Vuelta – 7ª etapa – Fantástica vitória para Matej Mohoric na chegada a Cuenca

Esta é uma Vuelta para os Jovens. Depois de Alexei Lutsenko (ciclista que se sagrou campeão do mundo de sub-23 em 2012), Matej Mohoric, o homem que sucedeu a Lutsenko na posse da camisola do arco íris, símbolo da UCI, no ano de 2013, pode colmatar a 3ª vitória consecutiva de uma fuga na prova na chegada à belíssima cidade de Cuenca, cidade-província de 55 mil habitantes, de estilo arquitectónico variado (do gótico ao barroco passando pela arquitectura árabe) que representa os vários povos que ali se fixaram ao longo de séculos. Cuenca é desde 1996 reconhecida pela Unesco como Património Mundial da Humanidade.

O esloveno desejou com ardor a vitória. Esta não foi uma vitória de circunstancia, ao calhas, de um ciclista qualquer. Foi uma vitória muito desejada, muito suada, muito trabalhada (repare-se na aerodinâmica perfeita que o ciclista apresentou no último ataque, realizado após a passagem na dura colina de 3ª categoria do Alto Del Castillo) de um ciclista muito talentoso, que precisou de 3 investidas para conseguir suplantar a oposição de ciclistas muito mais calejados como José Joaquin Rojas ou Alessandro DeMarchi. Depois de ter passado praticamente uma temporada a investir sem sucesso em várias fugas noutras provas, o tenro esloveno de 22 anos, ciclista formado na Sava que conquistou no passado a prova de estrada de juniores e sub-23 dos campeonatos do Mundo, pode finalmente saborear uma vitória (e que vitória) numa prova de World Tour. Esta será uma vitória que o ciclista jamais irá esquecer.

Continuar a ler “Vuelta – 7ª etapa – Fantástica vitória para Matej Mohoric na chegada a Cuenca”

Anúncios

Vuelta – 5ª etapa – Alexei Lutsenko reforçou o seu estatuto no alto de Alcossebre

“É uma grande vitória para a minha carreira” – destacou à chegada o jovem casaque de 23 anos. Não duvido nem discordo da afirmação porque o palmarés exibido pelo atleta assim o afirma. Não quero com isto dizer que o palmarés de Lutsenko seja um palmarés pobre em vitórias porque de facto não o é. Um ciclista de 24 anos (grande parte dos ciclistas atinge a sua “maioridade competitiva” aos 26 anos) que já venceu etapas em provas tão competitivas como o Paris-Nice, a Volta à Suíça, o Tour de L´Avenir (Volta à França do Futuro), o montanhoso Giro Valle D´Aosta, e que já atingiu pódios nas gerais individuais de outras como os 3 dias de Panne (prova de preparação para o Tour de Flandres) tem de possuir alguma qualidade.

À partida para esta Vuelta, eu sabia no meu íntimo que o combativo e possante corredor da Astana poderia ter uma multiplicidade de oportunidades para continuar a afirmar-se como um dos mais interessantes corredores da nova geração do ciclismo mundial. Não esperava porém que o ciclista o conseguisse fazer no seio de um grupo onde “morava” tanta qualidade. Não sendo um trepador puro (tem potencial para vir a melhorar visto que é um ciclista muito combativo e muito possante que se adapta bem a qualquer tipo de terreno, sem esquecer também a sua fisionomia de 1,75m\68 kg; se perder algum peso, o ciclista casaque poderá melhorar o seu rendimento na montanha) Lutsenko “tem muito” do seu compatriota e director desportivo Alexandre Vinokourov. Uma das características “partilhadas” por ambos é a coragem para atacar sem temer qualquer consequência que possa derivar dos seus ataques. À semelhança de Vino, Lutsenko também é um ciclista que não se enrodilha em questões tácticas ou energéticas quando tem que lançar um ataque: vai e pronto.

Na chegada à difícil rampa de Alcossebre (Alto da Ermita de Santa Lúcia; 3,4 km a 10%) o atleta casaque da Astana concretizou uma vitória construída num audaz ataque realizado na companhia de 2 mais ciclistas nas contagens de montanha anteriores à final, fintando por completo outros nomes que pareciam à partida mais talhados para discutir a vitória na rampa final.

No que concerne à geral, na subida final, Chris Froome pode fazer mais uma pequena selecção na “sua corrida particular”.

Continuar a ler “Vuelta – 5ª etapa – Alexei Lutsenko reforçou o seu estatuto no alto de Alcossebre”

Volta à Suíça – Etapa 6 – Pozzo confirma o seu actual momento de forma na intempérie de La Punt

Com um fantástico ataque nos km´s finais da extensa e exigente subida para a estância de ski de La Punt, o italiano da AG2R pode obter a diferença que lhe permitiu conquistar a vitória na 6ª etapa da prova suíça e chegar à liderança da prova. Numa etapa de montanha que voltou a ser marcada por vários ataques e contra-ataques dos contenders, Rui Costa conseguiu realizar uma extraordinária corrida que lhe permitiu coleccionar mais um 2º lugar na presente temporada. Não obstante o facto de ter falhado novamente a vitória de etapa, o português pode angariar alguns segundos preciosos em relação aos rivais que lhe permitiram reentrar na luta pela vitória final.

Continuar a ler “Volta à Suíça – Etapa 6 – Pozzo confirma o seu actual momento de forma na intempérie de La Punt”

Giro de Itália – 4ª etapa – A diabólica etapa que Jan Polanc venceu no Monte Etna

No regresso à estrada após o primeiro dia de descanso na prova na segunda-feira, numa etapa decorrida em solo continental na Sicília, a UAE de Rui Costa concretizou o seu principal objectivo na prova: a vitória numa etapa. E que etapa! Na primeira grande abordagem à alta montanha, o esloveno Jan Polanc chegou isolado ao alto do Monte Etna, coroando com êxito o enorme esforço tomado durante vários quilómetros numa fuga.

Numa etapa diabólica em que houve um bocado de tudo (uma fuga bem sucedida, ataques dos favoritos à geral na parte final da etapa, um engano no percurso por parte de alguns ciclistas que veio a originar quedas na parte final, abandonos a meio da etapa, furos entre alguns dos principais contenders, a expulsão de Javier Moreno Bazan da Katusha por agressão a um ciclista da Sky) o esloveno teve que cerrar os dentes para preservar os 6 minutos adquiridos sobre o pelotão na passagem pela subida à Porta Della Femma Morta (a sensivelmente 60 km do fim da tirada) na subida ao flanco lateral do Monte Etna, no dia em que a camisola rosa passou de mãos entre ciclistas da mesma equipa. O sprinter Fernando Gaviria entregou a liderança da prova ao seu chefe-de-fila Bob Jungels.
Continuar a ler “Giro de Itália – 4ª etapa – A diabólica etapa que Jan Polanc venceu no Monte Etna”