O estranho caso de Miguel Layun

Ainda hoje ocorreu, numa conversa casual com o Miguel, autor convidado desta casa, trocarmos algumas considerações, onde estabelecemos pontos de vista concordantes, sobre a proveitosa utilidade que teria o lateral mexicano no onze do Sporting face à desastrosa temporada que os laterais esquerdos de Alvalade realizaram sob o mais alto patrocínio (que nos faz assemelhar a portadores do síndrome de Tourette sempre que olhamos para a sua presença no onze) de Jorge Jesus. Enquanto o Miguel me convencia que o nosso clube poderia obter o jogador através de um mecanismo de trocas de jogadores já que este não é uma primeira opção discutível de Nuno Espírito Santo e eu tentava refutar que muito dificilmente o Porto abriria mão do jogador para um rival, muito menos por tuta e meia (infelizmente, o futebol português ainda não é como o italiano, futebol no qual os grandes clubes trocam regularmente jogadores como se de cromos estes se tratassem) convergimos na opinião que nos torna imperceptível a razão que levou o treinador do Porto a abdicar na presente temporada daquele que foi de longe, na nossa opinião, o melhor dos portistas na temporada passada. Continuar a ler “O estranho caso de Miguel Layun”

Um empate amargo

Num jogo tão equilibrado, tão disputado e com tantas divididas a meio-campo, a haver destaque para um jogador esse destaque vai obviamente para o capitão Adrien Silva. No meio do desnorte que William revelou em determinados momentos da partida e nas mil e uma falhas cometidas pelo Sporting na transição (foram incontáveis os passes falhados que deram origem a situações de contra-ataque do Benfica) Adrien conseguiu manter sempre o norte e carregar a equipa para a frente quando tinha que o fazer.

Do físico e batalhado jogo de Alvalade, ficámos com uma certeza: o Benfica está a um passo de se sagrar tetra campeão. Não acredito que o Benfica cometa um deslize até ao final da temporada. Com um inédito livre, cobrado com magistralidade pelo sueco Victor Lindelof a castigar uma verdadeira estupidez (uma das muitas) de Alan Ruiz no jogo, o Benfica passou o teste de Alvalade.

Em termos de jogo jogado, o Sporting foi a equipa que mais situações de golo criou (4 foram as criadas pelos leões contra 0 da parte do Benfica) mas não praticou um futebol extraordinário, antes pelo contrário. Os múltiplos erros provocados nas transições por clara intranquilidade de várias unidades (Schelotto, Ruiz, o próprio William) poderiam ter custado caro se o Benfica tivesse desenvolvido melhor os bónus que a turma leonina lhes ofereceu. Por outro lado, se Bas Dost tivesse carimbado as 3 oportunidades golo que lhe foram literalmente oferecidas na 2ª parte, estaria aqui decerto a narrar uma vitória do Sporting. O Benfica foi uma equipa mais obreira, mais pressionante a meio-campo e mais inteligente na gestão dos vários contextos que o jogo ofereceu, levando para casa o tão desejado pontinho ambicionado certamente pelo seu treinador na preparação para este jogo.
Continuar a ler “Um empate amargo”

Rafa vs Mehdi Carcela

Não pude deixar de observar nos últimos dias esta estatística do site Goalpoint.pt. Nos últimos anos, as pessoas tem levado ao extremo a comparação entre jogadores com base nos números estatísticos realizados sem atender a uma multiplicidade de factores como as características e competência individuais e colectivas dos jogadores nos vários planos do jogo, a sua adaptação ao novo clube, a novos métodos de trabalho e a um conjunto de rotinas e processos de jogo, ao trabalho “invisível” que é feito pelos treinadores com determinado jogador (que pode ser visível se o jogador demonstrar em campo uma determinada evolução trilhada) e à  forma em como os treinadores conseguem adequar as suas unidades às matrizes identitárias que são trabalhadas na equipa, optimizando o seu rendimento.

Continuar a ler “Rafa vs Mehdi Carcela”

Um empate que sabe a pouco quando foi feito tanto

Tudo na mesma depois do jogo do título: o empate acaba por ter um sabor agridoce para ambas as equipas. O ponto não satisfaz os interesses traçados pelo Benfica para esta jornada nem reflectiu o que os encarnados fizeram ao longo dos 90 minutos. Há que dizê-lo abertamente: o Benfica fez por merecer a vitória apesar do empate também se justificar pelo excelente arranque de segunda parte que a equipa de Nuno Espírito Santo realizou e pelos problemas que causou à construção de jogo dos encarnados. Por outro lado, um empate na Luz foi um mal menor para os portistas. Estou certo que se vendessem aos adeptos do Porto um empate, 80 a 90% compravam-no antes da partida começar. Como referiu e bem Rui Vitória, o campeonato será disputado até às últimas jornadas. Restará ao Porto continuar a marcar os 3 pontos e ao Benfica ultrapassar o jogo de Alvalade.

Com um início demolidor de jogo (mesmo apesar da pressão no osso que os jogadores do Porto fizeram a meio-campo) principalmente dos jogadores que compõem o seu flanco direito (nos primeiros minutos foi essencialmente Nelson Semedo quem foi carregando a equipa para a frente com as suas fintas e progressões com bola no flanco direito) os encarnados, tal como eu previ neste post de antevisão, tomaram as rédeas do jogo, alcançando o primeiro tento numa grande penalidade que não existe. Jonas cria o desequilíbrio, tirando a bola do raio de acção de Felipe para depois dar aquele impulso enganador a Carlos Xistra porque precisamente teve a noção que poderia não chegar novamente ao esférico. No entanto, acredito que à velocidade a que se disputou o lance, Carlos Xistra tenha sido iludido pela ilusão que o brasileiro criou com o seu movimento. Felipe tenta pisar o pé de Jonas (é notória essa tentativa do central brasileiro nas imagens televisivas que a BTV cedeu) mas creio que acaba por não acertar no pé do brasileiro. Valeu-lhe a experiência para sacar a grande penalidade e convertê-la com muita classe, deixando Casillas cair para um lado antes de rematar para o meio da baliza.

Continuar a ler “Um empate que sabe a pouco quando foi feito tanto”

O que esperar do jogo do título?

Benfica e Porto jogam hoje no Estádio da Luz o 236º clássico da sua história. Cada clássico conta uma história e este não será diferente se atendermos ao contexto específico actual da liga portuguesa e até do panorama de crispação existente entre os dois clubes: apesar dos dois clubes ainda precisarem de vencer muitas batalhas até ao final do campeonato, a existir vencedor no jogo de hoje, essa equipa poderá conseguir encarreirar na Luz a conquista da Liga 2016\2017. Em primeiro lugar, depois do clima de guerrilha (mútua) que se verificou nas últimas semanas, crispação que chegou a meter a “selecção nacional” pelo meio deseja-se que a partida traga o necessário espectáculo e que tudo (dentro ou fora das 4 linhas) possa decorrer sem qualquer tipo de problemas. Isso é efectivamente o valor mais importante. O clima de crispação não pode passar por osmose para os adeptos que hoje se deslocarem ao Estádio da Luz para celebrar a festa do futebol.

Em segundo lugar, pede-se à equipa de arbitragem de Carlos Xistra a mais imaculada exibição possível para bem do futebol, da verdade desportiva e do fim do intolerável clima de desconfiança que se criou nas últimas semanas. Uma exibição agradável da equipa de arbitragem na partida não irá terminar com o clima de desconfiança existente mas irá aliviar a pressão sobre a arbitragem nas próximas semanas.

Continuar a ler “O que esperar do jogo do título?”