Tour de France – Etapas 1 e 2 – Geraint Thomas vence o crono de abertura com alguma surpresa; Marcel Kittel arrecada a vitória na chegada a Liège

A 104ª edição do Tour de França arrancou oficialmente para a estrada durante a tarde de ontem em Dusseldorf. Naquela cidade alemã, os 180 ciclistas em prova puderam cumprir, numa complicada secção de luta contra o relógio, os primeiros 14 dos 3540 km designados para a prova pela Amaury Sports Organization (ASO). Perante condições atmosféricas muito difíceis que obrigaram os ciclistas à adopção de posturas de corrida muito cautelosas, especialmente nas múltiplas viragens que o perfil de etapa oferecia, o galês Geraint Thomas (Sky) venceu com alguma surpresa (quando toda a gente previa a mais que provável vitória do campeão do mundo Tony Martin) o primeiro contra-relógio dos dois previstos para as 21 etapas, no dia que ficou marcado pela aparatosa queda que retirou Alejandre Valverde de combate. O espanhol acabou por sofrer uma queda muito aparatosa numa viragem. A prova ficou assim sem um dos seus principais agitadores.

Continuar a ler “Tour de France – Etapas 1 e 2 – Geraint Thomas vence o crono de abertura com alguma surpresa; Marcel Kittel arrecada a vitória na chegada a Liège”

Anúncios

Criterium Dauphiné – Etapa 2 – Arnaud Demare conquista o seu 7º triunfo da temporada

Na chegada a Arlanc, a Française des Jeux mostrou que tem a máquina bem oleada para o Tour. Numa etapa corrida num traçado muito exigente do ponto de vista técnico, o sprinter francês de 25 anos foi mais forte que toda a concorrência num dos sprints mais competitivos da temporada, relegando Alexander Kristoff da Katusha para a 2ª posição e Nacer Bouhanni da Cofidis para a 3ª. Para a sua vitória muito contribuíram os esforços realizados pela sua equipa no estabelecimento na frente do pelotão do seu “comboio” e o lançamento promovido a 500 metros da meta por um companheiro de equipa. Numa etapa que todas as equipas dos sprinters (à excepção da Quickstep, um pouco em virtude da queda sofrida por Peter Vakoc na cauda do pelotão nos quilómetros finais) lutaram arduamente para conceder aos seus targets as melhores condições possíveis de abordagem ao sprint final, o francês acabou por dar uma clara demonstração de força: Demare está bem, acabou por conseguir superar o registo de vitórias obtido no ano passado (6) e promete que os seus objectivos não ficarão decerto por aqui: o francês quer desafiar Peter Sagan e Marcel Kittel no Tour!

Continuar a ler “Criterium Dauphiné – Etapa 2 – Arnaud Demare conquista o seu 7º triunfo da temporada”

Volta à Romandia – Resumo da 2ª e da 3ª etapa

Na curta tirada entre Champéry e Bulle, curta etapa de 136 km que contava com algumas contagens de montanha de categoria inferior no traçado desenhado pela organização, a Suiça festejou a “sua 2ª vitória” na prova com a vitória do jovem Stefan Kung da BMC. Num dia marcado pelas péssimas condições atmosféricas que se registaram (piso muito molhado durante toda a corrida; neve e muito frio à mistura) o jovem contra-relogista suíço de 23 anos conseguiu alcançar a sua 12ª vitória da sua carreira enquanto profissional, voltando a triunfar num palco onde já tinha conquistado uma etapa na edição de 2015. Continuar a ler “Volta à Romandia – Resumo da 2ª e da 3ª etapa”

Fabio Felline vence o Prólogo da Volta à Romândia

A belíssima e “italiana” região da Romandia na Suiça é o último pit stop antes do Giro de Itália. Na prova suiça, prova de 6 etapas (a primeira em regime de prólogo) que foi vencida nas últimas edições por Nairo Quintana (Movistar) e Ilnur Zakarin (Katusha) estão presentes praticamente todos os ciclistas que tem ambições no próximo Giro para além de outras grandes vedetas do pelotão internacional como é o caso de Chris Froome, ciclista que já venceu a prova em duas ocasiões nos anos de 2013 e 2014. Apesar de se desconhecer por completo o actual estado físico do ciclista britânico em virtude dos poucos dias de corrida que somou na primeira metade desta temporada, Froome é sempre um nome a ter em conta para qualquer prova. Estou convicto que o veremos seguramente na frente nas etapas de montanha.

Carlos Alberto Bettancur (Movistar), David de La Cruz e Bob Jungels (Quickstep), Tejay Van Garderen e Richie Porte (BMC), Simon Yates e Roman Kreuziger (Orica), Chris Froome (Sky), Jarlinson Pantano (Trek), Warren Barguil e Wilco Keldermann (Sunweb), Rigoberto Uran (Cannondale), Robert Gesink e Primoz Roglic (Lotto Jumbo-NL), Ilnur Zakarin e Simon Spilak (Katusha), Jon Izaguirre e Sonny Colbrelli (Bahrein-Mérida) Christophe Riblon e Alexis Vuillermoz (AG2R) Sebastien Reichenbach (FDJ), Louis Mentjes e Diego Ulissi (UAE; Rui Costa não correrá uma prova onde já conseguiu fazer pódio em duas ocasiões) são as estrelas do pelotão internacional presentes na suiça para discutir as etapas e a geral individual da prova.
Continuar a ler “Fabio Felline vence o Prólogo da Volta à Romândia”

Amanhã há Amstel Gold Race

Como não poderia deixar de ser, a nossa aposta será no nosso ídolo Rui Costa, o dorsal 151 na prova holandesa. Esperemos que o Rui traga a vitória no icónico muro do Cauberg porque bem merece depois de vários anos em que a prova lhe foi madrasta. Vamos ver quais serão as “sensações” do português na prova após a paragem que lhe foi ditada pelo calendário de provas traçado pela equipa e pela necessidade de realizar um estágio de altitude, estágio que foi realizado quiçá já a pensar na preparação para as provas de 3 semanas.

Continuar a ler “Amanhã há Amstel Gold Race”

A vitória de Sonny Colbrelli na Brabants Pijl

Sonny quê? Brabants quantas? Não, não é um post sobre o filho de Don Corleone mas sim um extraordinário corredor de clássicas italiano e trocando por miúdos, a Brabants Prij ou Fleche Brabançonne é uma das provas mais importantes do calendário velocipédico belga que atravessa duas regiões totalmente diferentes (na língua, cultura, tradições) dentro do mesmo país. A prova parte (Leuven) e termina dentro da região do Brabante Flamenco (Holandês) depois de passar por parte do território do Brabante da Valónia (parte francófona). Pelo meio os ciclistas tem de ultrapassar 26 colinas divididas por um traçado corrido com uma ponta final corrida em circuito fechado. Não é portanto uma prova qualquer e até é valorizada e apreciada pelo belgas ao mesmo nível do Tour de Flandres por exemplo.

Fazendo a ponte entre as clássicas do pavé e as clássicas das colinas que se seguem dentro de dias com a realização da Amstel Gold Race na Holanda, a prova belga é por norma a última prova de preparação para todos aqueles que tem aspirações a vencer a Amstel Gold Race, a Flèche Wallone e a Liège-Bastogne-Liège.
Continuar a ler “A vitória de Sonny Colbrelli na Brabants Pijl”