Binckbank Tour – Etapa 6 – Tim Wellens atinge o estado de graça nas ardenas

Nos metros finais, o belga da Lotto-Soudal puxou e o holandês nem se importou muito de perder a etapa (e os inerentes segundos de bonificação reservados para o primeiro a cruzar a linha de meta) porque tinha a plena consciência que acabara de dar um passo importante para a vitória na geral. Este é o mais breve resumo da parte menos importante de uma corrida (nas ardenas; na região de Bastogne; em certos, a corrida cruzou-se com alguns dos trilhos da mítica clássica disputada durante a primavera) que espremeu um apetecível e saboroso sumo de clássica da primavera em pleno verão.

Dois grandes obstáculos marcavam os últimos 35 km de corrida na fantástica região da Valónia. Se o conhecido Côte de Saint-Roch (800 metros a uma pendente média de 12%), muro eternizado na mítica clássica integrante dos 5 monumentos que tem o seu término no icónico bairro de Ans, seria o ponto de partida para a discussão pela etapa, o Cote Boins des Moines acabou por fazer toda a diferença. Nos Boins des Moines, Oliver Naesen (AG2R) entrou na frente com alguma vantagem sobre um reduzido grupo de ciclistas, Peter Sagan arriscou tudo para poder vencer a prova, Tim Wellens foi inteligente na forma em como soube responder a Sagan mas Tom Dumoulin acabou por fazer toda a diferença em virtude do azar ocorrido ao eslovaco da Bora.

Continuar a ler “Binckbank Tour – Etapa 6 – Tim Wellens atinge o estado de graça nas ardenas”

Amanhã há Paris-Roubaix!

O Inferno do Norte está de volta! Vou ser sincero: há vários dias que anseio pela prova que é desde miúdo a minha favorita do calendário internacional.
Em 2016 foi o “underdog” Matthew Hayman da Orica quem chorou mais baba e ranho para chegar na primeira posição ao velódromo de Roubaix.

Para a edição deste ano aposto na “prata da casa” ou seja em…

Sim, ele mesmo! Peter Sagan, o actual bicampeão do Mundo e campeão da Europa em título! Face a tamanha concorrência (Tom Boonen, Greg Van Avermaet, Sep Vanmarcke, Matthew Heyman, Arnaud Demare, Tony Gallopin, André Greipel, Luke Durbridge, Niki Terpstra, Mark Cavendish, Alexander Kristoff, Lars Boom, Ian Stannard, Luke Rowe, John Degenkolb, Frederik Backaert) e a 29 sectores de pavé sei que será uma longa batalha para o eslovaco mas estou confiante que mais uma vez virá ao de cima o seu virtuosismo!

A prova terá o seu início quando passarem 5 minutos das 10 da manhã em Portugal. Poderá ser vista no canal Eurosport.

A classe de Phillip Gilbert

Eu bem avisei! No post que ontem lancei a propósito do momento de forma actual do super campeão belga, acreditava piamente que o ciclista da Quickstep poderia surpreender todos aqueles que previam uma corrida mais ou menos linear, ou seja, a ser discutida pelos dois tubarões das clássicas da actualidade: Peter Sagan e Greg Van Avermaet.

Com um ataque forte na primeira passagem pelo difícil e inclinado paralelo do Oude Kwaremont (a 55 km da linha de chegada; o Oude Kwaremont é uma inclinação de 2,2 km feita em estrada de paralelo com uma percentagem máxima de 11%, constituindo-se portanto conjuntamente com o Patterberg um dos pontos-chave de decisão da prova) o belga voltou a repetir a dose que já o tinha feito sorrir nos 3 dias de Panne. É correcto afirmar porém que a conjuntura de corrida foi benéfica para a estratégia de corrida tomada pelo belga naquele preciso momento. Inserido no grupo da frente sem Sagan, Avermaet, John Degenkolb e André Greipel por perto, Gilbert teve a “sua” corrida ligeiramente facilitada no momento do ataque. Contudo, mais uma vez valeu ao belga a excelente leitura de corrida que soube fazer, atacando no preciso momento em que o pelotão poderia estar muito próximo de fazer a junção entre os principais candidatos.

Continuar a ler “A classe de Phillip Gilbert”

Tour de Flandres: o que esperar de Phillipe Gilbert?

A mais recente prestação do antigo campeão do mundo nos 3 dias de Panne, prova que serviu de antecâmara para o espectáculo que teremos amanhã à tarde no Tour de Flandres (o 2º dos 5 monumentos do ciclismo mundial) indicia que Phillipe Gilbert irá aparecer em grande forma e com objectivos bem altos nas clássicas da primavera que teremos todos os domingos nas próximas 5 semanas.

Continuar a ler “Tour de Flandres: o que esperar de Phillipe Gilbert?”