Os golos da jornada

Início a rodada de uploads com o golo somado pelo Alavés contra o Real Madrid para vos mostrar a simplicidade de processos da turma da casa na construção desta jogada e a atípica hesitação (patetice) de Raphael Varane no ataque a um lance aéreo.

O médio Burgui não só conseguiu na sua acção sair muito bem da pressão realizada por dois adversários, com a bola bem coladinha, em drible curtinho, ao pé direito (noutras ocasiões, pude reparar que o médio do Alavés é um jogador que não só consegue sair bem das situações de pressão como é um médio com uma técnica individual que lhe permite criar desequilíbrios em espaços muito reduzidos porque é um jogador que cola muito bem a bola ao pé e consegue mudar com rapidez a direcção do drible, dificultando a tarefa de quem o defende) como conseguiu rodar muito bem para se virar de frente para o jogo e para a oportunidade de progressão que lhe é aberta por Mounir El Haddadi na desmarcação para as costas de Sérgio Ramos. Com tempo e espaço para cruzar, o avançado colocou uma bola perfeita para a entrada em zona de finalização de Manu Garcia perante uma atitude atípica de Varane no ataque ao esférico.  Continuar a ler “Os golos da jornada”

Anúncios

A magia de Sadio Mane

Da instável prestação do Liverpool frente ao Watford de Marco Silva. Contra o atrevido Watford de Marco Silva, a formação de Jurgen Klopp cometeu falhas defensivas que são, no meu entender, imperdoáveis para uma equipa que tem a ambição vir a imiscuir-se na luta pelo título. Os 3 golos da formação do noroeste de Londres resultaram de 3 patices defensivas pegadas (no primeiro golo, golo obtido na sequência de um pontapé de canto, à falha de marcação juntou-se a inépcia na desactivação do bloqueio que foi feito a Simon Mignolet; o 2º golo resulta de uma clara falha posicional da defensiva dos reds no lance do 3º golo, a formação de Klopp voltou a falhar na abordagem aos pontapés de canto adversário, ao não colocar nenhum jogador ao primeiro poste; como os Hornets já tinham vindo a bater cantos para o primeiro poste, justificava-se ali a presença de um jogador para poder atacar imediatamente a bola) e, a verdade é que o Liverpool não conseguiu matar o jogo nas oportunidades flagrantes que dispôs nos minutos subsequentes à obtenção do 3º golo.

Sadio Mane fez um vistão no lance do primeiro golo. O médio ofensivo pode realçar mais uma vez toda a sua fantasia, inteligência e capacidade de finalização. A acção foi deliciosa. Com dois adversários na ilharga, o médio sabia que ao passar para Moreno iria obrigar os dois adversários a ter que saltar na pressão para tentar roubar a bola ao lateral. A correcta presunção permitiu-lhe entrar no espaço livre, onde pode dar a entender que iria receber a bola para eventualmente tentar entrar na área em drible. Com a simulação, o médio senegalês imobilizou literalmente dois jogadores e só teve que entrar concedido pelos adversário para voltar a receber a bola com todos os royalties para finalizar.