Messi gelou o Bernabéu e reabriu a luta pela Liga Espanhola

Recebeu, fintou, criou o desequilíbrio a meio-campo, deu a progressão a André Gomes (hala!), Jordi Alba assistiu e La Pulga apareceu precisamente onde gosta de finalizar para enviar a bola para o canto inferior esquerdo da baliza de Keylor Navas. Vez, outra vez, na última jogada do encontro, ao 2º minuto de compensação dado por Hernandez Hernandez, o argentino decidiu o superclássico, chegando ao seu golo 500 com a camisola blaugrana. Com um toque de classe e de clara superioridade moral perante um silencioso Bernabeu (que gélido balde de água que foi despejado naquele minuto final) o argentino foi à linha de fundo, tirou a camisola e exibiu-a ao público madrileno para que nunca se esqueçam dele. Apesar do facto do Real Madrid ainda ter um jogo em atraso para cumprir frente ao Celta de Vigo (uma das equipas em melhor forma no futebol de nuestros hermanos) com o golpe de teatro perpetrado, o argentino salvou o Barça do abismo, espantou alguns dos fantasmas que tem vindo a atormentar a equipa nas últimas semanas e devolveu a equipa à luta pelo título.

Continuar a ler “Messi gelou o Bernabéu e reabriu a luta pela Liga Espanhola”

Anúncios

Duas Dy(bala) e a noite em que Juventus roçou a perfeição táctica

Eximia. Soperba. Meravigliosa. Magistrale! Mostra solo alla portata dei migliori! A Vecchia Signora está a jogar as fichinhas todas na conquista desta Champions. Aceita-se uma “remontada” contra um PSG que esteve muito bem no jogo da primeira mão. Ingenuidade será alguém acreditar numa remontada do Barça depois da perfeita exibição a todos os níveis que foi realizada pela equipa italiana no Juventus Stadium Se essa reviravolta na eliminatória acontecer e se der nos moldes em que se deu a “remontada” louca contra o PSG, o futebol estará para sempre enviesado por factores anormais. A acontecer será o suficiente para que não queira saber desta competição nos próximos anos.

O que é se que pode fazer em Turim a esta hora da noite?

O músico austríaco Marcel Fureder, conhecido no meio musical como Parov Stellar, deu um dia a dica: relaxar ao som de um belíssimo sopro de saxofone, fechar os golos, e acreditar que esta Juve tem tudo para voltar a recuperar o ceptro do futebol europeu.
Continuar a ler “Duas Dy(bala) e a noite em que Juventus roçou a perfeição táctica”