Binckbank Tour – Etapas 3 e 4 –

O suspense na chegada a Ardooie. Os derradeiros 15 km da 3ª etapa foram de verdadeira adrenalina. A cada viragem, o perigo espreitou e o nervosismo instalou-se no pelotão. A mistura explosiva fabricada pelas acentuadas viragens, pelo estreitamento da via em alguns sectores da parte final, pelo terrível s colocado a 1,5 km da metade e pelos pequenos aguaceiros que se fizeram sentir na parte final, levaram as equipas a puxar a adoptar aquela postura irracional que normalmente nunca dá bons resultados. A queda de 4 corredores no referido s (sem consequências de maior para a integridade física dos atletas em causa) foi um mal menor. Assim que vi a primeira passagem pela meta pensei que a coisa poderia redundar numa queda colectiva de proporções dramáticas. Este tipo de chegadas trazem espectacularidade à prova, porque obrigam as equipas a lutar, metro a metro, pela dianteira do pelotão, mas por outro lado, contém uma alta percentagem de risco. Continuar a ler “Binckbank Tour – Etapas 3 e 4 –”

Binckbank Tour – Etapa 2 – Stefan Kung vence o crono de Voorburg

No 2º dia da prova, a organização decidiu conceder palco aos grandes roladores presentes no evento. Num pequeno crono de 9 km disputado sob chuva, adversidade que naturalmente obrigou os alguns ciclistas a executar as viragens com alguma cautela, a distância em si, era suficiente longa para afastar da discussão da etapa alguns sprinters que possuem valências na especialidade do prólogo como é o caso de Marcel Kittel.

Stefan Kung confirmou novamente as suas credenciais enquanto contra-relogista. O ciclista suíço da BMC tem vindo ao longo dos últimos meses a emergir como um dos maiores talentos nesta especialidade particular do ciclismo. A realizar uma temporada quase perfeita, o maduro ciclista de 23 anos, atleta que faz lembrar os primeiros anos da carreira de Fabian Cancellara (à semelhança de Cancellara, Kung também é um bom finalizador de etapas; não me causará espanto a possibilidade futura de vir a tornar-se um bom puncheur), obteve na Holanda a sua 5ª vitória da temporada, depois de já ter vencido uma etapa na Volta à Romândia e de se ter sagrado recentemente campeão suíço de contra-relógio. Ao derrotar dois dos grandes nomes do contra-relógio mundial (Maciej Bodnar, Tom Dumoulin, Jos Van Emden, Alex Downsett, Mathias Brandle), o suíço pode arrebatar a liderança da prova. O anterior líder da prova, Peter Sagan, portou-se muito bem ao atingir um bom tempo que o classificou na 18ª posição a 25 segundos de Kung.

Os grandes vencedores do dia acabaram por ser Tom Dumoulin (3º a 5 segundos), o seu compatriota Lars Boom (Lotto-Jumbo-NL; 5º a 10 segundos) e o belga Tim Wellens da Lotto-Soudal (9º a 17 segundos). Com magníficos tempos, os 3 ciclistas afiguraram-se como os principais favoritos à vitória na geral individual da prova, se atentarmos à exigência das etapas que se seguem na prova. Ao longo dos próximos dias teremos algumas etapas de colinas. Bastará por exemplo ver o traçado da 5ª etapa, tirada que será corrida na inclinada região de Sittard.

sittard

A receita para um grande sprint

Vale a pena perder 2:45m das nossas vidas a observar este brilhante vídeo editado pela Eurosport. Neste vídeo podem ver com clareza todos os pormenores que diariamente abordo sobre um sprint. Os comboios, o acto de lançamento, a poupança de energia por parte do sprinter, a colocação no acto de lançamento, o “aproveitamento de determinadas rodas” por parte dos sprinters que não possuem um bom trabalho de equipa.

Tour de France – 11ª etapa – Kittel meteu a 5ª na chegada a Pau

Kittel foi mais uma vez, o rei desta porra toda! O sprinter alemão tinha deixado o aviso quando foi “auscultado” pelos jornalistas minutos antes da etapa partir para a estrada: “Eu estou a sentir-me bastante bem. Estou relaxado porque já consegui cumprir todos os objectivos a que me propus na prova. Já ganhei 4 etapas e sinto que tenho capacidades para vencer outra” – não podemos ignorar o estado de graça mental e emocional pelo qual está a passar o ciclista germânico em virtude das 4 vitórias alcançadas nas 6 que foram até agora disputadas em sprint massivo.

Enquanto o alemão está super confiante (tem motivos para isso porque está efectivamente num momento de forma gigante, momento de forma que lhe permite ter a capacidade de saltar de qualquer posição no sprint final sem precisar do “indispensável” comboio de lançamento) os adversários estão, por outro lado, com os níveis de confiança em baixo, sentindo-se de certa forma (nota-se a milhas se atentarmos ao que tem dito John Degenkolb ao longo dos dias) impotentes para travar a sua caminhada por mais esforços que coloquem e\ou que as suas equipas coloquem durante ou no final das etapas. Podemos sempre colocar algumas interrogações em relação a estas conquistas do alemão, se considerarmos que 3 dos principais rivais do alemão já estão fora da prova francesa: teria o alemão vencido tantas etapas se não tivesse existido o episódio entre Peter Sagan e Mark Cavendish? Teria o alemão vencido estas duas últimas etapas se Arnaud Demare não tivesse sido desqualificado na 9ª etapa? Estes pontos de interrogação e debate são e serão sempre válidos se considerarmos que tanto o eslovaco como Demare bateram o alemão nas únicas etapas (disputadas em sprint massivo) que este logrou arrematar! O ciclista inglês da Dimension Data também indiciava estar num belo momento de forma.  Continuar a ler “Tour de France – 11ª etapa – Kittel meteu a 5ª na chegada a Pau”

Tour de France – 10ª etapa – Marcel Kittel nas alturas

E paz na terra entre os sprinters! Viva Deutschland! Permitam-me o indispensável momento musical de fiesta mexicana, promovido pelo grande Marcel Kittel da música alemã.

O sprinter germânico da Quickstep é o verdadeiro penetra das festas encomendadas por outros. Trocando por miúdos: o pessoal da Lotto de André Greipel e da Katusha de Alexander Kristoff tenta, como tem efectivamente tentado nas últimas etapas, encomendar uma festa para os seus afilhados. Aceleram bem nos últimos 30 km para varrer os ciclistas em fuga que rodam na frente. Preparam na perfeição os seus comboios para atacar os lançamentos nos quilómetros finais. Brigam pelos rebuçados que caem das pinãtas, ou como quem diz, andam ali quilómetros a lutar pela dianteira do pelotão para poderem ter o prazer de posicionar e lançar bem os seus sprinters. De um momento para o outro, sem o ninguém chamar, à boleia daquele que tiver com mais energia (Fábio Sabatini, Matteo Trentin) para o tentar posicionar (dentro dos 10 primeiros; nunca nas primeiras 5 posições) aparece o penetra Marcel Kittel. Num ápice, o Kaiser da Turíngia, não só consegue entrar na festa como rouba todos os presentes aos aniversariantes. Danke Schon und aufwiedersehen! Morgen mehr!

Continuar a ler “Tour de France – 10ª etapa – Marcel Kittel nas alturas”

Tour de France – 6ª etapa – Marcel Kittel bisa na chegada a Troyes

Imagens do último km\sprint final

A prova nos 20 km finais (o vídeo foi interrompido quando faltavam 3 km para a meta).

Em Troyes, o alemão Marcel Kittel voltou a soltar um dos seus sonoros “Ja” – Prima! Wunderbar! Natürlich Kittel! No primeiro sprint da prova sem a presença de Peter Sagan e Mark Cavendish, o ciclista germânico da equipa belga Quickstep levou a melhor sobre os seus rivais na luta pela camisola verde. Vindo de trás, do nada, o alemão realizou uma ponta final fortíssima. Arnaud Demate (FDJ), Andre Greipel (Lotto-Soudal) e Alexander Kristoff (Katusha) tiveram que se contentar, respectivamente, com as posições entre o 2º e o 4º lugar!

Continuar a ler “Tour de France – 6ª etapa – Marcel Kittel bisa na chegada a Troyes”

Tour de France – Etapa 5 – Aru aviou por completo as meninas bonitas!

O bombástico ataque realizado pelo italiano a 2,2 km do alto da Planche des Belles Filles merece mais do que um ousado título pornográfico para este post. A pornografia exibida na monumental cadência com que o italiano atacou a meta, merecia ser exibida na primeira página do Brazzers.com, ainda para mais se atendermos ao contexto de extrema dificuldade (para lançar um ataque) que a máquina de guerra da Sky colocou nos 5,8 km finais da árdua subida para o local de chegada da 5ª etapa. O italiano foi simplesmente sensacional! Fábio Aru subiu na bolsa de apostas. Se no final do Criterium Dauphiné afirmei de viva voz aqui neste blog que tanto o italiano como o seu colega Jakob Fuglsang (vencedor da geral individual do Criterium) seriam as principais ameaças com que Porte e Froome teriam que lidar no Tour devido ao excepcional momento de forma apresentado, no final da etapa de hoje acredito piamente que o italiano poderá conseguir vencer este Tour com as diferenças que será passível de realizar na alta montanha da prova.

Continuar a ler “Tour de France – Etapa 5 – Aru aviou por completo as meninas bonitas!”