Giro de Itália – Etapa 8 – A vitória de Gorka Izaguirre na chegada do Giro à costa do Adrático

A 8ª tirada da prova, com final marcado para a dura subida de 1km ao centro de Peschichi, pequena vila turística de 4500 habitantes na região da Puglia (pronvincia de Foggia) com vista privilegiada para o azul claro do mar Adriático convidava, devido à “ondulação” do terreno (188 km de puro sobe e desce) à eventual saída numa fuga de puncheurs ou de gregários de luxo das várias equipas.

Nas 3 fugas do dia, saíram homens com algum estatuto dentro das suas respectivas equipas. Se um dos fugitivos se tratou do próprio chefe-de-fila da Astana na prova italiana (o caça etapas Luis León Sanchez ), outros foram nem mais nem menos do que os principais gregários de luxo dos principais candidatos à vitória na geral individual, casos de Gorka Izaguirre (gregário de Nairo Quintana na Movistar) e Giovanni Visconti (gregário de Vincenzo Nibali na Bahrain-Mérida). Na subida final Gorka Izaguirre haveria de somar o seu primeiro triunfo no Giro, igualando o pecúlio particular na prova do seu irmão Ion Izaguirre (actualmente na Bahrain-Mérida).  Continuar a ler “Giro de Itália – Etapa 8 – A vitória de Gorka Izaguirre na chegada do Giro à costa do Adrático”

Apostas são apostas mas…

… e há muito que eu defendia no meu íntimo que Rui Costa deveria ter uma oportunidade para mostrar o seu valor no Giro ou na Vuelta face à autêntica malapata que foram as suas participações nas últimas edições da Volta a França e sinceramente, face à dificuldade que é para um ciclista com as características do português fechar um top 10 no meio de tanta qualidade para a alta montanha que a prova francesa acolhe. No Giro estou certo que o português tem peugada para andar junto do grupo dos favoritos à geral individual, se bem que para o efeito terá que realizar excelentes exibições na alta montanha, sabendo praticamente de antemão que não terá muita gente com características para o ajudar nestas etapas.  Continuar a ler “Apostas são apostas mas…”