Assim vai o futebol português quando a simulação ano vira grande penalidade

ou quando uma entrada assassina (susceptível de retirar o jogador de circulação por algum tempo) é punida com um suave, suavezinho cartão amarelo.

Nada me move contra o Académico de Viseu, e muito sinceramente, a Académica não mereceu ganhar a partida porque pratica um futebol tenebroso. À excepção daquela diagonal do Tozé Marreco na jogada construída pelo Marinho e de um lance construído na esquerda na 2ª parte, Ivo Vieira perdeu um ponto (justo) e ganhou aqui muito trabalho com esta equipa se realmente quiser subir de divisão, cenário que será muito difícil mas não impossível. No entanto, pelo que vou ouvindo aqui e ali na cidade, o lobby de pressão do Académico já está construído e envolve “gado grosso”, se é que me entendem. O investimento realizado para esta temporada foi avultado, ainda para mais se considerarmos que o clube não tem “ponta que se lhe pegue ao nível de receitas” se exceptuarmos os patrocinadores (que nem “dão por aí além”) e os próprios bolsos do presidente. Sim, para muitas pessoas envolvidas no clube, a começar pelo próprio presidente do clube, este é o ano do vai ou racha. O ponto de situação ao nível de investimento(s) pessoal(is) no Académico de Viseu já superou qualquer investimento realizado no passado na Académica por Campos Coroa. Sim, já estou a aplicar ao referido valor os respectivos coeficientes de desvalorização da moeda em vigor! Ou se recupera tudo o que se investiu ao longo destes últimos anos com uma subida de divisão, ou acaba tudo como acabou há uns anos atrás: com o clube nos distritais (com outro nome) a ser sustido, por pinças, pelo próprio Presidente da Câmara.

Anúncios

Um título inteiramente justo

Alex Merlim. Sempre Alex Merlim. Sempre que a equipa precisou de um desequilibrador, o italo-brasileiro esteve sempre lá!

14º título. O Sporting conquistou hoje pela 14ª vez o Campeonato Nacional de Futsal. A vitória no 4º jogo em Braga colocou justiça à melhor temporada da história da modalidade em Alvalade. Os comandados de Nuno Dias conquistaram apenas 2 dos 5 títulos que poderiam ter sido conquistados na presente temporada, mas para trás, deixaram um inigualável rasto de bom futsal. Se fizermos apenas uma excepção ao jogo da final da Uefa Futsal Cup (de longe o pior jogo do Sporting na presente temporada) fico com a sensação que a equipa tinha todas as condições para conquistar todos os títulos internos.

Continuar a ler “Um título inteiramente justo”