O Rei Midas voltou

É inacreditável. Christian Eriksen é uma verdadeira barbaridade de futebol nos pés. Observe-se o comportamento do internacional inglês (Marco Dele Alli) assim que a bola chega aos pés do dinamarquês “na sua carreira de cruzamento” – O médio ofensivo sabe com precisão o espaço para o qual deve entrar e sabe que o médio dinamarquês vai lá colocar a bola (numa zona de morte para o guarda-redes; ou é rápido a sair ou corre o risco de ficar a meio da viagem).

Se me dessem a escolher um reforço para o meio-campo da minha equipa sem olhar a custos, escolhia o dinamarquês do Tottenham. A sua objectividade é por demais incrível. Os recursos técnicos que possui e a inteligência com que cria as suas próprias situações, tornam o futebol tão simples e tão eficaz.

A magia de Sadio Mane

Da instável prestação do Liverpool frente ao Watford de Marco Silva. Contra o atrevido Watford de Marco Silva, a formação de Jurgen Klopp cometeu falhas defensivas que são, no meu entender, imperdoáveis para uma equipa que tem a ambição vir a imiscuir-se na luta pelo título. Os 3 golos da formação do noroeste de Londres resultaram de 3 patices defensivas pegadas (no primeiro golo, golo obtido na sequência de um pontapé de canto, à falha de marcação juntou-se a inépcia na desactivação do bloqueio que foi feito a Simon Mignolet; o 2º golo resulta de uma clara falha posicional da defensiva dos reds no lance do 3º golo, a formação de Klopp voltou a falhar na abordagem aos pontapés de canto adversário, ao não colocar nenhum jogador ao primeiro poste; como os Hornets já tinham vindo a bater cantos para o primeiro poste, justificava-se ali a presença de um jogador para poder atacar imediatamente a bola) e, a verdade é que o Liverpool não conseguiu matar o jogo nas oportunidades flagrantes que dispôs nos minutos subsequentes à obtenção do 3º golo.

Sadio Mane fez um vistão no lance do primeiro golo. O médio ofensivo pode realçar mais uma vez toda a sua fantasia, inteligência e capacidade de finalização. A acção foi deliciosa. Com dois adversários na ilharga, o médio sabia que ao passar para Moreno iria obrigar os dois adversários a ter que saltar na pressão para tentar roubar a bola ao lateral. A correcta presunção permitiu-lhe entrar no espaço livre, onde pode dar a entender que iria receber a bola para eventualmente tentar entrar na área em drible. Com a simulação, o médio senegalês imobilizou literalmente dois jogadores e só teve que entrar concedido pelos adversário para voltar a receber a bola com todos os royalties para finalizar.

Um prémio mais que merecido para NGolo Kanté

O médio francês foi eleito o melhor jogador da temporada da Premier League pela Professional Footballers Association, o sindicato dos jogadores profissionais de futebol de Inglaterra. E foi, muito sinceramente bem eleito!

O trinco está a fazer uma temporada formidável e na minha humilde opinião, está cada vez mais parecido com Claude Makélele, personificando em parte a posição que José Mourinho “inventou” para aquele médio francês no 4x4x2 da sua primeira passagem pelo Chelsea.

Continuar a ler “Um prémio mais que merecido para NGolo Kanté”