1, 2,3 – O Cavalinho voltou a vencer outra vez!

Fazendo jus à letra da cantiga de intervenção uma vez escrita e interpretada pelo génio de João Mário Branco, o eslovaco bicampeão mundial Peter Sagan “veio de longe, de muito longe” para escrever, em Bergen, mais uma bonita página de história no seu percurso, no percurso da modalidade no seu país e nos próprios anais da história da modalidade, tornando-se em solo norueguês o primeiro ciclista de sempre a conquistar por 3 ocasiões consecutivas a camisola do arco-íris. O ciclista eslovaco gosta tanto da camisola que não a quer largar por nada. A correr em casa, frente ao seu público, Alexander Kristoff tentou, até à última pedalada, conquistar o direito de usar a camisola que Sagan transporta no corpo desde Setembro de 2015, altura em que conquistou pela primeira vez a prova nos mundiais de Edmonton. Por uma roda se ganha, por uma roda se perde. O ciclismo é cheia de injustas fatalidades. O norueguês teve que se contentar com a prata (a 2ª do seu país; Thor Hushovd continua a ser o único corredor norueguês a ostentar a conquista de uma medalha de ouro) de uma corrida que foi bastante animadas nas voltas finais ao circuito fechado onde se desenrolaram 4\5 do percurso desenhado pela organização presidida precisamente por Hushovd. Continuar a ler “1, 2,3 – O Cavalinho voltou a vencer outra vez!”

Anúncios

Vuelta – 3ª etapa – Vincenzo Nibali vence na primeira grande selecção de candidatos

No principado de Andorra, à 3ª etapa, as contas saíram furadas a Christopher Froome, apesar do ciclista britânico ter ascendido à liderança da geral. Sinto-me um bocado frustrado por não ter escrito no primeiro post de antevisão um pressentimento que tive quando pude avaliar pela primeira vez o seu perfil: era óbvia a possibilidade do inglês vir a atacar a subida para o Alto De La Cornella para começar a “desenrolar” a clássica estratégia de domínio da Sky. Com uma etapa tão dura logo no 3º dia, a presença da Sky na frente da corrida nos seus momentos decisivos (a ascensão a La Rabassa, a ascensão ao alto de Cornellá) acusava uma estratégia tão clara como a água: o inglês iria atacar na subida final para tentar cumprir 2 objectivos: chegar à liderança da prova, de preferência com alguma vantagem (pelo menos 30 segundos) para os seus principais adversários para poder colocar a sua equipa na frente a controlar a corrida.

Os planos do ciclista inglês (e da formação britânica) acabaram por ser contrariados por 6 homens. A saber:

  • Esteban Chavez, no momento em que o inglês lançou um ataque mortífero.
  • Romain Bardet e Fabio Aru – ambos decidiram não ir ao choque quando o inglês atacou, preferindo aproveitar a descida para recolar.
  • Tejay Van Garderen e Nicholas Roche – Se os 2 BMC não tivessem executado um excelente trabalho na descida, Vincenzo Nibali não teria chegado à frente em condições de disputar a vitória na etapa.
  • Vincenzo Nibali – o italiano valeu-se do facto de ser o melhor finalizador de todos os ciclistas no grupo para voltar a ganhar tempo a todos os rivais.

Continuar a ler “Vuelta – 3ª etapa – Vincenzo Nibali vence na primeira grande selecção de candidatos”

Volta à Suíça – Etapa 7 – Simon Spilak: o imprevisível ciclista dos 1000 momentos de forma

O dia em que a imprevisibilidade do ciclismo de Simon Spilak veio ao de cima. Ainda anteontem, o chefe-de-fila da Katusha, vencedor da edição de 2015 da Volta à Suíça sofria a bom sofrer para conseguir resistir no grupo dos favoritos na subida para La Punt. As dificuldades sentidas pelo ciclista eslovaco numa etapa em que até acabou por ser muito feliz, se tomarmos em conta que não perdeu tempo de maior para todos os adversários directos na luta pela geral, contrastaram com o vigor com que ganhou a etapa de ontem num dia em que Katusha detonou toda a concorrência na subida que finalizou a etapa.

O manhoso Spilak, ciclista cuja qualidade na montanha é indiscutível, voltou a apresentar-se numa das suas 1000 formas. A sua imprevisibilidade é provavelmente uma das suas maiores qualidades e ao mesmo tempo um dos seus maiores defeitos. Ao longo de anos nunca percebemos bem do que é que o ciclista eslovaco é capaz. Sabemos que é um dos melhores corredores de 1 semana do panorama velocipédico actual pelo número de conquistas e feitos que já alcançou neste departamento peculiar de competições (duas vitórias, uma na Volta à Romândia e outra na Voltas à Suíça; vários top5 na Volta à Eslovénia, nos 3 dias de Panne, no Paris-Nice, na Volta à Andaluzia, na Volta à Romândia e na Volta ao País Basco).  Continuar a ler “Volta à Suíça – Etapa 7 – Simon Spilak: o imprevisível ciclista dos 1000 momentos de forma”

Volta à Suíça – Etapa 6 – Pozzo confirma o seu actual momento de forma na intempérie de La Punt

Com um fantástico ataque nos km´s finais da extensa e exigente subida para a estância de ski de La Punt, o italiano da AG2R pode obter a diferença que lhe permitiu conquistar a vitória na 6ª etapa da prova suíça e chegar à liderança da prova. Numa etapa de montanha que voltou a ser marcada por vários ataques e contra-ataques dos contenders, Rui Costa conseguiu realizar uma extraordinária corrida que lhe permitiu coleccionar mais um 2º lugar na presente temporada. Não obstante o facto de ter falhado novamente a vitória de etapa, o português pode angariar alguns segundos preciosos em relação aos rivais que lhe permitiram reentrar na luta pela vitória final.

Continuar a ler “Volta à Suíça – Etapa 6 – Pozzo confirma o seu actual momento de forma na intempérie de La Punt”

Volta à Catalunha – O “comeback” de Alejandro Valverde

Após a vitória ao sprint por parte de Nacer Bouhanni na etapa 4, a Volta à Catalunha voltou aos terrenos inclinados daquela região espanhola na etapa 5. Numa etapa com o final marcado para uma chegada em alto em Lo Port (subida que foi aposta da organização da prova pela 3ª vez) aqueles que puderam ver a subida final puderam finalmente ter direito ao espectáculo depois do fim algo tristonho (muito calculista, na verdade) apresentado pelos favoritos à vitória na geral na chegada ao alto de La Molina na etapa 3. Alejandro Valverde voltou a confirmar que estava com vontade de recuperar o minuto que perdeu no contra-relógio colectivo na 2ª etapa da prova devido à controversa mas justa decisão da UCI motivada pelo impulso de Rojas a um companheiro de equipa da Movistar. O espanhol voltou a confirmar o excelente início de temporada que está a realizar (5 vitórias em 13 dias de competição) e continua justamente a ser o rei das Voltas de 1 semana. Os anos realmente não passam por este portento que pecou apenas em não ter vencido o seu maior objectivo de carreira: o Tour. A prova francesa será efectivamente o maior fracasso da carreira de um ciclista que ficará no passeio da glória do ciclismo.

A etapa não revelaria contudo uma Movistar ao ataque, antes pelo contrário. Na ascensão final, a equipa comandada por Eusébio Unzué entregou o esforço de corrida à Sky de Chris Froome (o inglês caiu nos primeiros quilómetros da etapa; apesar de não ter tido dificuldades para se recolocar no pelotão, a queda chegou a assustar os responsáveis da equipa inglesa) e à Trek de Alberto Contador. Não se tratou de uma decisão por falta de unidades porque Valverde acabou por ter os seus dois gregários de luxo em acção. Tanto Ruben Fernandez como Marc Soler (abençoado com uma presença no pódio da prova durante o dia de hoje) apareceram para ajudar o seu líder a alcançar os seus objectivos quando ele mais precisou. A retracção da Movistar deveu-se simplesmente a uma opção táctica. O risco assumido em não endurecer a corrida, corrida que acabou por ser endurecida com muita voracidade por Mikel Landa (Sky) e por Bauke Mollema (Trek) acabou por resultar para o lado de Valverde. O espanhol guardou todas as suas energias para ir ao choque quando Alberto Contador tentou dar um golpe final na corrida (partida por Bauke Mollema; o trabalho do holandês arrumou com grande parte dos trepadores presentes no grupo da frente; Tejay Van Garderen ficou sem resposta possível, acabando por perder tempo que lhe custaria a liderança da prova no final da etapa), acabando por sobressair novamente a sua poderosa ponta final para bater o seu compatriota da Trek.

Continuar a ler “Volta à Catalunha – O “comeback” de Alejandro Valverde”