Que asneira de Bravo

 

A jogada começa com uma verdadeira asneira de Claudio Bravo. Como se pode ver, Bravo arrisca um passe para o meio-campo (para uma zona em que todos os jogadores estão marcados por australianos) para Charles Aranguiz quando podia ter jogado para as 3 linhas de passe que lhe foram oferecidas por Mena, Dias e Vidal. O médio do Bayer de Leverkusen deixa-se antecipar por Robbie Kruse.

De um momento para o outro a selecção australiana cria uma situação no contragolpe de 4×4 com a entrada rapidíssima do central Trent Sainsbury (o mesmo que ao cair do pano desperdiçou, na área chilena, uma oportunidade clamorosa para colocar a sua selecção virtualmente no 2º lugar) na área adversária. A acção de Sainsbury é capital para a decisão deste lance. O central fixa 4 jogadores e toma, em virtude do posicionamento destes, a melhor opção possível com a devolução para Robbie Kruse. O 10 australiano só teve portanto que tentar assistir James Troisi no espaço que ficou livre nas costas dos 3 jogadores que o seu central fixou.

Portugal 4-0 Nova Zelândia – Passeata em São Petersburgo

15 minutos finais de aceitável futebol permitiram à selecção confirmar o apuramento na primeira posição do grupo num jogo em que os restantes 75 não foram verdadeiramente aceitáveis face ao adversário que defrontámos em São Petersburgo. Perante um adversário tão inofensivo que só construiu 2 situações de golo em 2 lances oferecidos pelos centrais e pelo guarda-redes português, e tão débil do ponto de vista defensivo, o jogo contra os neozelandeses deveria ter sido facilmente solucionado no primeiro tempo com uma goleada se não tivessem existido alguns dos erros a que este elenco nos tem habituado. Continuar a ler “Portugal 4-0 Nova Zelândia – Passeata em São Petersburgo”

Os golos do dia

O golo do médio centro dos Camarões Andre Franck Zambo Anguissa (Olympique de Marselha) frente à selecção australiana no empate somado pelas duas equipas na partida disputada em São Petersburgo.

Relativamente ao lance do golo destaco o passe fenomenal do central Michael Ngadeu-Ngadjui para a entrada de Anguissa junto ao central australiano Milos Degenek e o sentido de oportunidade do jogador do Marselha quando se apercebeu que o guardião australiano Matthew Ryan iria chegar atrasado aquela bola. Ao aproveitar o facto da bola ter caído “em terra de ninguém”, o jogador camaronês aproveitou claramente uma situação de falta de comunicação entre o central e o guarda-redes da selecção australiana para ser feliz. Degenek confiou. O central pensava que seria mais rápido a chegar aquela bola. Como tal, não pediu a Ryan para sair. Como não saiu atempadamente, o guardião australiano que no presente defeso foi adquirido pelo recém-promovido à Premier League Brighton and Albion, foi apanhado em contrapé na jogada.

Continuar a ler “Os golos do dia”

Os golos do dia

A técnico trabalho de Raúl Jimenez no golo do empate frente à Nova Zelândia. Excelente rotação e excelente finalização do avançado do Benfica numa jogada muito bem desenvolvida por Javier Aquino (o game changer dos mexicanos no jogo; trouxe velocidade e objectividade à equipa) e Marquito Fabián face à extrema concentração de unidades neozelandesas no interior da área. 

Continuar a ler “Os golos do dia”

As evidentes diferenças

Fernando Santos acertou finalmente agulhas com a fórmula que nos poderá “dar qualquer coisita” nesta Taça das Confederações. Não foi tão bonito vermos um jogo em que a nossa selecção conseguiu finalmente praticar (a espaços) um futebol estético, pensado e criterioso a partir de trás ao invés do longo chutão para a frente praticado contra os mexicanos? Não foi tão vistoso vermos uma equipa capaz de manietar (a espaços) o adversário através da circulação de jogo, com dois jogadores no meio-campo (Adrien e William) que jogam de olhos fechados? Bernardo Silva dá ou não dá outra criatividade a esta equipa e outra velocidade nas situações de contragolpe? Pode-se dizer que com Bernardo Silva, Cedric parecia outro jogador completamente diferente. André Silva é um não é um jogador que garante, através da sua presença na área, outro sentido ao jogo, libertando Cristiano Ronaldo para as funções em que este é efectivo? Aquela parte de final de sofrimento era escusada se atendermos ao número de oportunidades que tivemos no início da 2ª parte para matar o jogo!
Continuar a ler “As evidentes diferenças”

Duas chouriçadas e dois frangos e Marc Andre Ter Stegen…

(…) quase permitiram uma estreia de sonho da selecção orientada por Ange Postecoglu frente ao lote B dos actuais campeões do mundo, num jogo pastelão que os alemães poderiam ter resolvido bem mais cedo, se não tivessem sido tão perdulários.  Continuar a ler “Duas chouriçadas e dois frangos e Marc Andre Ter Stegen…”

Análise – Taça das Confederações – Portugal 2-2 México

Ao longo dos 90 minutos, as bolas paradas foram um problema para a nossa selecção. Não quero com isto dizer que os mexicanos tenham criado perigo de maior neste departamento específico do jogo, porque não criaram, mas, a abordagem aos lances, não foi positiva. Vários foram os livres e cantos que não foram devidamente atacados. Aos 91″, num lance em que creio que Rui Patrício deveria ter sido o corajoso guarda-redes que é, José Fonte perdeu o duelo aéreo para o seu congénere mexicano Hector Moreno. A cabeçada do central que actualmente representa o PSV Eindhoven deu justiça ao resultado de uma partida medíocre em que pudemos ver dois estilos completamente diferentes na estética mais iguais ao nível de objectividade: zero. De um lado tivemos o tosco chutão em profundidade dos campeões europeus frente ao dinâmico teste que os mexicanos colocaram em campo ao treino analítico de circulação de bola que foi ministrado nos últimos meses pelo seleccionador mexicano Juan Carlos Osório

Continuar a ler “Análise – Taça das Confederações – Portugal 2-2 México”