aos milionários veteranos que ainda querem dar uma perninha enquanto colocam os seus rendimentos “ao fresco”. Enganei-me redondamente. E é por isso que no momento em que está tão próximo de poder vir a conquistar os títulos mais importantes da sua carreira, Leonardo Jardim não abdica dos préstimos da pérola cafetera. A diferença entre ter um bom ponta-de-lança e não o ter é esta: em 20 minutos tudo pode mudar quando se tem em campo um rato de área que procura e fareja através da pressão o erro do adversário, um jogador quer marcar e assistir para ajudar a equipa a ultrapassar um obstáculo difícil e um jogador que só precisou de dois tiros para fazer cair o melro.

El Tigre Radamel Falcao é efectivamente um jogador especial nos nossos corações!

Tudo é possível para o Mónaco de Leonardo Jardim?

Repetir exibições na Champions? Muitos dizem que dois jogos, ainda para mais a este nível, raramente são iguais. Repetir exibições numa fase final da Champions? Muitos dizem que é muito improvável senão mesmo impossível! Repetir 3 exibições tiradas a papel químico contra adversários como o Manchester City e Borussia de Dortmund, 2 delas a jogar na casa do adversário? Sim, o Mónaco de Leonardo Jardim tem a resposta: Oui, nous pouvons! Yes, we can! Querer é poder e eu começo a desconfiar que pela tranquilidade que esta equipa têm apresentado, pela concentração, pela personalização de todas as unidades (todos os jogadores do Mónaco sabem perfeitamente qual é o seu papel em campo), pela qualidade de jogo e pela bem armada estratégia face a todos os contextos de jogo, os monegascos desejam ardentemente jogar a final de Cardiff! E merecem-na jogar por toda a insolência que tem demonstrado na casa dos tubarões do futebol europeu!

Continuar a ler “Tudo é possível para o Mónaco de Leonardo Jardim?”

O Manchester City foi ao Mónaco passar umas férias e esqueceu-se dos quartos.

Resumidamente. O golo de Leroy Sané ainda disfarçou a passividade, a atitude desleixada e a falta de capacidade que a equipa demonstrou ao longo de 90% da partida e ao longo de 70% da eliminatória. O resto, bem, o resto foi uma lição de humildade e luta aplicada por uma equipa muito bem montada e muito bem organizada como é apanágio das equipas de Leonardo Jardim. O português e o principado do Mónaco estão de parabéns: o seu clube volta, 13 anos depois, ao convívio dos grandes da Europa e pode não ficar por aqui a viagem dos monegascos se a atitude competitiva demonstrada nesta eliminatória se prolongar nos quartos-de-final.

Ao contrário do que eu previa, o Manchester City não se apresentou de acordo com a identidade de jogo que sempre acompanhou Pep Guardiola ao longo do seu percurso como treinador. Com as linhas recuadas, ao invés de contrariar a estratégia que foi novamente montada por Leonardo Jardim (pressão altíssima) com linhas mais subidas e pressão mais alta, para recuperar a bola em terrenos mais altos e assim aniquilar o ímpeto inicial que era expectável por parte dos monegascos, assistimos a um City muito expectante que se deixou adormecer na sua própria teia. A equipa per si já revela muitas dificuldades a sair a jogar a partir de trás. Mais dificuldades revela quando tem a central um jogador sem rotinas para a posição de central como o é Kolarov e um jogador ineficaz a realizar transições, por clara falta de recursos, como é Fernandinho. Os monegascos trataram portanto de capitalizar todos os erros que foram cometidos pelos citizens. Aplicando uma pressão altíssima, no qual sobressaiu o posicionamento exímio das duas linhas (sempre muito próximas; sempre a dar “no osso” do adversário) e um jogador (Bakayoko; foi para mim o Homem do Jogo pela forma abnegada com que pressionou, correu, recuperou bolas, iniciou transições; enfim, encheu verdadeiramente o meio-campo), os monegascos repetiram a dose que já lhes tinha granjeado uma excelente exibição (pese embora o resultado) no City of Manchester.

Continuar a ler “O Manchester City foi ao Mónaco passar umas férias e esqueceu-se dos quartos.”