A imagem do dia

bolt

Momento de drama no Estádio Olímpico de Londres. Naquela que deveria ser a transmissão mais gloriosa da sua longa e vitoriosa carreira, a última de uma verdadeira segunda vida em que o seu principal rival foi a sua própria sombra e em que a vontade foi sempre de uma voracidade infinita, o músculo agarrou e a máquina foi parando lentamente até cair no chão, exaurida em dor. O valente cérebro do atleta jamaicano ainda quis chegar ao destino mas o músculo, velho e cansado, não lhe permitiu cambalear por mais de 5 metros. Por mais estímulos que o  Usain Bolt estivesse a sentir, o seu corpo atingiu o pleno de estado de finitude. O jamaicano não merecia esta despedida. Nenhuma lenda do desporto merecia despedir-se assim, de forma tão dolorosa, tão dolente, e tão dramática. A dor sentida na coxa não pode ser de forma alguma comparável à dor psicológica que o atleta deverá ter sentido naquele preciso momento. Continuar a ler “A imagem do dia”

O último sprint de Usain Bolt

Só os grandes campeões conseguem reconhecer ao longe a hora exacta para se retirarem. Usain Bolt já a farejava há muito tempo: o futuro está aí à porta e já começou a dar cartas. Não tivesse Justin Gatlin feito 30 metros de sonho e a medalha de ouro teria ido para o rookie Christian Coleman na sua primeira presença nos campeonatos do mundo de atletismo. Não deixa de ser curiosa esta passagem de testemunho: Coleman admitiu recentemente que começou a praticar atletismo muito tarde, aos 17 anos, por influência das conquistas e dos recordes do jamaicano. Até então, o jovem sprinter praticava Futebol Americano. No ano passado, o velocista chegou a ser inserido no NFL Draft Scouting Combine, um certame de pré-selecção de atletas (passíveis de ser inseridos nas listas de jogadores a draftear) que é realizado todos os anos em Fevereiro pela Liga profissional de Futebol Americano. Os impressionantes 4:22s realizados num segmento de 40 metros permitiriam a Coleman superar o impressionante registo de 9 segundos e 58 centésimos aos 100 metros se o atleta conseguisse manter a mesma velocidade ao longo dos restantes 60.  Continuar a ler “O último sprint de Usain Bolt”

A despedida de Usain Bolt da Diamond League

Segundo as declarações proferidas na semana passada pelo velocista jamaicano, o Stade Louis II recebeu a última participação de Usain Bolt na Diamond League. Na semana passada, em conferência de imprensa especialmente marcada pelo atleta para anunciar a sua decisão, o jamaicano afirmou que se vai retirar do desporto profissional logo a seguir Campeonatos do Mundo de Londres, evento em que o atleta tentará conquistar novamente o título de campeão do mundo dos 100 metros e dos 4×100 metros. O facto deste não vir a correr os 200 metros no coração do Reino Unido poderá indicar à primeira vista que o atleta não quer sair do atletismo pela porta (pequena) que é habitualmente reservada para os derrotados.  Continuar a ler “A despedida de Usain Bolt da Diamond League”