Os golos do dia (1ª parte)

Começo pela sensacional reviravolta operada pelos Hammers de Slaven Bilic (a imprensa britânica decidiu qualificar esta vitória como um glorioso momento no qual os jogadores londrinos foram buscar engenho e forças ao fundo do poço para resgatar o seu treinador; técnico que estaria certamente por horas em caso de derrota, em virtude dos maus resultados que a equipa tem averbado para a Premier; Bilic rejeitou no entanto a crítica que lhe foi feita pela imprensa em relação ao estado de forma física da equipa) no derby londrino realizado na quarta-feira à noite frente ao Tottenham de Pocchettino em jogo a contar para os oitavos-de-final da Taça da Liga Inglesa.

A coisa não começou manifestamente bem para os Hammers no capítulo da organização da pressão, e da organização defensiva. Nos primeiros minutos da partida Bilic mandou subiu o bloco, colocando a sua defesa apontada na linha divisória do meio-campo, de forma a fazer subir as duas linhas que jogam à sua frente no terreno para pressionar em terrenos adiantados a saída para o jogo do adversário, estratégia que visou sobretudo a prossecução de 3 objectivos muito básicos: em primeiro lugar, impedir impedir que a formação de Maurício Pocchetino pudesse dominar a partida através da posse no seu meio-campo. Em segundo lugar, a estratégia inicial traçada pelo croata visou impedir que a formação de Pocchettino pudesse sair no contra-ataque, transição na qual os Spurs se tem revelado muito eficazes nos últimos jogos. Em terceiro lugar, a pressão alta poderia permitir à sua formação recuperar bolas para manter viva a sua iniciativa no meio-campo adversário, obrigando o adversário a encolher-se nos seu último reduto.

O primeiro golo do Tottenham nasce de um conjunto de erros cometidos pelos jogadores de West Ham na pressão e no capítulo da transição e organização defensiva.

Continuar a ler “Os golos do dia (1ª parte)”

Ngolo Kanté: a sua bomba de 400cv de potência e a sua inteligência na definição de jogadas

Receber, acelerar, aguentar a pressão e a carga adversária, acelerar ainda mais (dificultando a transição defensiva do adversário; criando problemas na intervenção à defesa; veja-se o comportamento “saio ou não saio à pressão?” dos jogadores do Tottenham) e definição do último passe no melhor timing possível…

kante

  1. Se demorasse mais uma infima fracção de segundo a soltar, o médio do Chelsea ficaria sem a bola ou sofreria uma falta cirúrgica que poderia trazer poucos proveitos à equipa.
  2. Linha de passe aberta.
  3. Batshuayi já ganhou a frente do lance com a sua desmarcação. O passe isola o colega.

O tendão de aquiles dos sistemas de pressão alta

Na primeira parte do jogo disputado ontem entre Arsenal e Chelsea (Community Shield) houve um momento bem interessante no qual os Gunners conseguiram contornar (com bastante estilo e eficácia) a pressão alta realizada pelos homens da formação orientada por António Conte.  Continuar a ler “O tendão de aquiles dos sistemas de pressão alta”

Análise: West Bromwich Albion 0-1 Chelsea – Batshuayi torna-se o herói do 6º título dos Blues

O futebol também é feito de heróis improváveis! O belga Michy Batshuayi acabou de escrever o seu nome em mais uma página de história do Chelsea, ao apontar o golo que garantiu, com alguma emoção à mistura, o título dos londrinos. Quando todos já previam (face à excelente postura defensiva apresentada durante toda a partida pelo West Bromwich Albion de Tony Pulis) o adiamentos dos festejos dos londrinos para a próxima segunda-feira, dia em que o Chelsea cumpre o jogo que tem em atraso frente ao Watford, o belga, jogador que andou grande parte da época escondido no banco de António Conte durante o seu ano de estreia na Premier, saltou deste, na 2ª parte, para marcar o golo de uma vitória que conquista o 6º título de campeão para a formação londrina.
Continuar a ler “Análise: West Bromwich Albion 0-1 Chelsea – Batshuayi torna-se o herói do 6º título dos Blues”

Breves notas sobre a vitória do Chelsea sobre o Tottenham

As duas equipas que melhor futebol praticam em Inglaterra (em conjunto com o Everton, na minha modesta opinião) deram um fantástico espectáculo de futebol a quem pode assistir. Com o campeonato totalmente em aberto quando faltam 6 jornadas para o fim (o Chelsea tem neste momento 4 pontos de vantagem na tabela sobre os Spurs e um calendário bem mais agradável até ao final da prova, no qual a deslocação mais difícil será ao terreno do Everton; já os Spurs terão jogos difíceis em White Hart Lane frente a Arsenal e Manchester United e 3 difíceis deslocações aos terrenos do Leicester, West Ham e Crystal Palace) os Blues eliminaram os Spurs nas meias-finais da Taça de Inglaterra no jogo disputado esta tarde em Wembley. O pace a que foi disputada a partida foi simplesmente frenético em várias partes do jogo , quase todos os jogadores demonstraram uma intensidade incrível na disputa pela bola e os espectadores ainda ganharam vários brindes de oferta com os golaços de Willian, Marco Dele Alli, Hazard e Nemanja Matic e com as fabulosas assistências (e exibição) de Christian Eriksen.

Um facto curioso que me tem suscitado algum interesse nas últimas semanas prende-se com a utilização de esquemas tácticos similares ao que é utilizado por António Conte no Chelsea por parte das equipas que os londrinos tem defrontado. A utilização do esquema 3x4x2x1 (alguns consideram que o esquema táctico é um 3x4x3; Willian e Pedro não actuam como extremos puros mas antes como dois médios ofensivos nas costas do ponta-de-lança visto que o Chelsea projecta sempre os seus alas no ataque, alas que são devidamente cobertos pelos centrais que tem a missão de fazer a cobertura defensiva das faixas) por parte de alguns treinadores (Slaven Bilic do West Ham, Eddie Howe do Bournemouth e agora por parte de Maurício Pocchettino do Tottenham) são explicados pela necessidade de promover uma maior adequação das equipas ao sistema de Conte, “encaixando” mais as marcações que se pretendem realizar ao longo da partida. Continuar a ler “Breves notas sobre a vitória do Chelsea sobre o Tottenham”