Mais uma omissão inadmissível por parte dos órgãos de comunicação social portugueses!

As vitórias de João Sousa e Gastão Elias frente a dois adversários ucranianos em jogos a contar para o Grupo I da Zona Euro\Africana da Taça Davis deixam a selecção portuguesa a uma vitória de um histórico apuramento para o playoff de acesso para a Zona Mundial da maior competição por selecções do Ténis Mundial. Para os mais leigos na modalidade, faço questão de informar que Portugal não atinge esse feito há 23 anos.

Dos órgãos de comunicação social portugueses pouco vimos, pouco lemos, pouco sabemos a não ser uma ou outra notícia quando se dão por terminados os encontros. A televisão pública não transmite porque não considera o evento serviço público. A televisão privada, mais concretamente a Sporttv, também não viu utilidade na transmissão de dois encontros de tamanha importância para o Ténis Nacional. Nem a pagar uma fortuna por uma assinatura temos portanto direito a ver o que se tem passado no CIF em Lisboa. O que é estranho visto que o canal apostou na transmissão da última eliminatória da selecção portuguesa contra Israel. Os jornais da especialidade estão mais interessados em fazer a cobertura exaustiva da assinatura de contrato de Rui Vitória, intervalando as publicações já de si pouco interessantes ou relevantes com fotos de gajas nuas e mexericos mexicanos do mundo do desporto.
O verdadeiro serviço público nacional no que concerne a este momento está entregue a um miúdo carolas que vive e respira ténis 24 sobre 24 horas. Quando mais ninguém se interessa porque a coisa não dá viewers ou clickbaits fáceis, tem sido o Gaspar Ribeiro Lança da Ténis Portugal que nos tem salvo o dia quer no seu site quer na sua movimentada página de facebook, página que tem quase 35 mil (leu bem!) seguidores! Em boa horaGaspar! Se não fosse o teu, o meu e o esforço de muitos, estaríamos hoje a viver um país exclusivamente vocacionado para o soundbyte extra-relvado. Se não interessa a 35 mil pessoas num país de 11 milhões o que é que irá interessar? Serão os jogos da Zona Mundial da Taça Davis? Ou as repetitivas reposições dos jogos de futebol e de basket do fim-de-semana passado?