Os golos do dia

 

Excelente gesto técnico do médio do Chelsea. O remate em rosca deu um extraordinário efeito à bola, tirando-a do alcance do voo de David Ospina.

Início este post com o fantástico golo de Willian no empate a 1 bola do Brasil (já qualificado há muito para a Rússia) frente à Colômbia, selecção que ainda terá que penar mais um bocado para conseguir a qualificação nesta frenética “ronda” de qualificação da COMNEBOL. Continuar a ler “Os golos do dia”

Anúncios

Momentos da jornada de qualificação europeia para o Mundial

Um lindíssimo momento de bola parada protagonizado pela dupla de centrais da selecção austríaca no golo somado frente à Irlanda por Martin Hinteregger. Autêntica jogada estudada no canto batido pelo centrocampista do Bayer de Leverkusen Julian Baumgartlinger. Continuar a ler “Momentos da jornada de qualificação europeia para o Mundial”

Espanha 4-1 Israel

Vi com relativa atenção. Da gorda (mas enganadora em certos pontos) vitória dos espanhóis saliento dois pontos:

1º – Os processos de jogo ofensivos idealizados por Julen Lopetegui resultam na medida em que Vitolo e David Silva, colocados como alas interiores (a aparecer como 2º avançados ao 2º poste sempre que a bola é cruzada do flanco contrário) criam desequilíbrios através da oferta de linha de passe interior aos respectivos laterais dos seus flancos.

2º – A exibição desastrosa a todos os níveis da dupla de centrais, o que só realça que os golos que ambos marcam nos seus clubes (de extrema importância para o sucesso da equipa no caso de Sérgio Ramos) disfarçam as lacunas existentes no seu jogo. Se a selecção israelita possuísse por exemplo um ponta-de-lança combativo e eficaz como Diego Costa, outro galo cantaria nesta partida. Os dois centrais espanhóis são um perigo: não executam uma marcação correcta, não atacam o esférico à entrada da área quando o avançado adversário tem espaço suficiente para rematar de forma a desarmá-lo ou a encurtar-lhe o espaço e o tempo para preparar o remate e chegaram inclusive nesta partida a dar a sensação que quando o avançado adversário se movimenta dentro da área não comunicam para trocar a marcação.