As evidentes diferenças

Fernando Santos acertou finalmente agulhas com a fórmula que nos poderá “dar qualquer coisita” nesta Taça das Confederações. Não foi tão bonito vermos um jogo em que a nossa selecção conseguiu finalmente praticar (a espaços) um futebol estético, pensado e criterioso a partir de trás ao invés do longo chutão para a frente praticado contra os mexicanos? Não foi tão vistoso vermos uma equipa capaz de manietar (a espaços) o adversário através da circulação de jogo, com dois jogadores no meio-campo (Adrien e William) que jogam de olhos fechados? Bernardo Silva dá ou não dá outra criatividade a esta equipa e outra velocidade nas situações de contragolpe? Pode-se dizer que com Bernardo Silva, Cedric parecia outro jogador completamente diferente. André Silva é um não é um jogador que garante, através da sua presença na área, outro sentido ao jogo, libertando Cristiano Ronaldo para as funções em que este é efectivo? Aquela parte de final de sofrimento era escusada se atendermos ao número de oportunidades que tivemos no início da 2ª parte para matar o jogo!
Continuar a ler “As evidentes diferenças”

Anúncios

Foi vendido, está no banco!

Durante o último ano, Fernando Santos testou em vários jogos (oficiais e amigáveis) o seu sistema de 2 avançados com Cristiano Ronaldo e André Silva. O jogador do AC Milan provou em diversos jogos que a sua presença na área dá um duplo benefício ao jogo da selecção: para além de se constituir como uma mortífera referência de área quando a equipa opta por tentar chegar à área através de cruzamentos (7 golos em 8 internacionalizações), o avançado do Milan beneficia o “jogo particular” de Ronaldo com as suas movimentações. Ao arrastar um ou até mesmo os  dois centrais adversários com as suas movimentações, o jogador cria o espaço necessário para Ronaldo entrar em zona de finalização à vontade, sem oposição, como tanto gosta.

Contra o México, André Silva começará a partida no banco. O que é que mudou em poucos dias nas ideias do seleccionador nacional? Ah, já percebemos. Foi vendido. Jorge Mendes já recebeu a sua comissãozinha de 10% do valor da transferência. O jogador já não precisa de ser valorizado na Taça das Confederações. E isso reforça novamente a ideia que se tem vindo a acentuar nos últimos anos no que respeita à influência de Jorge Mendes nas selecções nacionais.

Breve análise – Letónia 0-3 Portugal

Descer à terra. A fantasia (perdão, a sorte) do Euro acabou. É preciso jogar mais. Muito mais.

O golo de André Silva disse muito sobre o adversário que a selecção portuguesa encontrou esta noite em Riga: um adversário fraquinho, de péssima qualidade técnica, com alguma qualidade táctica nos processos defensivos, em especial na intensidade que é colocada a meio-campo por Juris Laizans, o jogador mais credenciado desta selecção (esta Letónia já tinha vendido muito cara a derrota na Suiça mas dificil era não fazer pior contra uma equipa que apresentou muita falta de criatividade para além dos problemas revelados no capítulo da construção ofensiva) e com dois ou três processos de jogo ofensivos devidamente ensaiados que nos dificultaram a vida nos primeiros 10 minutos porque as nossas primeiras linhas de pressão falharam como as notas de mil. Só não ganha a esta Letónia quem não quer. A qualquer momento, a selecção letã perde por completo a compostura como já havia perdido no 2º tempo da partida realizada contra a Suiça. Há sempre um central que falha um corte ou que sai a jogar a partir de trás “com toda a confiança” pelo sítio onde 99% dos treinadores vão à loucura quando existe um erro transformado em golo, ou um lateral que cede perante a maior velocidade de um extremo. Difícil é não ganhar. Portugal demonstrou-o com o seu futebol estático e medíocre digno dos anos 80.  Continuar a ler “Breve análise – Letónia 0-3 Portugal”

Pomposos

Porque já sabemos que ele bate bem, apesar de muitos considerarem desde há largos anos que Moutinho “não sabe rematar” – bolas paradas para a Taça das Confederações: check.

Entretanto no António Coimbra da Mota…

Jogo ameno no reduto do Estoril. Início prometedor esvaído pelas enormes dificuldades sentidas essencialmente pelos centrais e por Danilo no momento das transições ofensivas, muito por culpa da intensidade colocada no momento de pressão (média\alta) que está a ser feita pelos cipriotas. Nestas situações também me parece indubitável a hesitação que está a ser demonstrada pelos laterais (devem projectar-se mais) e por João Moutinho e João Mário. O médio do Mónaco tem que baixar mais para poder pegar no jogo e o jogador do Inter deve procurar mais o espaço existente entre linhas. Boa dinâmica dos avançados, principalmente de André Silva.