Vuelta – 13ª etapa – Em Tomares, nos arredores de Sevilla, tomara a muitos ter esta organização da Quickstep

Já não existem adjectivos para descrever a prestação da formação belga (líder do ranking da UCI) durante a temporada de 2017: as vitórias caem estrondosamente no seu bolso como a água numa catarata. A Quickstep já é desde há muitos anos um projecto vencedor mas a verdade é que durante o presente ano ainda o está a ser mais vencedor. No Giro, os belgas venceram 4 etapas ao sprint com o colombiano Fernando Gavíria e 1 por intermédio de Bob Jungels. No Tour, Marcel Kittel limpou 5 etapas. Na Vuelta, Matteo Trentin, o lançador do alemão ganhou 3, Julian Alaphillippe ganhou outra e Yves Lampaert também já sentiu a emoção de subir ao pódio no final de uma etapa. Quando até a 3ª escolha (ainda tem uma 4ª: Maximiliano Richeze) para os sprints limpa 3 etapas numa Grande Volta, o que é que poderemos acrescentar ao formidável rendimento desta equipa?

Ao todo, a equipa que representa um dos maiores fabricantes mundiais de pavimentos laminados já conquistou 56 vitórias repartidas entre 2 vitórias em classificações gerais individuais, 10 prémios categorizados, e 44 etapas\provas de um dia. Nas 53 etapas corridas nas 3 grandes voltas até ao dia de ontem, a formação comandada por Patrick Lefévère conquistou um total de 15 etapas. Na esmagadora maioria das vitórias, há um denominador comum que explica grande parte do sucesso: a organização que esta equipa demonstra nas chegadas ao sprint. A vitória conquistada na 13ª etapa da Vuelta, não foi excepção.  Continuar a ler “Vuelta – 13ª etapa – Em Tomares, nos arredores de Sevilla, tomara a muitos ter esta organização da Quickstep”

Anúncios

Giro de Itália – Etapa 14 – Tom Dumoulin volta a desafiar a Movistar

Não haja dúvida: Tom Dumoulin é um tipo de tomates! O holandês da Sunweb colocou o assunto da Geral a um nível pessoal, voltando a irritar todos aqueles que o perseguem com uma exibição de sonho coroada com uma vitória na linha de chegada na subida de 11,8 km ao Santuário de Oropa. O comportamento exibido pelo holandês no Blockhaus voltou a repetir-se: no início da subida, o mau posicionamento do holandês parecia indicar uma certa quebra física. A Movistar voltou a endurecer a corrida, seguindo-se o ataque de Nairo Quintana. Sem ir ao choque, o holandês tomou a dianteira da perseguição, colocou o ritmo mais confortável que poderia colocar face às circunstâncias da corrida e no final, ainda teve forças para vencer a etapa e cavar mais umas diferenças para os mais directos perseguidores.
Continuar a ler “Giro de Itália – Etapa 14 – Tom Dumoulin volta a desafiar a Movistar”

Giro de Itália – Etapa 12 – Hat-trick de Fernando Gaviria

Fernando Gaviria 3-1 Andre Greipel. O colombiano voltou a molestar o alemão com uma valente chicotada no final da etapa 12, tirada maioritariamente corrida em terreno plano que ligou Forlì a Reggio Emilia. Ao contrário do sprinter alemão (até agora um dos maiores derrotados deste Giro), o colombiano da Quickstep soube-se posicionar melhor na abordagem ao sprint final, batendo Jakub Marezcko da Selle Italia e o irlandês Sam Bennett da Bora. Num dia em que a Lotto até deu uma ajuda para anular a fuga do dia, o alemão voltou a baquar no posicionamento, falhando por completo os esforços do companheiro que se adiantou ao pelotão na curva que antecedeu a recta da meta para o lançar com eficácia. Ficando muito atrasado nos últimos metros, o alemão falhou por completo o sprint
Continuar a ler “Giro de Itália – Etapa 12 – Hat-trick de Fernando Gaviria”

Giro de Itália – Etapa 11 – Omar Fraille vence nos Apeninos, na etapa em que Rui Costa (2º) merecia muito mais

O suspeito volta sempre ao local do crime! A etapa 11 (etapa que cruzou a cordilheira dos Apeninos, ligando Florença a Bagno di Romagna) estava literalmente a pedir a presença do português. 4 montanhas categorizadas (2 de 2ª categoria e 2 de 3ª) numa autêntica etapa de rasga pernas, sem terrenos planos, corrida na região onde o português pode ser feliz nos campeonatos do mundo de 2013, pediam que o ciclista natural da Póvoa do Varzim, chefe-de-fila da UAE, pudesse, não obstante da relativa proximidade que ainda possuía à partida relativamente ao top 10 e até mesmo à frente da corrida (cerca de 8 minutos para Tom Dumoulin) tentar entrar numa fuga de maneira a lutar pela vitória na etapa.

Rui Costa deverá ter assinalado a etapa como o momento ideal para tentar conquistar o seu principal objectivo na prova italiana. Saindo do pelotão na fuga do dia (ainda antes da subida aos 1372 metros do Monte Fumaiolo; última dificuldade do dia) o português conseguiu deixar a sua marca de água na etapa que acabaria por ser algo inglória para o esforço que realizou durante a etapa. Com um ataque em vão no Monte Fumaiolo, viria a recuperar 20 segundos para o duo que ali passou na frente (Omar Fraille da Dimension Data e Pierre Roland da Cannondale) de forma a discutir a vitória na etapa com o ciclista espanhol, com o ciclista francês e com Tanel da Astana.
Continuar a ler “Giro de Itália – Etapa 11 – Omar Fraille vence nos Apeninos, na etapa em que Rui Costa (2º) merecia muito mais”

Antevisão do Giro de Itália 2017 – As equipas e os corredores (2ª parte)

Da Gazprom, a última equipa abordada na segunda parte desta antevisão, passamos para a Lotto-Soudal. Continuar a ler “Antevisão do Giro de Itália 2017 – As equipas e os corredores (2ª parte)”

O momento da verdade na Volta ao País Basco

Que bela etapa rainha no País Basco. Alejandro Valverde coroou-se finalmente rei da prova basca (o espanhol nunca tinha vencido a geral individual da prova) na chegada a Arrate (Eibar) numa etapa em que a espectacularidade só apareceu finalmente na última das 6 subidas categorizadas do dia. Esta prova ficou efectivamente marcada pela vontade traçada por parte de todos os candidatos em poupar esforços para poderem discutir a geral individual nas últimas duas etapas da prova. No muro final, como veio a admitir Alejandro Valverde no final da etapa, o espanhol tentou atacar mas os seus adversários tornaram o ambiente muito difícil para o ciclista espanhol. Um deles foi o trepador canadiano Michael Woods da Cannondale, ciclista que já se tinha mostrado noutras abordagens montanhosas da prova. Outro foi o sul-africano Louis Mentjes da UAE, ciclista que fez a corrida literalmente de trás para a frente. A ambos tiro o meu chapéu pela coragem demonstrada nos seus ataques. Pode-se dizer que tiraram do sério todos os candidatos.

Continuar a ler “O momento da verdade na Volta ao País Basco”